Wednesday, December 30, 2009


GUYUN VILLAGE, China — Some of the greenest technologies of the age, from electric cars to efficient light bulbs to very large wind turbines, are made possible by an unusual group of elements called rare earths. The world’s dependence on these substances is rising fast.
Just one problem: These elements come almost entirely from China, from some of the most environmentally damaging mines in the country, in an industry dominated by criminal gangs.
Western capitals have suddenly grown worried over China’s near monopoly, which gives it a potential stranglehold on technologies of the future.
In Washington, Congress is fretting about the United States military’s dependence on Chinese rare earths, and has just ordered a study of potential alternatives.
Here in Guyun Village, a small community in southeastern China fringed by lush bamboo groves and banana trees, the environmental damage can be seen in the red-brown scars of barren clay that run down narrow valleys and the dead lands below, where emerald rice fields once grew.
Miners scrape off the topsoil and shovel golden-flecked clay into dirt pits, using acids to extract the rare earths. The acids ultimately wash into streams and rivers, destroying rice paddies and fish farms and tainting water supplies.
On a recent rainy afternoon, Zeng Guohui, a 41-year-old laborer, walked to an abandoned mine where he used to shovel ore, and pointed out still-barren expanses of dirt and mud. The mine exhausted the local deposit of heavy rare earths in three years, but a decade after the mine closed, no one has tried to revive the downstream rice fields.
Small mines producing heavy rare earths like dysprosium and terbium still operate on nearby hills. “There are constant protests because it damages the farmland — people are always demanding compensation,” Mr. Zeng said.
“In many places, the mining is abused,” said Wang Caifeng, the top rare-earths industry regulator at the Ministry of Industry and Information Technology in China.
“This has caused great harm to the ecology and environment.”
There are 17 rare-earth elements — some of which, despite the name, are not particularly rare — but two heavy rare earths, dysprosium and terbium, are in especially short supply, mainly because they have emerged as the miracle ingredients of green energy products. Tiny quantities of dysprosium can make magnets in electric motors lighter by 90 percent, while terbium can help cut the electricity usage of lights by 80 percent. Dysprosium prices have climbed nearly sevenfold since 2003, to $53 a pound. Terbium prices quadrupled from 2003 to 2008, peaking at $407 a pound, before slumping in the global economic crisis to $205 a pound.
China mines more than 99 percent of the world’s dysprosium and terbium. Most of China’s production comes from about 200 mines here in northern Guangdong and in neighboring Jiangxi Province.
China is also the world’s dominant producer of lighter rare earth elements, valuable to a wide range of industries. But these are in less short supply, and the mining is more regulated.
Half the heavy rare earth mines have licenses and the other half are illegal, industry executives said. But even the legal mines, like the one where Mr. Zeng worked, often pose environmental hazards.
A close-knit group of mainland Chinese gangs with a capacity for murder dominates much of the mining and has ties to local officials, said Stephen G. Vickers, the former head of criminal intelligence for the Hong Kong police who is now the chief executive of International Risk, a global security company.
Mr. Zeng defended the industry, saying that he had cousins who owned rare-earth mines and were legitimate businessmen who paid compensation to farmers.
The Ministry of Industry and Information Technology issued a draft plan last April to halt all exports of heavy rare earths, partly on environmental grounds and partly to force other countries to buy manufactured products from China. When the plan was reported on Sept. 1, Western governments and companies strongly objected and Ms. Wang announced on Sept. 3 that China would not halt exports and would revise its overall plan. But the ministry subsequently cut the annual export quota for all rare earths by 12 percent, the fourth steep cut in as many years.


clicar para aumentar


Tudo como previsto.
Há muito tempo que venho dizendo o mesmo: os professores não querem ser avaliados; querem ser bonificados. Desde que todos possam ser considerados bons, desde que nenhuma restrição exista na progressão na carreira até ao cume, desde que todos possam reformar-se no último patamar da função pública, qualquer processo de avaliação serve. Caso contrário, não há processo de avaliação, por mais expedito, e adequado que seja à avaliação do mérito relativo, que mereça o acordo dos sindicatos.
O mais inquietante de tudo isto tem sido a posição demagógica das oposições com particular destaque para a oposição de direita. Que à esquerda a irresponsabilidade campeie porque não ambicionam ser governo responsável, ainda se compreende. Que a direita embarque na mesma onda é incompreensível.


As despesas, os contratos, as contrapartidas, os negócios militares têm sido considerados assunto tabu. De vez em quando afloram alguns indícios de incómodo mas depois tudo se cala. Como os submarinos.
E, no entanto, a fatia do OE comida pela defesa é enorme considerando os nossos carcomidos recursos. Agora que se aproxima a discussão do OE continuarão todos calados, desde o BE ao CDS? Por quê? Uma pergunta que, muito provavelmente, continuará sem resposta.
Até quando?


In an article published in the FT this week, Arvind Subramanian of the Peterson Institute for International Economics, argues that economics has redeemed itself by rescuing the world economy from the crisis. I agree, but only up to a point. Many economists argued that the measures were unnecessary, or even harmful. Moreover, these extraordinary interventions have not returned the patient to health. They have merely prevented him from dying. We now must heal five chronic conditions, instead of survive last year’s brutal heart attack.
First, we have the ongoing force of the balance-sheet recession in the US, UK and a number of other significant high-income countries. It is overwhelmingly likely that the highly indebted parts of the private sectors of these countries will seek to lower their indebtedness and raise savings over an extended period.
Second, we have, quite rightly, substituted public sector borrowing for
private sector borrowing, on an unprecedented scale, for peacetime. This can continue for some time, but not forever, as the US and UK come to look like Italy, but without Italy’s healthier private sector finances.
Third, despite modest – and, quite possibly, temporary – reductions, the US, UK, Spain and other erstwhile bubble economies continue to have large structural current account deficits, with substantial offsetting
surpluses in China, Germany, Japan, the oil exporters and several other countries. Yet, so long as these external deficits continue, the countries concerned must be running ongoing financial deficits in either the public sector, or the private sector, or both. In other words, the domestic balance-sheet problem is likely to become not better, but worse, without global rebalancing.
Fourth, the surplus countries –
China, most openly – show little or no interest in making the needed policy changes. Instead, they continue to argue as if it were possible for the Earth to run a surplus with Mars. Somehow a way must be found – ideally, co-operatively – to wean the surplus countries from their addiction.
Finally, the financial system remains damaged. Not only does it still own vast quantities of the “toxic assets” its “talented” employees created, but the world is not addressing the structural causes of the crisis. In some ways, the oligopolistic banking system that has emerged from the crisis is riskier than the one that went into it.
The underpinnings of our global economy and so of our globalised civilisation remain dangerously fragile
. Instead of patting ourselves on the back for a job well done, now that a limited recovery has begun, we need to sustain the effort to return the world economy to vigorous health. That will require much co-operative intellectual and policymaking effort. But, first, we must eschew perilous complacency.

Tuesday, December 29, 2009


Miguel Frasquilho
... , a Irlanda era dos países mais pobres da União Europeia (UE) na década de 80 (uma situação parecida com a de Portugal), e foi capaz de dar o salto e chegar ao segundo nível de vida mais elevado dos 27 (logo atrás do Luxemburgo). Tal deveu-se à prossecução de opções de política económica acertadas, de entre as quais saliento (i) uma aposta na educação, com a massificação do ensino básico e secundário ainda nos anos 60 e um elevado investimento no ensino técnico e científico já nos anos 80; (ii) a assinatura de diversos pactos sociais tri-anuais consecutivos desde 1987, que envolveram o governo, os partidos da oposição, e as associações patronais e sindicais, e que permitiram controlar decisivamente as despesas públicas; (iii) uma política fiscal extraordinariamente competitiva; (iv) baixa burocracia; (v) legislação laboral flexível. A tudo isto deve somar-se a forte ligação da Irlanda aos EUA (através da emigração) e o facto de a língua materna ser o inglês, o que facilitou, a partir do final dos anos 80, com o início do fenómeno da globalização, que empresas da chamada "nova economia", como Intel, IBM, Digital, HP, Gateway ou Dell e, mais tarde, Apple ou PayPal, se tivessem estabelecido na Europa a partir da Irlanda - tendo o mesmo sucedido, por exemplo, com unidades da indústria farmacêutica, do equipamento médico e dos serviços financeiros. E com isso não só atraíram novas empresas estrangeiras, como originaram a expansão de uma série de empresas nacionais suas fornecedoras, fortalecendo a economia doméstica.… Porém, confirmando que tudo o que sobe cai, uma exposição exagerada do sector financeiro irlandês ao subprime nos EUA, e o rebentamento de uma bolha imobiliária de enormes dimensões (cujas raízes remontam ao sobreaquecimento da economia e às baixas taxas de juro fixadas pelo BCE, claramente desadequadas para a Irlanda), levaram o outrora "tigre celta" a passar do 80 para o 8: os preços no imobiliário já desceram mais de 25% desde os máximos de 2007 e as ajudas do Estado às instituições financeiras foram superiores a EUR 450 mil milhões, ou 230% do PIB (14.9% em Portugal…) - o que tornou a situação no país a segunda pior a nível mundial, logo a seguir à falida Islândia. Junte-se a esta realidade a deterioração económica global e o consequente tombo das exportações (que sustentavam, em boa parte, a actividade irlandesa) e percebemos por que o crescimento económico será um dos piores na UE no período 2008--2010 (com uma projecção de -8% para 2009); a taxa de desemprego já entrou na casa dos dois dígitos; os excedentes das contas públicas deram lugar a défices que a Comissão Europeia estima poderem atingir os dois dígitos face ao PIB de 2009 a 2011; a dívida pública deverá atingir mais de 80% do PIB em 2010, quando era de 25% em 2007. E assim, sem surpresa, as agências de rating baixaram a notação da dívida pública irlandesa, classificando as perspectivas como negativas (o que indicia novas revisões em baixa). Ora, tal como no passado a Irlanda foi para mim um exemplo - ao enfrentar sem "paninhos quentes", nos anos 80, a crise por que passava -, o que já se conhece do modo como pretende encarar a actual situação pode revelar-se igualmente um ensinamento a não desprezar. A linha de actuação centra-se na correcção do já referido desequilíbrio das contas públicas - mas sem comprometer a competitividade da economia, sobretudo na vertente fiscal. E assim, para colocar o défice público abaixo de 3% do PIB em 2014, como acordado com Bruxelas, o Governo irlandês pretende implementar um plano draconiano de cortes na despesa, que inclui a descida dos salários na Administração Pública, a redução de benefícios sociais (Segurança Social, subsídio de desemprego, abono de família, sistema de saúde), o aumento da idade de reforma para os funcionários públicos de 65 para 66 anos, e a diminuição do investimento público. Ao todo, uma queda prevista da despesa pública superior a EUR 4 mil milhões em 2010 face ao valor estimado para 2009 (cerca de EUR 77 mil milhões, 46.9% do PIB)… a que se seguirá nova queda, de cerca de EUR 2 mil milhões em 2011. É particularmente impressivo o corte de 10% que, em média, sofrerão os cerca de 400 mil funcionários públicos irlandeses em 2010… E como o exemplo vem de cima, o primeiro-ministro verá o seu salário reduzido em 20% (!) e os ministros em 15%... Do lado da receita, merece destaque a introdução de uma taxa ambiental (de carbono) sobre os combustíveis, que deverá render cerca de EUR 500 milhões… mas, ao mesmo tempo, a Irlanda ainda arranjou espaço para descer a taxa normal do IVA, de 21.5% para 21% (uma pequena ajuda à economia doméstica). E mantém como ponto de honra não subir a taxa de IRC, que continuará a ser de 12.5% (muito atractiva para investidores). Estou convencido que a Irlanda dará a volta por cima. A recuperação global dará novo ímpeto exportador ao país e, afinal, todos os ingredientes que conduziram ao caso de sucesso se mantêm: recursos humanos qualificados, legislação laboral flexível, baixa burocracia, política fiscal competitiva. A correcção salarial iniciada no sector público e a redução do défice para valores comportáveis até 2014 deverão completar o puzzle.Bem sei que Portugal não se encontra na mesma situação da Irlanda: a queda resultante da crise internacional foi (felizmente) bastante mais suave, mas isso deve-se ao facto de há cerca de uma década que virmos definhando devido às conhecidas debilidades internas estruturais que voltarão ao de cima. Entre as quais as contas públicas que, definitivamente, não estão em ordem.Tudo somado, não creio que um plano tão draconiano do lado da despesa pública como o irlandês seja imprescindível em Portugal - mas será preciso cortar ou, no mínimo, conter. Onde?... No investimento público, a margem de manobra já é muito reduzida… E não creio que seja esta a altura mais apropriada para reduzir benefícios sociais. Assim, sendo, restam… as despesas de funcionamento. Salários incluídos. Como na Irlanda, o exemplo bem poderia vir de cima… Quanto aos impostos, veja-se também o exemplo celta… e creio que fica tudo dito. Se no passado recente as opções irlandesas nos passaram ao lado, bem que agora podíamos, ao menos, olhar para elas… Com a convicção de que poderá não ser necessário ir tão longe - mas com a certeza de que só com firmeza e coragem, que tanto têm faltado, seremos capazes de não nos tornar numa "nova Grécia".
*Várias vezes discordei de Miguel Frasquilho em comentários que coloquei aqui a artigos seus transcritos naquele blog. As minhas discordâncias localizaram-se sempre na insistência com que MF enfatizava ( e continua a enfatizar) as virtudes da redução dos impostos no relançamento da economia em Portugal. Uma das propostas de MF foi a redução da taxa do IVA, ainda que mínima. O Governo acabou por fazer essa redução mas os resultados foram desastrosos: o défice das contas públicas teve um rombo significativo e a redução ficou geralmente nos bolsos dos intermediários.
Transcrevo hoje um artigo de MF colocado no Negócios online porque faz com grande clareza uma síntese do que aconteceu na Irlanda nos últimos quarenta anos e, em particular, nos últimos dois. E procura retirar do caso irlandês algumas receitas para Portugal. Volta a insistir na política fiscal agressiva dos irlandeses e considera necessária a redução dos salários do funcionalismo público.
Miguel Frasquilho é Deputado, vice-presidente do Grupo Parlamentar do PSD, e tem, portanto, especiais responsabilidades na definição de uma política do seu partido relativamente ao OE que vai ser em breve discutido na AR. Teremos, nessa altura, uma posição clara do PSD acerca das políticas inadiáveis ou jogará, como tem feito, sobretudo no confronto com o Governo, independentemente da natureza das políticas deste?
Ou tem Miguel Frasquilho um chapéu para a AR e outro paras crónicas nos jornais?

Monday, December 28, 2009


clicar para aumentar


O consumismo é daquelas coisas que quase toda a gente critica mas quase toda a gente pratica.

Reconhecemos, uns mais que outros, que nos enchemos de coisas inúteis e nos matamos com excessos, mas ninguém, que possa ou deva travar, trava. Temos de corrigir o padrão de consumo, diz Rui Vilar hoje numa entrevista publicada no Negócios on line e não diz nada de novo. Diz quase toda a gente o mesmo. “Se todos (no mundo) tivessem o nível de vida de Portugal, eram necessários dois planetas”, afirma Vilar, citando as concluões da World Food Print. Não sei se é verdade mas mesmo que seja apenas meia verdade já deveria ser preocupante. E, geralmente, não é. Estando Portugal aí pelo 30º. lugar de riqueza per capita, um terço da humanidade será a marabunta que consome sem arrependimento o planeta.
Acrescenta Vilar que "os comportamentos têm de mudar pela força das ideias e do conhecimento que já temos sobre o que estamos a fazer, ... os portugueses terão de corrigir os seus padrões de consumo e poupar mais". Tudo isto é verdade mas não funciona. Os comportamentos não se alteram com discursos. As pessoas reagem a incentivos e os discursos raramente os transmitem. Os Céus e os Infernos foram inventados precisamente com esse objectivo. Se não há incentivos (ou desincentivos, que vão dar ao mesmo) por detrás dos discursos os comportamentos mantêm-se ainda que aos discursos batam palmas.
Em 1898 realizou-se em Nova Iorque a primeira conferência internacional sobre planeamento urbano. A agenda era dominada pelo excesso de excrementos dos cavalos que transitavam na cidade, um problema comum às grandes cidades do mundo. Um cavalo produz cerca de 10 quilos de excrementos por dia e no princípio do século passado transitavam em Nova Iorque cerca de 200 mil cavalos, produzindo diariamente cerca de duas mil toneladas de estrume. As estrumeiras chegavam a atingir cerca de dois metros de altura, uma pestilência execranda.* Pois apesar do insuportável da situação não foi possível encontrar uma solução para o problema. A conferência foi declarada infrutífera e terminou ao fim de três dias em vez dos dez previstos. A solução chamou-se mais tarde automóvel que viria, por sua vez, a ser um dos fautores das preocupações que estiveram na origem da convocação, este mês, da Conferência de Copenhaga, igualmente fracassada.
Chegará a tempo uma solução que agrade a todos? Ninguém sabe, por enquanto. O que se sabe é que a trajectória actual carrega riscos elevados mas a sua correcção não se corrigirá só com discursos.

Sunday, December 27, 2009


Segundo o Público de hoje, Trichet apelou aos países da zona euro para reduzirem os défices, o mais tardar, em 2011.
Vai ser complicado para a maior parte, virtualmente impossível para alguns, entre os quais Portugal. Imagino que, ouvindo o apelo do presidente do BCE, ninguém disse mas quase todos, se não todos, os delegados terão pensado que o apelo não passará disso e não é para ser levado a sério.
A questão do défice, até Sampaio já o reconheceu, não sendo de somenos importância, não é, contudo, o maior busílis que se coloca, para já, a Portugal. Muito provavelmente, haverá contemporizações até para os grandes, e Portugal será absolvido com pena suspensa, por tabela.
O problema maior mais imediato é o crescimento galopante da dívida externa, aquela que nos faz depender de juízos que não admitem contemporizações.
Recentemente, J Ferreira do Amaral
, (Crime e Castigo, in Económico) voltava a incriminar aqueles que negociaram as condições de adesão euro assacando-lhes as responsabilidades (criminosas, segundo ele) da situação em que a economia e as finanças de Portugal se encontram. Nunca percebi os objectivos desta cruzada de JFAmaral que, em qualquer caso, me parecem inconsequentes ainda que fossem pertinentes.
Inconsequentes, porque a história não volta atrás, não pertinentes, porque a adesão ao euro implicava uma mudança radical de gestão das contas públicas que os sucessivos governos ignoraram. E foi, sobretudo, essa ignorância que causou o descalabro em que nos metemos. Pretender que sejam, agora, os alemães a corrigir o tiro é o mesmo que pedir ao atirador para correr atrás da bala e emendar-lhe a trajectória.


clicar para ampliar The Cats Eye Nebula

Saturday, December 26, 2009


Quando ouço alguns militantes, políticos no activo ou de bancada, encarniçadamente denunciarem as acções tomadas contra objectivos da al-Qaeda, onde quer que eles se situem, e os meios utilizados, nem sempre justificados pelos fins, à luz de uma doutrina que nos distancia da barbárie mas que a barbárie nunca respeita, apetece-me sempre perguntar: E estes casos, não comentam? Estes casos não vos revoltam? Estes casos não caem brutalmente dentro das fronteiras da vossa liberdade e das vossas consciências? Como é que foi possível o esquecimento tão célere das vítimas das Twin Towers, da estação da Atocha, e de vários outras piras de milhares de inocentes montadas por gente embebedada de fanatismo?
Obama, no discurso de agradecimento por ocasião da entrega do Nobel da Paz fez questão de, sem rodeios, frontal e claramente como ele bem sabe fazer, dizer que tem sobre os ombros a responsabilidade de ser o primeiro comandante das forças armadas dos EUA e que, nessa condição, lhe cumpre ganhar as guerras justas. E, relembrou, provavelmente porque há muita gente esquecida, que na Europa as tropas norte-americanas travaram a guerra justa que anulou os objectivos nazis e devolveu aos europeus a sua liberdade e os seus valores.
Que diferença existe entre a insânia de Hitler e a preversidade de bin Laden franchisada em múltiplas células de fanatismo que se propagam como metásteses?
Quem tem a cobardia de não reconhecer que há guerras justas quando a opressão totalitária e fanática nos obriga a ceder margens cada vez mais largas da nossa liberdade?
*Ainda houve uma pequena explosão a bordo do voo 253 da Delta Air Lines, que unia esta noite Amsterdão, na Holanda, e Detroit, nos EUA. Mas o dispositivo de explosivos falhou.
Aeroportos portugueses mantêm “níveis elevados de segurança”
Análise: Riscos para a segurança nos voos permanecem elevados
Airport security tightens amid failed bomb plot
Officials investigating possible al-Qaeda ties, motives of a Nigerian man who tried to light an incendiary device aboard a U.S.-bound flight.
'He's trying to blow up the plane'
Witnesses describe Nigerian suspect as calm, trancelike; DHS hails heroism of passengers.
Airlines: New rules keep passengers in seats

Friday, December 25, 2009


... que idade é que ela tem? sei lá, não sei, não, mas já é velha, mas menos velha que tu, muito menos, acho eu, ... 30, 40, talvez, ... talvez 30, ... e então ela disse, meninas e meninos, vocês vão de férias porque é Natal, mas vão levar um trabalhinho para casa, quando voltarem quero que tragam escrito, por vocês, um conto de Natal. Um conto de Natal é uma pequena história alusiva a esta época do ano, quer dizer que se passa durante a semana em que se celebra o nascimento do Menino Jesus, as famílias reunem-se à volta da mesa para jantar uma refeição especial, algumas vão à missa do galo, comem filhós ou rabanadas e outros doces, e trocam muitas prendas entre si como sinal de amizade entre elas. Quero, então, que escrevam uma pequena história que vocês têm de inventar, pensando no Natal, quem não conseguir inventar uma pede à mãe ou ao pai que lhes conte uma história que eles conheçam e vocês escrevem essa história por palavras vossas. E é tudo. Aí eu disse, baixinho para o lado, que não podia pedir a ninguém, disse baixinho mas ela deve ter ouvido e perguntou-me, porquê? e eu disse que nem o meu pai nem a minha mãe viviam aqui cá em casa, e os outros começaram a rir-se, eu fiquei chateado, a professora irritou-se com eles, mandou toda a gente calar-se, e perguntou-me, vives sozinho?, e eu disse, vivo com a minha avó, e ela disse, então pergunta à tua avó, porque ela, por ser mais velha, ainda sabe mais histórias. Depois ela perguntou, que idade tem a tua avó? Não sei, disse eu, e ela disse que não acreditava, e eu disse que só sabia que tu eras mais velha do que ela, mas eu acho que ela não gostou da resposta porque virou costas, foi buscar um papel e começou a tomar apontamentos. Perguntou-me onde é que eu morava, o que é tu fazias, eu disse que tu não fazias nada mas depois arrependi-me e disse que tu fazias muitas coisas ... não sei, não sei se ela é solteira nem se tem filhos ou não, ela não era lá da escola, veio há pouco tempo para lá porque a outra parece que ficou de baixa para ter um filho, foi o que ouvi dizer. Agora estou chateado porque estou de férias e não vou à escola brincar, tenho de ficar aqui contigo todo o dia, os meus amigos não aparecem, foram todos não sei para onde, chove, faz frio, nem sequer dá para andar na rua, e tenho de inventar uma história de Natal. Sei lá como é que se inventa uma história!, não sei, tu sabes, avó?
Avó? Ouves, avó? Já estás dormir?
Hum! O Natal não interessa nem ao Menino Jesus ...

Thursday, December 24, 2009


clicar para ampliar
Marc Chagall
Para todos os que têm a pachorra de vir até aqui, e sobretudo para aqueles que têm amabilidade de comentar, os meus votos de um bom Natal e boas notícias em 2010.

Wednesday, December 23, 2009


Quanto mais quer o Governo afirmar a sua autosuficiência, e rodeá-la de um discurso inconsistente, maior é a irredutibilidade daqueles que não têm, ou não querem ter, consciência do beco sem saída por onde se meteu o País; A população que não sentiu no bolso os efeitos da crise, porque em muitos casos esse efeito até foi positivo, acompanha a leviandade oficial, consome mais que nunca e, sobretudo, gasta mais do que aquilo que ganha.
Os movimentos corporativos*, por outro lado, imitam o discurso oficial, e continuam em campanha ignorando o beco sem saída onde o País se meteu.
O mais trágico no meio deste drama, parcialmente velado por enquanto, é que não há ninguém que, com autoridade suficiente, suba à tribuna e explique à procissão inconsciente o destino que lhe está reservado se não arrepiar caminho.


Dez mil milhões de euros por ano é, mais ou menos, qunto é preciso para reduzir o défice das contas públicas dos actuais oficiais oito vírgula qualquer coisa para os três por cento do PIB. Contas de Daniel Bessa apresentadas no Expresso/Economia de Sábado passado.
Acrescenta ainda DB que tal meta pode atingir-se:
- Subindo a taxa máxima do IVA para 35% (e as outras proporcionalmente)
- Subindo a taxa máxima do IRS para 87% (e as outras proporcionalmente)
- Reduzir em 47% os salários da função pública
- Privatizar 35% dos serviços públicos
ou, por exemplo,
- Reduzir para metade o investimento público, fixar a taxa máxima do IVA em 23%, fixar a taxa máxima do IRS em 52%, privatizar ou encerrar 7,5% dos serviços, reduzir em 10% os salários dos restantes funcionários públicos.
Uma forma airosa de ler isto e não estragar o Natal nem o Ano Novo é pensar que o Daniel não sabe fazer contas ou que antecipou as Festas e já não estava sóbrio quando as fez. E deixar correr o marfim. Até ao dia em que, de lá de fora, nos disserem: Acabou a festa, agora não há mais mas nem meio mas. Daqui esse combóio descarrilado não passa.
Não, não há governo, monopartidário, mesmo com maioria absoluta, que tenha capacidade (mesmo que tivesse coragem) para travar este andamento inconsciente antes que outros nos sacudam para acordarmos.

Tuesday, December 22, 2009


clicar para aumentar
1 - O homem das castanhas é eterno, mas não só em Lisboa. 2 - Saqueta de castanhas com divisória para as cascas 3 - Interior (barroco) de uma loja de chocolates


Ricardo Reis
1. A relevância das taxas de juro
Quando um Estado gasta mais do que as suas receitas (um défice), tem de pedir emprestada a diferença. Em vez de irem a um banco, os países vendem obrigações do tesouro em leilão. Estes papéis rendem ao seu portador uma quantia fixa dentro de um certo período, e são vendidos a quem estiver disposto a pagar mais. Se eu ganho o leilão oferecendo 900 euros hoje por uma obrigação que rende mil euros daqui a um ano, a taxa de juro que o Estado português paga é 10%.

Entretanto, há um mercado activo e líquido onde todos os dias posso vender este papel a outra pessoa. Se uns dias depois vendo a obrigação por 950 euros, ficamos a saber que se o Estado tivesse feito um novo leilão nesse dia, a taxa de juro cairia para 5%. O preço neste mercado permite por isso aferir a taxa de juro que o Estado enfrenta todos os dias.As taxas de juro mudam e são diferentes de país para país em função do risco das obrigações. Existem dois riscos numa dívida do Estado. Primeiro, o risco de o Estado declarar bancarrota. Nos países desenvolvidos, isto acontece raramente. Portugal já não o faz desde 1892; a Grécia, desde 1893; e a Alemanha, desde 1932. Segundo, existe o risco de o Estado imprimir dinheiro e gerar inflação. Embora a quantia a pagar seja a mesma na moeda do país, o seu valor real na perspectiva de um estrangeiro passa a ser menor. A inflação ou, equivalente, a desvalorização da moeda é uma forma disfarçada de renegar o pagamento da dívida. Portugal nos anos 80 e 90 fazia- -o frequentemente. Por isso, quando o Estado português pedia emprestado, pagava uma taxa de juro bem mais alta do que a cobrada à Alemanha. Com a entrada no euro, este segundo risco desapareceu. Portugal e a Alemanha passaram a ter a mesma moeda, e o controlo da inflação passou para as mãos do Banco Central Europeu. O BCE é independente dos Estados para nunca ceder à tentação de criar inflação para lhes resolver problemas fiscais. A figura 1 mostra a taxa de juro anual paga pela Alemanha nas obrigações a 10 anos entre 2002 e 2007, assim como a taxa paga por outros países da zona euro, incluindo Portugal. Eliminado o risco da inflação, e sendo remoto o risco de bancarrota, com o euro Portugal passou a pagar quase a mesma taxa de juro que a Alemanha. Para apreciar quão extraordinário isto é, no gráfico está também a taxa de juro paga pelo Reino Unido. O mero risco de desvalorização da libra levou a que Portugal durante estes 6 anos pagasse bem menos pelas suas dívidas do que os honrados súbditos de Sua Majestade, apesar da sua reputação secular de bons pagadores.

2. O período pós-2008

No segundo gráfico vê-se a diferença entre as taxas de juro pagas pela Grécia, Irlanda, Itália, Espanha e Portugal e a taxa de juro paga pela Alemanha desde 1 de Janeiro de 2008. De um diferencial médio de 0,12% entre 2002 e 2007, estes países passaram a pagar desde então taxas de juro acima das alemãs, que na sexta-feira chegaram aos 2,7% para a Grécia. No início de 2009, Portugal pagou mais 1,58% do que a Alemanha, um número tão assustador que me levou a escrever uma coluna no "Expresso" intitulada "O verdadeiro pânico". Este número revela que os investidores punham uma probabilidade séria de Portugal entrar em bancarrota. Se isto acontecesse, ninguém mais quereria emprestar a Portugal, o que forçaria medidas draconianas que eliminassem em absoluto o défice. As tentativas de controlo das contas públicas dos últimos 4 anos mostram que isto só seria possível com cortes drásticos nos salários dos funcionários públicos, e talvez mesmo a eliminação de programas como o rendimento social de inserção. Uma alternativa à bancarrota é a saída da zona euro, a recuperação do escudo, e a desvalorização imediata da nova moeda. Esta hipótese é menos plausível. Em primeiro lugar, agora que a dívida portuguesa foi contraída em euros, desvalorizar o escudo só ajudaria se a dívida fosse reformulada em escudos, o que é complicado em termos legais. Para além do mais, desvalorizar o escudo viria com inflação nos dois dígitos, e os muitos produtos importados a que estamos habituados saltariam para preços proibitivos. As dívidas das empresas portuguesas no estrangeiro, denominadas em euros, explodiriam, levando a falências em catadupa e a uma subida em flecha do desemprego. Por fim, o Estado não conseguiria achar investidores a quem vender novas obrigações, forçando o mesmo ajuste repentino das contas públicas. Deixar o euro evitaria a bancarrota formal, mas teria consequências mais graves.

3. Crise financeira e contágio

Como pode este cenário catastrófico ser visto pelo mercado como provável? Antes de imaginar histórias nebulosas de malvados especuladores, relembre-se que qualquer pessoa pode comprar obrigações do tesouro portuguesas. Se você acha que o mercado está errado nesta avaliação, deve aproveitar-se da taxa de juro apetecível neste instante. Umas semanas depois do meu artigo no "Expresso", tive de discutir numa conferência académica o novo trabalho de Carmen Reinhart e Kenneth Rogoff (acabado de sair em livro). Estes dois autores documentaram a história das muitas crises financeiras dos últimos 200 anos. Uma das suas conclusões é de que quase todas as crises levam à bancarrota dos Estados com contas públicas mais frágeis. A crise financeira de 2008-09 e os nossos falhanços sucessivos em controlar as contas públicas explicam a percepção de bancarrota revelada pelas taxas de juro.

Mesmo assim, a primeira bancarrota seria provavelmente na Grécia. A Irlanda também estava em perigo, mas depois de medidas corajosas para controlar o défice nas últimas duas semanas, a sua taxa de juro caiu a pique. A Grécia tem uma dívida pública maior do que Portugal (em parte devido à aventura dos Jogos Olímpicos e do novo aeroporto de Atenas), um défice maior, e uma história recente marcada por truques contabilísticos de fazer corar até os nossos políticos. No último mês, os gregos recusaram tomar medidas de controlo do défice, continuando a endividar-se a grande ritmo. Mas se a Grécia seria a primeira, isto não devia tranquilizar Portugal. A 18 de Agosto de 1998, a Rússia declarou bancarrota. Nas semanas seguintes, países tão diversos com o Brasil, o México e até a Região Administrativa de Hong Kong tiveram sérias dificuldades em encontrar compradores para a sua dívida pública. Estes países tinham finanças públicas em melhor estado do que Portugal. Uma olhada rápida à figura 2 mostra que se a Grécia cair, a pressão cairá de seguida sobre Portugal, Espanha e Itália. Pode prever-se com certeza este contágio? Não, o contágio nas crises ainda é um tema difícil de explicar ou prever. Por exemplo, a Argentina declarou bancarrota em Dezembro de 2001 e, com a excepção do Uruguai, praticamente não houve contágio. É difícil, no entanto, não ter insónias sobre o assunto.

4. Respostas postiças

Como sempre, quando o problema é sério, surgem argumentos postiços que menorizam a questão. Primeiro, pode olhar-se para a figura 2 e notar que o Reino Unido está a pagar a mesma taxa de juro que Portugal. Mas o Reino Unido tem a libra, Portugal o euro. A taxa de juro inglesa reflecte o risco (normal) de desvalorização da libra em relação ao euro; a taxa de juro portuguesa reflecte exclusivamente o risco de bancarrota. Segundo, pode esperar-se que os países ricos da zona euro, como a Alemanha e a França, venham em nosso socorro. Mas partir daqui para concluir que não há problema é um disparate. Se os alemães pagarem as nossas dívidas por nós, não o farão sem contrapartidas. Vão exigir que os portugueses ponham as contas em ordem, de forma a pagarem o favor e evitarem futuros problemas. Isto é precisamente o que faz o FMI. Quem viveu em Portugal durante as intervenções do FMI sabe quão draconianas são as medidas para pôr as contas em ordem. Como descreveu Luís Campos e Cunha no "Público" há poucos dias, Portugal transformar-se-ia num protectorado da Alemanha.

5. Conclusões

Portugal vai entrar em bancarrota? Provavelmente não. Mas a possibilidade de isso ocorrer era praticamente zero há uma década e hoje é bem alta. Uma simples chance em cem de renegarmos as nossas dívidas pela primeira vez desde 1892 é assustadora. Como qualquer pessoa afundada em dívidas, Portugal tem duas opções. Uma é ganhar mais dinheiro com um aumento no crescimento económico. Há uma década que Portugal não cresce. A outra é corrigir o défice público, o que nesta altura de recessão só tornaria a vida dos portugueses ainda mais difícil. Se Portugal tem estas escolhas dolorosas só tem de se culpar a si mesmo pela irresponsabilidade do crescimento do Estado e pela acumulação de dívida pública nos últimos 20 anos. No mínimo, exige-se aos nossos governantes que tranquilizem os nossos credores com intenções claras, apoiadas por medidas concretas, de controlo das finanças públicas e promoção do crescimento económico. Continuar a esconder o problema dos portugueses, entretendo-os com telenovelas de insultos na Assembleia da República e temas fracturantes no topo da agenda só levará mais depressa ao precipício.


Não, nunca pedi nada a ninguém, nem ao Menino Jesus. Quando era miúdo, a mãe dizia-me que não valia a pena estar a pedir prendas pelo Natal porque os pedidos eram sempre mais que muitos e o Menino Jesus ficava com o saco vazio lá em cima antes de chegar cá abaixo onde nós morávamos, de modo que nem ao Menino Jesus alguma vez pedi fosse o que fosse. Já vou nos 45, vivo sozinho numa casa antiga, desde que a mãe morreu o ano passado, nunca me casei. Por quê? Sei lá porquê. Nem sei. Não calhou, acho eu. Trabalho numa empresa de segurança, sou bem constituído, não sou careca mas ando sempre de cabelo rapado, em casa tenho de fazer tudo: as refeições, as limpezas, as pequenas e as grandes reparações, porque o que ganho é pouco e o senhorio diz que a renda não dá para mandar cantar um cego quanto mais reparar as canalizações. Aos fins-de-semana vou até ao campo da bola ver jogar os rapazes, dantes também jogava, agora deixei-me disso, à tarde leio o Correio da Manhã, à noite vejo um bocado de televisão, geralmente coisas da bola e uma ou outra novela, mas já ando enjoado, são sempre as mesmas histórias. Do que eu estou a precisar mesmo é de uma companhia, pensei. Já tinha pensado nisso muitas vezes mas às tantas tornou-se obsessão, de modo que, como era Natal, resolvi pedir ao Menino Jesus que me arranjasse uma companhia, finalmente queria casar. Tinha esta ideia engatilhada, já tinha enviado carta em correio azul, quando ouvi dizer que agora não é o Menino Jesus quem dava presentes pelo Natal mas o Pai Natal. E escrevi também ao Pai Natal. Com uma diferença: para o Menino Jesus enderecei : Querido Menino Jesus. Para o Pai Natal, que não sei quem é, dirigi-me assim: Caro Pai Natal. Ainda a carta para o Pai Natal não tinha chegado ao destino e já me avisavam que o melhor mesmo era dirigir-me ao São Nicolau, que eu também não conhecia. Mais carta menos carta, enviei mais uma, desta vez ao cuidado do Senhor São Nicolau. Ainda estive para pôr senhor doutor São Nicolau mas não sei se ele é português. E fiquei à espera do que me iria sair na rifa. Na noite de Natal, isto já foi o ano passado, vai agora fazer um ano, não consegui dormir. Coloquei os sapatos junto ao fogão, porque não tenho lareira e não sabia de local mais apropriado. Sempre ouvi dizer que o Menino Jesus descia pela chaminé, não vi outra entrada possível, a menos que deixasse a porta aberta mas fazia frio lá fora e um segurança fecha sempre as portas. Por volta da meia noite, mais coisa menos coisa, ouço uma discussão brava no telhado: Eu cheguei primeiro, mas eu sou o mais velho, vá lá, vá lá, haja harmonia, estamos no Natal ... Fui abrir-lhes a porta. Entraram os três que discutiam prioridades no telhado, cada qual com seu saco. O Pai Natal foi o primeiro a desatar o seu e apresentou-me uma loura, Oh meu Deus, pensei, se não fosse tão tímido como sou tinha dito aos outros que poderíamos ficar logo por ali. Educadamente, esperei que São Nicolau desatasse o nó cego, que estava difícil, e, aberto o saco, salta-me para o lado uma morena, estive quase a perguntar se poderia ficar com as duas, nem pensei que era um empregado de uma empresa de segurança com ordenado pouco superior ao salário mínimo. Foi então a vez do Menino Jesus me surpreender com a sua prenda: O Reinaldo, um rapazinho bem parecido, professor de inglês, fiquei a saber, foi o que saiu do terceiro saco. E agora? Perguntou-me o Menino Jesus? Fiquei indeciso entre a loura e a morena mas depressa fiquei a perceber que era o Reinaldo quem queria ficar logo ali. Agora, respondi eu, parece que tenho de escolher, não é? não posso ficar com as duas?, perguntei a medo. Miserável polígamo, gritaram São Nicolau e o Pai Natal ao mesmo tempo que ensacavam as moças e se punham a andar. Mas, disse eu ao Menino Jesus, eu disse que queria casar... Pois disseste mas não disseste com quem. E tu podes casar com o Reinaldo porque é que não podes?, respondeu o Menino Jesus, com uma voz que não era de recém-nascido. Casas com o Reinaldo, onde é que está o problema? Mas, Menino Jesus, disse eu, eu disse casar e ... Miserável homofóbico voltou o Menino Jesus a vociferar com voz pouco adequada, casas com o Reinaldo!, casas com o Reinaldo!, casas com o Reinaldo! Sem saber o que é que o Menino Jesus me tinha chamado, percebi pelo tom de voz que seria pecado e dos graúdos. Casei com o Reinaldo. Casei com o Reinaldo mas continuo como dantes: a segurança de dia, os trabalhos de casa à noite, porque o Reinaldo prometeu tudo mas não mexe uma palha em casa. Aos fins-de-semana vou ver os rapazes a jogar à bola, à tarde leio o Correio da Manhã, à noite deixei de ver televisão porque o Reinaldo tem outros interesses e eu não ganho para duas televisões. E passei a dormir no sofá. Mas o que mais me chateia é que passei a andar constantemente com dores de pescoço, riem-se de mim lá na empresa, suponho que não acreditam que o torcicolo é mesmo por causa do sofá. O que me vale é que o Reinaldo vai pedir o divórcio por falta de consumação do casamento. Não sei o que é isso nem quero saber. Venha o divórcio. E valha-me São Nicolau!


Se do novo aeroporto de Lisboa ainda não levantam aviões todos os anos do défice das contas públicas levantam vários aeroportos. O ano passado um e meio, este ano já lá vão três.

Monday, December 21, 2009


O Presidente da República afirmou hoje que o País "rejubilaria" com entendimentos no Parlamento.
"Natal é tempo de esperança. Penso que não devemos perder a esperança de que o ano 2010 fique marcado na Assembleia da República por frutuosos entendimentos interpartidários. O país rejubilaria", afirmou Cavaco Silva, nas palavras que dirigiu ao Presidente da Assembleia da República, Jaime Gama. Jaime Gama, os vice-presidentes da Assembleia da República, os membros da mesa da Assembleia e os líderes parlamentares apresentaram hoje os tradicionais cumprimentos de Natal ao Presidente da República, numa curta sessão no Palácio de Belém que durou menos de 10 minutos.
Obviamente, nem o PR nem os seus assessores acompanham o que comento no Aliás. E, no entanto, há muito tempo que venho afirmando que lhe competeria, nesta conjuntura difícil que o País enfrenta, promover o consenso interpartidário mais alargado possível para a adopção das medidas difíceis, e portanto impopulares, que se impõem e que, como já tanta gente consciente da situação confirma, quanto mais tarde forem adopatadas mais dolorosas serão.
Contrariamente ao que muitos pretendem, de ter um presidente apolítico, o regime semi-presidencialista consente e exige na hora que passa uma intervenção mais determinada e clara do PR. A alocução desta tarde aos líderes parlamentares é apenas um enunciado daquilo que deve ser feito e que a grande maioria dos portugueses reclama do PR.
Um Governo maioritário, nas actuais circunstâncias, e contrariamente ao que Cavaco Silva afirmou há dias, não pode levar a cabo as reformas e as políticas que se impõem. E mesmo um governo de maioria monopartidária absoluta também não.

Sunday, December 20, 2009


Fernando Alexandre
Porque na origem da crise financeira internacional está o sobreendividamento, e porque este se agravou ainda mais com os planos governamentais de combate à crise, é cada vez mais mais certo que a recuperação será muito lenta. Os défices orçamentais foram necessários para evitar o colapso das economias – como Keynes explicou nos anos 1930. Mas os défices orçamentais, se podem evitar o colapso no curto prazo, não garantem (antes pelo contrário) que a economia retome as anteriores trajectórias de crescimento – como se viu nos anos 1970. É precisamente isto que as notícias das últimas semanas têm mostrado. Os países mais penalizados pelos mercados e pelas agências de rating são precisamente aqueles em que há mais dúvidas relativamente à recuperação de uma trajectória de crescimento positiva. Talvez isso ajude a explicar por que é que a Irlanda é menos penalizada pelos mercados que outros países com défices semelhantes. E talvez Portugal devesse ficar (ainda mais) preocupado.


Record snowfall hits Washington
A Portuguese snow dog? Bo, the Obama family pup, sits in the snow outside of the Brady Briefing Room of the White House.
Snowball fun gets serious when cop pulls gun
Latest weather updates PHOTOS VIDEO
Post reader photos Submit your own


De Verão isto é diferente, aguenta-se melhor. Há dias, quando o mar está calmo, parece que estou à janela, virada para um jardim de água. É bonito, sim senhor. Gosto do cheiro da maresia, sabe? Fui cortador de carnes durante muitos anos (tenho 42, pareço mais velho, pois pareço, tenho levado muitos rombos na vida, sabe como é, elas quando não matam deixam marcas) pois, como lhe estava a dizer, fui cortador de carnes mas do que eu gosto é deste cheiro do mar, não tem comparação, fico aqui deitado a ouvir e a mastigar o ar do mar, tenho dias inteiros que não saio daqui, se o bar lá em cima está fechado porque é dia de folga ou coisa assim, nem subo, não, nesses dias não como nada, só ar do mar. Não tenho ninguém, nunca tive ninguém, as mulheres nunca gostaram de mim, só a Dona Rosa e o marido, os do bar, se não fossem eles já tinha morrido de fome. Como é que eu durmo aqui? Ora como é que durmo... durmo assim meio deitado meio sentado, assim, está a ver? Entro, sou baixo entro sem problemas, o meu amigo, que é mais alto poderia ter mais dificuldade, eu não, entro, e isto tem mais ou menos de comprimento o que eu tenho de altura, sento-me assim, depois encosto-me para trás, e pronto, cá estou. É assim que eu durmo ou ouço o mar. Não dá para fazer outra coisa. Quando o dia está bom, saio, ando por aí pelas rochas, meto conversa com ou com outro pescador, nenhum deles sabe que eu vivo ali na gruta do inferno. Só um é que sabe, esse também me dá de comer sempre que por aí aparece. É bom homem. Casa? Nunca tive casa. Antes de vir para aqui pernoitava debaixo de um viaduto ali para os lados de Algés. Mas não se aguentava. Inferno por inferno prefiro este, na gruta, aqui mesmo na boca do inferno. Aqui estou sòzinho, pois estou, mas não estranho, habituei-me, sabe como é, a gente desaparece e fica aqui à espera que o menino Jesus nos leve. Agora, no Inverno é que isto custa. Há alturas em que as vagas sobem e descem sem descanso, e não saio, não dá para sair, posso estar dois, três dias seguidos sem poder sair. Nesses dias não como nada, claro. As pessoas estão lá em cima, eu estou cá em baixo, e nem eu posso ir lá acima nem elas podem vir cá abaixo, mesmo que quisessem, e não querem porque isto aqui cheira mal. Não dá. Hoje está um dia de Sol mas amanhã, já ouvi dizer, vai chover todo o dia. Que é que posso fazer? Aguentar. Venho para aqui e deixo-me ficar deitado à espera. À espera de quê? Ora à espera de quê, à espera que volte o Sol, não espero por mais nada, não posso esperar por mais nada. Pelo Sol e por umas buchas da Dona Rosa. Não fosse a Dona Rosa um anjo e eu já tinha ido para os anjinhos. Aquele pescador de que lhe falei também é amigo. Sabe, deu-me um telemóvel. He!he!he!, está ver? E telefona-me. Telefona-me sobretudo quando o mar está bravo e ele sabe que eu não posso sair daqui. Para quê? Ora para quê, para saber se ainda estou vivo. Sou cliente da Vodafone, está a ver? Oferta do Pai Natal. Chegou aí com o telemóvel e disse-me: Toma, é para ti, oferta do Pai Natal. Já não posso dizer que não tenho nada, não é?


clicar para ampliar Tutulemma: Solar Eclipse Analemma

Saturday, December 19, 2009


O jornalista pergunta ao PR "o que pensa sobre a aprovação pelo Governo de uma proposta que visa permitir o casamento entre pessoas do mesmo sexo." Respondeu o PR que a sua atenção estava no desemprego, no endividamento do país, no desequilíbrio das contas públicas, na falta de produtividade e de competitividade". Ouvido um dirigente socialista*sobre a questão, afirmou este: "O Presidente da República, como qualquer cidadão português, tem a liberdade de ter a sua posição pessoal relativa ao diploma respeitante à legalização do casamento entre pessoas do mesmo sexo. Mas já não terá o direito de se intrometer na agenda dos partidos políticos e, no caso vertente, do PS" .
Leio e pasmo com tanta incongruência e petulância em tão poucas palavras.
Para o dirigente socialista em causa o PR tem liberdade de ter posições pessoais acerca de tudo e mais alguma coisa mas terá de exprimi-las quando for interrogado. Se lhe perguntam o que pensa o PR acerca de, o PR não pode dizer que está mais preocupado com. No caso vertente, o PR só teria quatro alternativas à resposta que deu:
que não pensa nada;
que ainda não pensou;
que pensou e discorda;
que pensou e concorda.
Mas se não pensou ou vai pensar, estará a secundarizar o assunto sobre o qual é interrogado e, deste modo, a intrometer-se na agenda do PS; se pensou e discorda estará a intrometer-se na agenda do PS; se pensou e concorda, estará a intrometer-se na agenda dos que se opõem. Não tem outra saída. É, inevitavelmente, um inconstitucionalmente intrometido.
Eu tenho outra saída. Quando tiver de responder ou escrever o meu estado civil esclareço: "casado com mulher".
E espero não interferir na agenda de ninguém.
Decididamente, o PR é um português em liberdade condicional.


Quando era PR, e já muita gente alertava para a urgência de equilibrar as contas públicas, Jorge Sampaio teve uma das suas tiradas que ficou como referencial da sua ausência de sentido da gravidade da situação em que o país tinha embarcado sem se dar conta disso. Perante as preocupações levantadas sobre a displicência com que se empregavam dos dinheiros públicos, Sampaio entendeu encolher os ombros e prégar aos portugueses que "há mais vida para além do défice". Nessa altura, MFLeite, que não tem primado ultimamente pela oportunidade e pertinência nas observações que faz, ripostou que "é possível que haja mas não será grande coisa". E tinha, obviamente, razão.
As dificuldades que Portugal hoje enfrenta não começaram ontem. Sampaio reconhece agora que a situação é grave e pede compromissos para combater o défice. Na entrevista que concedeu ao Público, e que pode ser lida na íntegra aqui, o ex-PR apela a um compromisso partidário que possa sustentar o estabelecimento de um plano de intervenção que, além do mais, combata o défice. É irónico e trágico este apelo por vir de quem vem mas lamentavelmente certeiro. Os apontamentos que tenho nestes últimos dias dedicado ao assunto vão todos eles em sentido idêntico, adiantando, no entanto, aquilo que Sampaio não quis sugerir explicitamente: a responsabilidade que se impõe ao actual PR na promoção do entendimento partidário necessário e que ele, por enquanto pelo menos, não quer assumir.
Num país onde se continua a sobrepor aos seus problemas mais críticos assuntos secundários, esta entrevista de Sampaio estará, muito provavelmente, condenada a fazer encolher os ombros com a mesma displicência que ele usou quando menosprezou o descontrolo das contas públicas.
Desacreditado por aquilo que, irresponsavelmente, disse, os avisos, pertinentes, de Sampaio cairão no saco roto da nossa inconsciência colectiva.


clicar para ampliar Aurora Shimmer, Meteor Flash