Monday, August 31, 2009


When Bernie Madoff was a sophomore in high school, he stood up in English class and lied.
Madoff and his classmates were each supposed to read a book and make an oral report in class, but Bernie, an average student at New York City's Far Rockaway High in the early 1950s, hadn't gotten around to it. So when the teacher called on him, Bernie announced that he would cover "Hunting and Fishing" by Peter Gunn and proceeded to fabricate a detailed account of the nonexistent book. When asked to produce the book, Madoff turned deceit into virtue. He didn't have it, he explained -- he'd already returned it to the library.
The anecdote, recounted in a trio of new books about Madoff, fits easily into the lore surrounding the biggest scam artist in Wall Street history, a man whose "extraordinarily evil" crimes, in the words of the judge who sentenced him in June, destroyed tens of billions of dollars in wealth for thousands of investors and landed the 71-year-old Madoff
in prison for the rest of his life. The implication of the high school tale seems obvious: Even as a kid, Madoff played those around him for fools.
Was Bernie Madoff an Evil Genius? (cont.)


Perdidos por mil.
É assim que muita gente se perde no labirinto da procura de melhor sorte.
Uns tentam o totobola, outros o totoloto, outros o euromilhões, outros as slot-machines, outros persistem na lotaria da santa casa. Nos EUA, com as consequências da crise às costas, há muitos que procuram bater o mercado. Uns ganham, outros perdem. Dos que ganham, a grande maioria persiste até perder tudo; aos que perdem espera-os um futuro sempre ameaçado.
Entretanto, uma nova ordem financeira internacional, que imponha a transparência necessária à não ocorrência de fraudes que estiveram na origem da actual crise, continua por acontecer. As bolsas persistem em concorrer com os casinos estendendo-se, através da internet, até às casas e aos locais de trabalho dos apostadores.
Se uma nova crise ocorrer dentro de pouco tempo muitos culparão os economistas de não preverem as crises. E mesmo alguns economistas acusar-se-ão mutuamente como se lhes tivesse sido atribuída alguma competência divina para prevenir a pulhice humana.
By Walter Hamilton
Los Angeles Times
In a Battered Market, Many Opt to Gamble

Stung by punishing losses in the bear market, some investors are souring on traditional buy-and-hold investing in favor of aggressive trading aimed at scoring big gains.
Trading at online brokerages has soared in recent months as investors have tried to capitalize on rising securities markets. But individual investors are increasingly embracing strategies that carry outsize risks.
In some cases, for example, investors have ventured into a relatively new type of investment product designed to magnify the movement of the underlying markets, which can yield big gains if investors bet correctly but bruising losses if they don’t.
To critics, the push into aggressive trading is the equivalent of doubling your bets at a casino to recoup earlier losses.
“It would be a terrible tragedy if people try to recover from the devastation of the financial crisis by creating even more devastation in their personal investment accounts by taking on risks they don’t understand and can’t afford,”
said Barbara Roper, director of investor protection for the Consumer Federation of America.
Financial experts have long preached portfolio diversification, caution and patience when it comes to long-term investing. Still, some people think they have no choice but to take matters into their own hands.
Two bear markets — after the bursting of the Internet bubble in 2000 and the housing bubble two years ago — have decimated portfolios and left many people poorer than a decade ago.
With losses incurred by mutual funds and stockbrokers and figure they cannot do any worse on their own by darting in and out based on market conditions.
“The equity markets have not been steady long-term gainers for a long time now,” said Nicholas Colas, market strategist at BNY ConvergEx Group, a New York brokerage. “There is a growing sense of frustration, and [investors feel that] if you do want to play in equities you have to have a shorter time frame.”
Susan York was fed up with the dismal performance of her 401(k) retirement account. Then her husband saw a Sunday-morning infomercial in January touting the benefits of trading options, which give an investor the right to buy or sell stocks and other securities at predetermined prices.
The 50-year-old from Naples, Fla., had limited investment knowledge but attended several seminars before beginning to trade in May. So far, York said, she’s up an average of 40 percent a month and is trading full time.
“It’s the best job I’ve ever had, not just for the enjoyment but from the compensation standpoint,” said York, who previously sold telecom equipment. “I’ve replaced a significant six-figure income.”
Trading activity at online brokerages jumped in the second quarter as the stock market began rebounding in early March from its deep sell-off. Compared with a year earlier, activity was up 28 percent at E-Trade Financial and 36 percent at TD Ameritrade Holding.
Frenetic trading also is rising among Wall Street professionals.
High-frequency trading, which involves souped-up computers trading stocks in milliseconds, makes up at least half of total trading volume, according to estimates.
Among individuals, activity is picking up in risky areas.
Currency trading by retail investors, for example, is expected to jump to $125 billion a day this year from $100 billion last year, according to Aite Group, a research firm. It has risen steadily from $10 billion in 2001.
Some people recently have jumped into leveraged ETFs, one of the newest and riskiest investment products.
An ETF, or exchange-traded fund, is a mutual fund that trades like a stock and can be bought and sold continually throughout the day leveraged ETF is like a regular fund on steroids. It gives two to three times the return of an underlying stock index. For example, if financial shares rise 2 percent on a given day, a fund could jump as much as 6 percent. Some leveraged funds move in the opposite direction of an index. If an index rose 2 percent, an inverse fund could fall as much as 6 percent.
Leveraged funds are among the fastest-growing products on Wall Street. Total assets surged to $32 billion at the end of June from $11 billion 18 months earlier, according to State Street Global Advisors. The first leveraged fund debuted three years ago. There are now 126.
Concern is mounting, however, that small investors don’t understand the risks of leveraged funds.
In some cases, critics say, the funds have suffered sharp and unexpected losses.
According to a lawsuit filed this month by a Connecticut stockbroker, one fund was supposed to return two times the inverse performance of an index of real estate stocks. Thus, the ProShare Advisors’ UltraShort Real Etate Fund should have risen if the index declined, according to the suit.
But even though the index sank 39 percent through much of last year, the fund also fell, by 48 percent, according to the suit.
“This should have been an extraordinary home run, and yet he lost money,” said Thomas Grady, the broker’s attorney. “It’s just preposterous.” Many other funds have suffered similar fates, according to Morningstar, a research firm.
Over the past year, 55 percent of leveraged ETFs have gone in the opposite direction from where they were expected to, said Scott Burns, a Morningstar analyst. The reason is that the funds are designed to track daily market moves but can fluctuate wildly over longer periods.
ProShares, the suit said, “touts the simplicity” of the funds when there are actually enormous risks.
ProShares said in a statement that the allegations are “wholly without merit.” Fund companies say they warn investors about the danger in holding the funds for extended periods.
“I think we’ve done a very good job in disclosing what these funds are, what they’re not, and what they do and don’t do,” said Michael Sapir, chairman of ProShare Advisors.
Still, leveraged funds are raising concerns among securities regulators.
Massachusetts issued subpoenas to four brokerages last month to determine whether investors are adequately warned of the risks. Some companies have suspended sales of the products, while others have issued warnings to customers.
Still, experts worry that in their haste to recover bear-market losses, people are rushing in blindly.
“People shouldn’t be messing around with stuff they don’t understand,” Burns said.
York has another view: Doing nothing is riskier than taking action.
She has devoted a lot of time, she said, to understanding how options trading works and believes she can prosper in good markets or bad.
“I saw with my 401(k),” she said, “that buying and holding was just not working out.”

Sunday, August 30, 2009


Tranio - Here´s my thought : pratice your logic as you chat with your friends, and your rhetoric in ordinary conversation.

William Shakespeare - The taming of the Shrew


O reinado do dólar está a chegar ao fim?
Uma comissão presidida por Joseph Stiglitz, no âmbito das Nações Unidas, avançou num relatório preliminar divulgado em Junho algumas alternativas que pretendem assegurar maior estabilidade ao sistema monetário internacional. Do ponto de vista dos norte-americanos, argumenta Stiglitz que a mudança favorecerá também os seus interesses, na medida em que, cessando as vantagens que a sua moeda até agora lhes garantiu no contexto do sistema financeiro mundial, cessará também os malefícios que o dólar, enquanto moeda de reserva, tem induzido na economia norte-americana, e que a crise tornou mais evidentes.

Não é a primeira vez que Stiglitz defende a criação de uma unidade monetária internacional que possa substituir o dólar como moeda de referência nas transacções internacionais. Em 11 de Maio transcrevi aqui no Aliás algumas declarações feitas por ele na altura.

Esta proposta, que apoia outra dos chineses, anteriormente divulgada, no mesmo sentido, (vd. aqui ) não será, contudo, facilmente digerível por muitos interesses em jogo e pelo orgulho norte-americano, e consequentemente, dificilmente convencerá a maior parte da opinião pública.
Conseguirão as Nações Unidas avançar para uma nova ordem financeira internacional sem o apoio, explícito ou implícito, dos EUA? Stiglitz pensa que sim, e que para os EUA é preferìvel participar nessa alteração do que ir a reboque dela.
O euro tem-se imposto sem a participação do Reino Unido e a extinção da libra. Acontecerá o mesmo ao dólar?
The Buck Stops Here. Gone are the days when the dollar reigned supreme.
Joseph E. Stiglitz
Beware of deficit fetishism.
Last week we
learned that the national debt is likely to grow by more than $9 billion. That's not great news -- no one likes a big deficit -- but President Obama inherited an economic mess from the Bush administration, and the cleanup comes with an inevitably high price tag. We're paying it now.
There are no easy options. When financial crises strike, economic growth declines and living standards drop, resulting in lower tax revenues and greater need for government assistance -- all of which leads to higher fiscal imbalances.
What really matters is not the size of the deficit but how we're spending our money. If we expand our debt in order to make high-return, productive investments, the economy can become stronger than if we slash expenditures.
There are other consequences, however, that we're missing in the debate over all this red ink. Our budget deficit, as well as the Federal Reserve's ballooning lending programs and other financial obligations, will accelerate a process already well underway -- a changing role for the U.S. dollar in the global economy.
The domino effect is straightforward: Higher deficits spark market concerns over future inflation; concerns of inflation contribute to a weaker dollar; and both come together to undermine the greenback's role as a reliable store of value around the world. Right now, with so much unused capacity in the American economy and so much unemployment -- likely to persist for at least another year or two -- the more pressing worry is deflation (a general decrease in prices), not inflation. But as the economy eventually recovers, the possibility of inflation will loom, and with forward-looking markets, worries about the future often play out in the present. Anxieties about future inflation can lead to a weaker dollar today.


Saturday, August 29, 2009


As contas públicas em Portugal e Espanha não apresentam o mesmo grau de solidez. Mas, apesar da crise que atingiu a economia espanhola de forma mais acentuada que a nossa, a situação das finanças públicas espanholas continua mais desafogada que as portuguesas. Como se explica, então, o anúncio de medidas fiscais que apontam para caminhos opostos em Portugal e Espanha? *
Pelo facto de haver eleições legislativas, que prometem resultados muito cerrados entre os dois principais partidos, em Portugal, no próximo mês.
Poderia admitir-se que as propostas do PSD não visam, primordialmente, o voto dos eleitores indecisos, se as políticas fiscais que implicam redução de receitas fosse acompanhada por outras de redução equivalente da despesa. Mas não é isso que ressalta do programa do PSD. Percebem-se as políticas de apoio às PME mas essas políticas não podem sustentar-se à custa do descontrolo das contas do Estado. Enquanto as medidas de redução de receita se encontram identificadas no programa do PSD as de redução das despesas são formuladas de forma totalmente genérica.

A execução deste plano exigirá a redução e racionalização
da despesa pública, identificando os tipos de despesa
susceptíveis de serem reduzidos. Embora tal identificação
dependa de uma análise das contas públicas no momento da
preparação pormenorizada desse plano, passará seguramente por:
— Redução gradual da despesa corrente primária, com melhoria
da eficiência e do funcionamento da Administração Pública;
— Selectividade e exigência nos novos investimentos
públicos, definindo e aplicando rigorosamente os critérios que
devem presidir à aprovação de novos investimentos, tais como
a promoção da produtividade e da competitividade e o seu
impacto positivo no rendimento nacional.
O PSD ao optar pelo caminho fácil da redução das receitas, evitando o embaraço da identificação da redução da despesa, ganhará, também neste caso, alguns votos à custa de falta de coerência de que a generalidade dos eleitores não se apercebe, ou não quer aperceber-se. Os cínicos afirmam que quem fala verdade aos eleitores perde as eleições. O que não implica que as ganhem os que lhes mentem ou falem meias verdades, ainda que, frequentemente, na noite das eleições todos cantem vitória. Suspeito que seja esse o caso no próximo dia 27.
O Governo espanhol prepara, segundo o primeiro ministro José Luis Zapatero, um aumento de impostos, embora limitad0 e com uma duração temporária.
*Entre outras medidas com incidência na redução da receita, o PSD propõe acabar com o Pagamento Especial por Conta

Friday, August 28, 2009


King´s Court Tavern (pub/tasca em Leesburg, VA)
"Fish and chips", servidos em embrulho de papel de jornal (vd foto aqui)
Se a ASAE andasse por ali, ia tradição pela porta fora.
De modo que, desta vez, o cartoon de Tolles não foi pescado on line mas a partir do papel dos filetes. A Health Care Reform anda em bolandas por cá.
Para ver melhor clicar na imagem.


clicar para aumentar

A questão das consequências do crescimento demográfico não é recente. Thomas Malthus celebrizou-se prognosticando que, com as populações a crescerem em progressão geométrica e os recursos alimentares em progressão aritmética, o ajustamento implicaria a fome e a morte dos excedentários. Charles Darwin viria a inspirar-se nas conclusões de Malthus para formular a sua teoria da evolução das espécies:
"In October 1838, that is, fifteen months after I had begun my systematic inquiry, I happened to read for amusement Malthus on Population, and being well prepared to appreciate the struggle for existence which everywhere goes on from long- continued observation of the habits of animals and plants, it at once struck me that under these circumstances favourable variations would tend to be preserved, and unfavourable ones to be destroyed. The results of this would be the formation of a new species. Here, then I had at last got a theory by which to work".
Charles Darwin, from his autobiography. (1876)
Dois séculos depois, as predições de Malthus não se confirmaram, mas a teoria de Darwin tornou-se incontornável base da biologia actual. O que significa que se a selecção natural se faz na disputa dos alimentos disponíveis para as diferentes espécies vivas, os homens têm encontrado nos últimos milénios outras razões para se matarem uns aos outros.
Nos dias de hoje, a fome ainda continua a ser a principal causa de mortalidade em muitos países subdesenvolvidos mas essa tragédia não resulta da incapacidade técnica da humanidade de produzir alimentos em quantidades suficientes para alimentar a população mundial existente. Apesar do crescimento demográfico que se observa em algumas regiões do globo, a fome tem retrocedido e há boas razões para acreditar que esse flagelo venha a desaparecer quase completamente.
A sobrepopulação, por outro lado, tem vindo a apresentar-se como um factor anti ecológico por estar na origem de práticas anti ambientais. É bem verdade que a poluição resulta em grande parte da presença humana. Mas já não é verdade que a poluição cresça em zonas mais densamente povoadas.
Também não há, necessariamente, qualquer correlação entre crescimento demográfico e desequilíbrio ecológico como não há, necessariamente, qualquer correlação entre crescimento económico e crescimento de poluição. Mas há uma correlação muito estreita entre atentados ao ambiente e o número de pessoas com falta de civismo por quilómetro quadrado no globo.
Assim como o homem foi capaz de contradizer Malthus, espera-se que seja capaz de perceber que se não morrer de fome pode morrer por falta de ar e água.


Banks 'Too Big to Fail' Have Grown Even Bigger
Behemoths Born of the Bailout Reduce Consumer Choice, Tempt Corporate Moral Hazard
David Cho
When the credit crisis struck last year, federal regulators pumped tens of billions of dollars into the nation's leading financial institutions because the banks were so big that officials feared their failure would ruin the entire financial system.
Today, the biggest of those banks are even bigger.
The crisis may be turning out very well for many of the behemoths that dominate U.S. finance. A series of federally arranged mergers safely landed troubled banks on the decks of more stable firms. And it allowed the survivors to emerge from the turmoil with strengthened market positions, giving them even greater control over consumer lending and more potential to profit.
J.P. Morgan Chase, an amalgam of some of Wall Street's most storied institutions, now holds more than $1 of every $10 on deposit in this country. So does Bank of America, scarred by its acquisition of Merrill Lynch and partly government-owned as a result of the crisis, as does Wells Fargo, the biggest West Coast bank. Those three banks, plus government-rescued and -owned Citigroup, now issue one of every two mortgages and about two of every three credit cards, federal data show.
A year after the near-collapse of the financial system last September, the federal response has redefined how Americans get mortgages, student loans and other kinds of credit and has made a national spectacle of executive pay. But no consequence of the crisis alarms top regulators more than having banks that were already too big to fail grow even larger and more interconnected.
"It is at the top of the list of things that need to be fixed," said Sheila C. Bair, chairman of the Federal Deposit Insurance Corp. "It fed the crisis, and it has gotten worse because of the crisis."
Regulators' concerns are twofold: that consumers will wind up with fewer choices for services and that big banks will assume they always have the government's backing if things go wrong. That presumed guarantee means large companies could return to the risky behavior that led to the crisis if they figure federal officials will clean up their mess.
This problem, known as "moral hazard," is partly why government officials are keeping a tight rein on bailed-out banks -- monitoring executive pay, reviewing sales of major divisions -- and it is driving the Obama administration's efforts to create a new regulatory system to prevent another crisis. That plan would impose higher capital standards on large institutions and empower the government to take over a wide range of troubled financial firms to wind down their businesses in an orderly way.
"The dominant public policy imperative motivating reform is to address the moral hazard risk created by what we did, what we had to do in the crisis to save the economy," Treasury Secretary Timothy F. Geithner said in an interview

Thursday, August 27, 2009


Programa do PSD não é "um remédio para resolver todos os problemas"
PS: programa do PSD limita-se a tentar federar descontentamentos
PSD quer reavaliar novo regime de divórcio
PSD: “Suspenderemos os processos de adjudicação do TGV”
PSD propõe acabar com o Pagamento Especial por Conta
PSD quer suspender avaliação de professores e rever estatutos do aluno e carreira docente
Programa eleitoral do PSD na íntegra (pdf)
José Sócrates diz que nunca houve quatro anos com tantos progressos


Campanha antimarquises arranca em Setembro
As marquises nas fachadas dos prédios são um dos alvos de uma campanha que arranca no mês que vem para sensibilizar a população para os aspectos estéticos do fenómeno. As caixas de ar condicionado e os estendais também vão estar na berlinda nesta iniciativa, que, apesar de ter o apoio do Ministério do Ambiente, partiu de um gestor privado
Referi-me aos estendais de roupa a 4 de Setembro de 2007, aqui no Aliás. Fico, portanto, satisfeito por, finalmente o Ministério do Ambiente reparar em algo que estava escancarado à vista de todos mas que, como em muitas outras situações, as pessoas não reparam. Os estendais de roupa são legais e admitidos pelos serviços de urbanismo das câmaras municipais que, inconcebívelmente, não exigem que os projectos contemplem espaço para a secagem natural da roupa. Daí os estendais.
Já as marquises são ilegais à nascença e só proliferaram como uma praga por duas razões de culpa atribuíveis aos municípios, e, principalmente, aos das áreas metropolitanas de Lisboa e Porto: i) porque aceitaram projectos onde predominavam as varandas que, antecipadamente, se destinavam à colocação de marquises, uma vez passada a inspecção camarária ii) o laxismo camarário nunca desmotivou a instalação de marquises, tolerou-as e acabou por informalmente as legalizar. A instalação de caixas de ar condicionado, muitas vezes em condições que podem provocar acidentes graves, deve-se ainda à mesma atitude laxista dos municípios, que fazem vista grossa para os objectos aéreos bem identificáveis.
Mas a maior chaga das cidades portuguesas são os prédios abandonados. Muito se tem escrito ultimamente sobre o assunto. Um projecto lei sobre a reabilitação urbana foi recentemente considerado constitucional. Será que alguma coisa vai mudar no reino da urbanização apodrecida em Portugal? Esperemos que sim.


Programa do PSD: processos judiciais devem ter duração previsível
A criação da obrigatoriedade de que os processos judiciais tenham datas indicativas da sua duração é uma das medidas propostas pelo PSD no seu programa eleitoral que hoje será apresentado em Lisboa pela presidente do partido, Manuela Ferreira Leite.

Acerca da proposta do PSD que faz o título desta notícia, escrevi aqui

As pessoas respondem a incentivos e os agentes da justiça são, antes de mais, pessoas. Deveriam trabalhar por objectivos e serem compensados em função do seu cumprimento. Sei que esta proposta é escandalosamnte heterodoxa aos olhos de muitos. Mas, mudam-se os tempos, mudam-se as verdades. E é verdade que hoje os tempos impõem repensar processos, conceitos, garantias, obrigações e deveres. Sob pena de não mudarmos coisa alguma. (22/7/2009)
e aqui
Mas é a inépcia dos tribunais que devolve as audiências à rua. Essa inépcia só pode ser removida se os agentes da justiça forem sujeitos ao cumprimento de objectivos e sancionados em caso de incumprimento. Se a teoria económica ensina alguma coisa, ensina isto. (16/2/2009)
e aqui
Sem julgamento externo que avalie o desempenho das suas funções nem concorrência que os mobilize para o aperfeiçoamento e o cumprimento de objectivos, a administração da justiça estagna, adormece, torpeça constantemente perante os olhos espantados dos cidadãos. (15/2/2009)

Wednesday, August 26, 2009


Se os isaltinos da nossa terra continuam de pedra e cal nos lugares que lhes asseguraram vantagens ilícitas para os próprios bolsos é porque as leis permitem que o ilícito progrida, porque a justiça é frouxa e lenta, mas também porque a maioria dos eleitores são suficientemente insensíveis à ilicitude de tais actos. Podemos censurar os actos isaltinos mas não podemos esquecer que eles são consentidos por quem continua a admiti-los.
Ontem foi notícia que o Supremo Tribunal de Justiça nega “descontrolo”no caso do ex-administrador do Supremo Tribunal de Justiça (STJ), acusado de dois crimes de peculato e 27 de falsificação por apropriação indevida de mais de 344 299 euros. Quero acreditar que aqueles que continuam a confiar nos isaltinos para o governo de dinheiros públicos considerarão que este ex-administrador do STJ não deveria manter-se em funções a partir do momento em que foi acusado daqueles crimes. E, no entanto, votam para que os isaltinos continuem.
Alguns destes votantes serão empregadores que não hesitariam em afastar um colaborador seu a partir do mínimo indício de menos honestidade no exercício das suas funções. Ainda que esse colaborador fosse excelente no desempenho do seu trabalho. Porquê, então, esta geral duplicidade de critérios?
Unicamente porque as pessoas, geralmente, decidem em função dos seus próprios interesses mesmo que esses interesses colidam com os da colectividade a que pertencem. Tanto no caso do ex-administrador do STJ como nos casos isaltinos as pessoas condenam os actos ilícitos praticados mas relevam os segundos em compensação das vantagens recebidas.
O que está em causa, nestes casos, são os valores que uma sociedade em determinada época preza e defende ou desvaloriza e negligencia. A defesa desses valores é também uma forma de defesa da democracia, sem os quais tenderá a enfraquecer nas raízes e a dar lugar ao crescimento de raízes totalitárias.
Em sociedades de elevado nível cívico, as leis de defesa desses valores são desnecessárias; em sociedades tradicionalmente permissivas como a nossa, a democracia deve ser institucionalmente defendida se é o caminho democrático que se pretende prosseguir.
Infelizmente, contudo, os ratos já se passeiam à vontade até na casa da justiça.


O ex-administrador do Supremo Tribunal de Justiça (STJ) Ricardo Cunha foi acusado de dois crimes de peculato e 27 de falsificação por apropriação indevida de mais de 344 299 euros. A antiga directora dos Serviços Administrativos também foi acusada de co-autoria de crime de peculato e falsificação. O STJ antecipa-se e nega ter vivido uma situação de "alegado descontrolo administrativo".
O STJ reconhece que o Conselho Administrativo autorizou "os pagamentos em causa, em função da apresentação de facturas de que constavam artigos ou prestações de serviços diversos daqueles que estavam a ser verdadeiramente adquiridos".
O administrador Ricardo Cunha, com a ajuda da directora dos Serviços Administrativos Teresa Alexandre, fazia aprovar no Conselho Administrativo do STJ facturas relativas à compra de bens pessoais, como obras de arte e objectos de decoração. Este conselho é composto por dois juízes-conselheiros, o presidente do STJ e os dois acusados.
Palavras para quê? É a justiça em Portugal no seu melhor.


clicar para aumentar

Tuesday, August 25, 2009


"O Presidente da República vetou nova lei das uniões de factoconsiderando que na actual conjuntura, essa alteração não só é inoportuna como não foi objecto de uma discussão com a profundidade que a importância do tema necessariamente exige, até pelas consequências que dele decorrem para a vida de milhares de portugueses".
A mim, parece-me que o PR decidiu bem.
Aliás, estranho que os grandes defensores do referendo para a aprovação do texto do "Tratado de Lisboa" (um texto extenso e altamente complexo) não proponham a audição directa do povo português num assunto que, facilmente, quase todos podem perceber.
Há à volta desta questão do casamento, ainda um contrato entre duas pessoas de sexo diferente, uma discussão que seria redundante se fosse respeitada uma regra fundamental de linguagem: a de se chamarem pelo mesmo nome as mesmas realidades, e por diferentes nomes realidades distintas.
Mas não é isso que querem os homosexuais. Os homosexuais pretendem que a um contrato diferente (quanto ao sexo das partes) se atribua a mesma designação que é atribuída, desde sempre, a um contrato de casamento entre um homem e uma mulher.
Dos não homosexuais, uns (cada vez menos) querem casar, outros (cada vez mais) querem "unir de facto" e que em resultado dessa "união de facto"resulte uma protecção de direitos igual aquela que é atribuida em consequência do contrato de casamento. Quer dizer: Os partidários da união de facto querem, de facto, garantir os direitos ( e, suponho, também assumir os deveres) do casamento, mas querem que esse contrato tenha outro nome.
Confuso, não?
Se o PR não vetasse estas coisas eu, que sou casado civilmente, deixaria um dia destes de saber se sou casado ou não. Ou não?


As Americans search for the cure to what ails our health-care system, we've overlooked an invaluable source of ideas and solutions: the rest of the world. All the other industrialized democracies have faced problems like ours, yet they've found ways to cover everybody -- and still spend far less than we do (...)

Monday, August 24, 2009


Analyzing the lessons of the collapse of the ancient world's superpower for today, Goldsworthy rightly avoids simplistic comparisons, pointing out how profoundly different the Roman Empire was from any modern state, culturally, institutionally, politically. The speed of communications is but one obvious example. Nevertheless, he finds some disturbing messages about inefficiency and corruption, about what happens when the selfish desire for personal advancement overrides thoughts of the common good, when bureaucracies become so swollen that they lose touch with their overall purpose and when institutions grow so large and powerful that their sheer size conceals their errors and inefficiencies.

Goldsworthy completed his book before the real extent of the world's current financial crisis was known, but he quotes a complaint by the Emperor Diocletian that seems especially relevant and shows that human nature may not have changed much since Roman times: "There burns a raging greed, which hastens to its own growth and increase without respect for human kind." Goldsworthy sensibly concludes there's nothing to suggest the United States must inevitably decline, but that it's up to those at the top -- our 21st-century emperors -- to ensure it doesn't.

Diana Preston is the author of "Cleopatra and Antony: Power, Love and Politics in the Ancient World."


Morning Glory Clouds Over Australia


Caro LA-C,
Percebe-se perfeitamente que, sendo a avaliação feita com base numa amostra, se cai dentro do intervalo de confiança, o resultado não é garantido. De modo que, para o estaticista, mais-zero-vírgula-três-por-cento poderá ser tão provável como menos-zero-vírgula-três-por-cento. Mas será o mesmo para o politólogo ou para o economista? Creio que não.

Quando as sondagens atribuem o empate técnico para os dois principais partidos, por cair a diferença entre eles dentro do intervalo de confiança, que impacto tem o anúncio do resultado das sondagens sobre os resultados eleitorais dos principais partidos e dos outros? Tem, certamente, algum.

Do mesmo modo, ou mesmo por maior razão, um resultado de mais-zero-vírgula-três-por cento de crescimento económico avaliado com base numa amostra, tem um efeito animador que contrasta significativamente com o resultado simétrico, ainda que a diferença entre eles seja estatisticamente pouco relevante.

Em mercados globalizados (mercados de commodities, por exemplo) uma pequena diferença pode inverter uma tendência de forma sustentada ou desequilibrar um mercado apertado. É certo que algumas vezes a alteração da situação não encontra condições de sustentabilidade e volta tudo ao ponto de partida. Como os papagaios na praia: antes que levantem e se aguentem vaidosos nos céus onde as ventos sopram para o mesmo lado, andam ao sabor dos ventos cruzados que se fazem sentir rente à areia. Tanto podem levantar como cair, mas são os movimentos ascendentes, por tímidos que sejam, que dão confiança ao lançador e incitam a subida.
títulos correlacionados:

Sunday, August 23, 2009


Federal Reserve Chairman Ben S. Bernanke rendered his most positive assessment of the economy yet in a speech Friday and gave credit in part to his own institution's handling of the worst economic crisis in decades.
The U.S. and global economy "appear to be leveling out," Bernanke told an audience of some of the world's leading economists and central bankers, and "prospects for a return to growth in the near term appear good." He warned, however, that the recovery is "likely to be relatively slow at first," with unemployment declining only gradually.
The idea that the economy is starting to improve was bolstered Friday by a report that sales of existing homes soared 7.2 percent in July to the highest level in two years. Bernanke's comments and the housing news sent Standard & Poor's 500-stock index up 1.9 percent to a new high this year.
But the meat of Bernanke's speech was not about the stabilizing economy, but rather an extensive defense of the Fed's handling of the financial crisis and recession. It is part of a broader effort to shore up confidence in the central bank, which has come under fire in Congress and in public opinion polls for its role in various bailouts.


Se o mundo é uma aldeia, Portugal parece uma casa de tias, onde o diz-se, diz-se, é um regalo para os frequentadores e uma benção para os mensageiros. Se os fogos de Verão já não chegam para atrair tantos basbaques e as arribas no Algarve, felizmente, não estão a cair todos os dias, os media têm de inventar modos de entretenimento que lhes garantam audiências.

O Expresso deste fim-de-semana, por exemplo, enche-se de comentários acerca do caso da semana: as eventuais escutas a assessores do PR feitas pelo governo, ou pelo PS, muitas vezes a distinção é difícil, denunciadas por uma fonte anónima que toda a gente sabe quem é.

O caso conta-se em duas linhas: Do lado do PS foi afirmado que assessores do PR teriam colaborado na elaboração do programa do PSD. O que, segundo alguns destacados socialistas, é normal e não é ilegal. Do lado do PSD, negaram as acusações e perguntaram: Como é que eles sabem isso, os do PS? Andam a escutar-nos?

Parangona o Público no dia seguinte: Presidência da República teme estar a ser vigiada.

Estava dado o mote para entreter o pagode.
Como o caso tinha pouca mecha para alimentar o pavio estival deslocaram-no então para onde ele podia ganhar fôlego: para o PR. Como este ficou calado, e bem, aqui d´el rei que o ruído deste silêncio é ensurdecedor.
A casa da mariquinhas não se tinha, como eles queriam, mudado para Belém.


SÁBADO, 22 de AGOSTO DE 2009
A viagem da Secretária de Estado Hillary Clinton a África não foi bem sucedida. O que só pode visto como um revés na ultrapassagem de um dos difíceis obstáculos que a administração Obama se propôs enfrentar para concretização de algumas das políticas de referência da sua campanha para a presidência.
Em Angola, que representa hoje um papel político fundamental na África austral, J E dos Santos respondeu a Clinton não saber ainda quando teriam lugar as eleições presidenciais no país. Um amigo meu, que se desloca a Angola com muita frequência, diz compreender a posição de J E dos Santos, porque, segundo ele, a democracia formal é um regime que funciona mal em países subdesenvolvidos.
A opinião pública norte-americana não pensa, maioritariamente, assim. Nem a maior parte das suas elites. Pelo contrário, os norte-americanos vêm, geralmente, as ajudas a países governados por regimes totalitários a canalizarem-se para contas em off shore das classes dirigentes desses países. O que, lamentavelmente, é frequentemente verdade.
Não sendo uma condição suficiente, a democracia parece ser uma condição necessária ao progresso social e económico sustentado quando se analisa a correlação entre democracia e
desenvolovimento humano. Ainda que tanto no passado como hoje haja exemplos de desenvolvimento que contrariam aquela correlação (China e Índia, na actualidade, por exemplo, mas a evolução económica e social da China ainda se encontra num patamar relativamente baixo).
Se o continente africano continua à deriva e se mostra, na generalidade dos países, incapaz de absorver os benefícios da evolução da ciência e da técnica, é porque os seus recursos próprios são delapidados em benefício de minorias (internas e externas) e o auxílio humanitário estrangeiro não chega aos destinatários.
O mesmo raciocínio se aplica a todos os países dominados por regimes ditatoriais, na maior parte dos casos em destruição contínua infligida por guerras sem fim. Pode a tentaviva de plantação de raízes de prática democrática nestas sociedades fazer crescer nelas a democracia e potenciar o seu desenvolvimento humano? A experiência já tentada em outras sociedades tem demonstrado que a árvore democrática pode agarrar-se em ambientes difíceis e crescer com o tempo. Em ditadura, geralmente, ao crescimento económico inicial segue-se o seu definhamento.
A crónica de Vasco Valente publica no Público de ontem não foge à regra que o autor utiliza para continuar a passar recibo. Ver na tentativa de democratização, ainda que mitigada, de um povo sujeito à opressão de tiranos fanáticos, que prometeram destruir o Ocidente, uma superstição perigosa, só pode decorrer de uma visão vesga da sociedade afegã. Que alternativa poderia melhor isolar os talibãs e acantonar o terrorismo? Ninguém sabe. E o Valente Vasco também não.
"Eleições no Afeganistão? Eleições num país sem espécie de experiência democrática, tribal, analfabeto e pobre? Num país que está em guerra e, pelo menos, parcialmente ocupado? Num país com um Governo corrupto que obedece ao estrangeiro? Num país que os taliban, em aliança ou em competição com os "senhores da guerra", intimidam, matam, exploram e em certas regiões governam? Num país que vive do ópio? Nenhuma superstição do Ocidente é tão estúpida e, em última análise, tão perigosa."

Friday, August 21, 2009


Embirro com os bifes e com a placa comemorativa da Trindade: O senhor presidente da Câmara Municipal de Lisboa descerrou esta placa comemorativa dos 170 anos da Trindade, e versão inglesa a seguir. Mas volto sempre que posso para encontrar velhos amigos. Antes do almoço dou um giro pelas redondezas, sítio onde habitei por uns anos, e sempre, pelos alfarrabistas. Entretenho os olhos e encho a alma das recordações que algumas daquelas edições com dezenas de anos me despertam.
O Chiado não está na mesma. Algumas reabilitações, nem sempre bem conseguidas, têm devolvido ao lugar alguma dignidade, perdida com o tempo e a incúria, de alguns dos imóveis dos largos e ruas afluentes. Mas é desesperante ver aquela que é a parte mais emblemática da cidade transformada em estaleiro de obras (sobretudo na Rua da Misericórdia) há tantos anos já.
Por que é que estas coisas acontecem tão frequentemente entre nós?
Novo, no Chiado, é o quiosque instalado há poucos meses num dos cantos da praça de Camões. Elegante. Dizem-me que os petiscos à venda merecem a prova. Não sei se o vereador municipal que assistiu à inauguração descerrou placa comemorativa. Na próxima vez que lá volte vou ao quiosque antes de entrar na Trindade. Pelo menos poupo-me do bife ainda que não me safe da placa.
Já depois de sair do parque, onde há placa a avisar que foi ianugurada pelo senhor presidente da câmara municipal de Lisboa, excelentíssimo senhor doutro, ia a desbobinar recordações, liguei o rádio e ouço José Afonso a cantar Saudadinha. Coincidências.

Thursday, August 20, 2009


A edição de 8/14 Agosto do Economist dedicava a capa e o editorial à questão que aqui abordei: a vulnerabilidade da economia alemã resultante da sua dependência das exportações e, consequentemente, da evolução económica dos países seus clientes. O editorial do Economist concluía: "Now the country needs to gear up the domestic economy. Politicians often protest that services are for dodgy financiers or downtrodden burger-flippers and that Germany deserves better. As September’s vote draws near, they should think again, if only for the sake of millions of their underemployed compatriots. It is time to experiment."

A economia japonesa caracteriza-se por um perfil exportador semelhante. Não penso que tanto num caso como noutro se observe um paradima diferente daquele que tem caracterizado as respectivas economias.

O FMI confirma as últimas previsões acerca da inversão da tendência do ciclo e previne que devem os EUA aumentar as exportações e a China as importações, se se quiser sustentar a recuperação da economia global. Já agora, acrescento eu o que quase toda a gente diz, também Portugal tem de aumentar as exportações se quiser evitar o completo descalabro da sua economia. E, evidentemente, o exercício prolonga-se a todos os países do planeta. Se o FMI se refere às economias norte-americana e chinesa é porque elas são, incontestavelmente, agora, os pivots do comportamento económico mundial.

Mas "uma coisa pensa o cavalo e outra quem está a montá-lo". No caso português, toda a gente (ou quase) concorda que Portugal tem de aumentar a sua produtividade e competitividade para reduzir o défice externo e suster o crescimento das dívidas. Mas como é que isso se faz? Há várias receitas mas levam tempo a engolir. Como o potencial de crescimento continua a rastejar, mesmo que a crise global se extinga mais depressa do que ainda há bem pouco tempo era previsível, não nos sobrará grande margem para aproveitar plenamente a retoma. O menos mau que nos poderá acontecer é continuarmos a voar baixinho.

Nos casos dos EUA, da Alemanha, do Japão e da China, os quatro principais motores económicos mundiais, as questões que se colocam são completamente diferentes. China e EUA não têm alternativa senão prosseguirem políticas de ajustamento que possam permitir um maior equilíbrio entre as suas relações comerciais. À China não pode interessar continuar a empilhar dólares em reservas ou aplicações em dólares susceptíveis de desvalorizações. Os EUA não podem continuar a sustentar-se com o crescimento do endividamento externo. Uma das consequências deste reajustamento passa necessariamente por uma alteração do papel da divisa chinesa no contexto do sistema financeiro internacional.

À economia norte-americana detem o mais elevado índice de produtividade do mundo e é ainda uma das mais competitivas. Não lhe falta potencial para voltar a ser o principal motor da economia mundial. Durante os últimos anos a disponibilidade chinesa para vender e financiar os compradores provocou um desequilíbrio comercial que não pode perdurar indefinidamente.

Que podem os norte-americanos exportar? Em princípio tudo, ou quase. Não lhes falta nem capacidade física, nem competência humana, nem know-how. Exportar mais ou menos depende fundamentalmente das condições que o mercado lhes oferecer ou lhes pedir. Até agora os mall têm enchido as suas lojas de produtos maid in muitos países, com particular destaque para a China. Mas isso não significa que não haja competência para produzir os produtos importados em território norte-americano. A longo prazo o mercado cumpre a razão porque nasceu: a troca. Ninguém pode perdurar a vender (a comprar) mais do que comprar (vender).

Wednesday, August 19, 2009


Ocupou o maior espaço noticioso televisivo do dia. O tema era susceptível de agarrar o grande público ( público grande é outra coisa) e os canais de televisão fizeram o que costumam fazer nestes casos: chucharam o osso até ao tutano.
O assunto conta-se em meia dúzia de linhas: uma menor foi violada na sua residência, recorreu aos serviços de medicina legal, junto do Hospital de Santa Maria, para obter a confirmação médica e poder proceder legalmente contra o criminoso. Os serviços, por razões de horários de Agosto, só atenderam a jovem cerca de 12 horas depois, obrigando-a a manter-se sem acções de higiene nem alimentação durante aquele período de tempo para não eliminar provas do crime.
Esclareceu o Ministério da Saúde que o Instituto de Medicina Legal depende do Ministério da Justiça.
Tinha mesmo de ser assim. Se é por questões de justiça, até os médicos nunca se sabe quando chegam.


FMI diz que recuperação económica já começou
A recuperação da economia mundial já começou, mas é preciso que os Estados Unidos centrem esforços nas exportações e a Ásia nas importações.
EUA e Suíça chegam a acordo sobre o UBS
As autoridades norte-americanas e suíças assinaram um acordo sobre a disputa relacionada com evasão fiscal de clientes do UBS. O banco vai agora divulgar detalhes sobre 4.450 contas.
Portugueses recebem menos de metade que os americanos
Portugal entre os países no mundo que menos horas trabalham


Why we need to regulate the banks sooner, not later
There are problems with the view that the costs of greater bank regulation outweigh the benefits, and that the issue for the financial sector was a botched Lehman bail-out. The problem of moral hazard – created by the bank bail-outs – remains,

argues Kenneth Rogoff - professor of economics at Harvard University.

Tuesday, August 18, 2009


É um prédio dos anos 40, tinha sido vandalizado com palavrões pintados sobre a pedra que guarnece o rés-do-cão, daqueles palavrões hoje muito comuns em conversas de canalha mas que ainda ferem os ouvidos, e os olhos, neste caso, às pessoas que habitam o imóvel. Decidiram, com muito sacrifício, porque é gente que tem de contar os cêntimos, limpar as pedras e pintar as paredes, pagando o arranjo em mensalidades. Ficou bonito. Lisboa seria outra se todos fizessem o mesmo, pensei quando há dias passei por lá.

Hoje, voltei, e fiquei incomodado.
E lembrei-me da pergunta "há um problema do regime ?", que tinha lido ontem, e da resposta do autor: Há. Está espelhado neste exemplo (ver fotos). Em qualquer dos casos, a falta de civismo traduz-se no ostensivo desrespeito pela lei.
Lamentavelmente, há reflexos de falta de civismo por toda a parte. À vista deles, há gente que admite que este é um dos preços que tem de pagar-se pelo regime democrático; para outros, a falta de civismo é inerente ao próprio regime que eles profundamente rejeitam; para alguns, entre os quais me incluo, a falta de civismo não representa nenhum preço a pagar e, muito menos, é inerente à democracia. Antes, pelo contrário, são as sociedades com maior tradição democrática aquelas onde o grau de civismo é mais elevado.
Se há um problema do regime, que decorre da falta de civismo de uma parte significativa da sua população, ele é melhor solucionável em regime democrático porque as leis que governam a res publica decorrem de um mandato popular. Como? Fazendo cumprir as leis, penalizando em tempo oportuno os infractores.
Infractores que, como é sobejamente conhecido, não são apenas os que estacionam em locais não permitidos ou borram as paredes da vizinhança. Estes são os pequenos infractores.
Mas há também os infractores médios, os grandes e os grandessíssimos.
O problema existe, sim, e chama-se falha flagrante de justiça.

Monday, August 17, 2009


O Bloco de Esquerda afasta hipótese de qualquer coligação com PS. Supõe-se que não pense governar Portugal em coligação com o PCP. Por sua vez o PCP também não parece disposto a caucionar a "política de direita" do PS, ainda que Ferro Rodrigues e Paulo Pedroso sejam partidários de uma coligação da esquerda, segundo declarações recentes. Em última instância, Ferro Rodrigues sugere uma coligação com o PSD. Mas com Sócrates de um lado e Ferreira Leite do outro, a reedição do bloco central parece uma hipótese mais que remota. O CDS/PP (quando é que este partido dispensa uma designação híbrida?) espreita a possibilidade de garantir a maioria absoluta com o partido vencedor, sendo-lhe quase indiferente que o vencedor relativo seja o PS ou o PSD, porque o que mais importa a Paulo Portas é voltar ao poder.

A transferência de votos que tem vindo a observar-se do PS para a esquerda comprometerá a governabilidade do país, e a confusão política que vai resultar dos resultados das próximas legislativas exigirá do PR uma atitude decidida no sentido de evitar que a crise económica que mina as raízes do regime não seja irremediavelmente potenciada por uma crise política sem precedentes em regime democrático.
E essa atitude não pode deixar de convocar todas as forças políticas realmente interessadas em governar o país e denunciar os que apenas jogam o jogo da oposição para capitalização do descontentamento e arrecadação de votos.

Em regime semi-presidencialista, quando os votos não determinam maioria absoluta nem se geram coligações que a possibilitem, o presidente fica debaixo de xeque. E, neste caso, ou se salva o rei e o jogo continua, ou o rei não tem saída e o jogo tem de ser outro: outras eleições.

Entretanto, os problemas do país agravar-se-ão exponencialmente.

Sunday, August 16, 2009


(continuação do post anterior)

Se a produtividade dos serviços de cuidados médicos é mais elevada nos EUA porque é que os custos de saúde são mais elevados para os norte-americanos que para alemães e britânicos, por exemplo?

Esta a questão a que responde William W. Lewis, em " The Power of Productivity", editado em 2004,

The spending total in the United States is the result of having an extremely complicated system based on the principles that have been so successful in the market part of the U.S. economy. These principles are to have as much private ownership, profit incentive, and competition as possible and to use price cap regulation to correct for market failures. (The marke fails in health care because patients cannot judge the quality of their care and thus cannot stimulate competition among care providers by bargaining over price. Moreover, because the incidence of the need of health care is highly variable, insurance systems are needed. Thus, there is no natural limit on the demand for health care services because patients are paying insurance premiuns and not directly for the services they ask for. ) The result has been doctors operating as thousands of small business, a large health care insurance industry, and micro management of health care by the government and insurance companies. In the midst of all this, patients (and sometimes doctors) feel a great loss of control. They are overwhelmed by the monstruosity we have built.

The large health care insurance industry and the government health care insurance schemes for the elderly and the poor generate tons of paperwork in the reimbursement process... The net result is that the administrative expenses of running the U.S. health care system are at least one-third higher than in any other country. On top of this, the salaries of health care workers and prices of pharmaceuticals and other supplies are much higher in the United States. The United Sates pays twice as much as Germany and the United Kingdom.
... it shouldn´t be surprising that doctor´s income in the United States exceed those in Germany and United Kingdom by more than the U.S. professional average exceeds the averages in those countries. Doctors in Germany and United Kingdom are mostly salaried government employers, who are paid well below private sector levels. Thus the expenses of administering the insurance schemes and the thousands of small doctor´s practices seem to be the problem.
Há ainda outro factor, que é geralmente citado, a juntar a estes: o dos custos de inovação. Encontrando-se a investigação médica mais avançada nos EUA, o lançamento de novas técnicas implica custos mais elevados no seu lançamento.
Por outro lado, os custos mais elevados dos medicamentos querem encontrar justificação, em grande parte, também no factor inovação: a investigação tem de ser paga pelos consumidores. O que só é verdade em parte uma vez que a investigação básica é, nos EUA, geralmente suportada pelo estado.


É sobejamente sabido que a arte de fugir aos problemas adopta geralmente a arte da fuga em frente. Confrontados com as causas da crise global, os fiéis indefectíveis dos espíritos que governam as leis do mercado recusam-se a aceitar que houve excesso de liberalização dos mercados financeiros e endossam as culpas a qualquer intervenção do estado. Se o mercado falhou, dizem, foi porque o estado interveio. Segundo estes liberais radicais, a administração norte-americana não falhou ao deixar cair o Lehman Brothers, falhou por intervir, retirando ao mercado a possibilidade de purgar o sistema. Mesmo que tudo ficasse reduzido a cacos.

A política que Obama prometeu e quer cumprir relativamente ao sistema nacional de saúde causa ainda maior reacção por parte dos interesses que podem ser atingidos. Por causa deles, ou em nome deles, levantam-se os arautos da liberdade contra a intervenção do estado. Por paradoxal que pareça, contudo, deram-se conta que os custos de saúde nos EUA são superiores aos observados na generalidade dos países desenvolvidos.

Serviços Nacionais de Saúde: comparação internacional Mas, como seria de esperar, o espanto não os levou a considerar que, afinal, a intervenção do estado na saúde não é, necessariamente, causa de menor produtividade: Nos EUA, a intervenção estatal é menor do que observada nos países considerados na análise e os custos de saúde por habitante são superiores. Explicação liberal radical: A menor produtividade do sector da saúde nos EUA é imputável à intervenção do estado.

Para William W. Lewis, em " The Power of Productivity", editado em 2004, as razões, pelas quais o sector dos serviços de saúde é geralmente considerado mais problemático nos EUA, são outras. Os EUA gastam 14% do PIB com cuidados de saúde, mais 40% dos gastos observados com os mesmos serviços em outros países desenvolvidos. Uma vez que o PIB per capita nesses outros países é cerca de 25 a 30% inferior ao observado nos EUA, os EUA dedicam saúde cerca do dobro de recursos em termos per capita. Acresce que cerca de 10% da população norte-americana (30 milhões de pessoas) não possui qualquer seguro de saúde. Os serviços de urgência dos hospitais são obrigados a tratar estas pessoas em caso de doença ou acidente, e só nesses casos. Se a esta população não protegida fossem facultados serviços gratuitos de diagnóstico e acompanhamento na doença, em termos idênticos aos observados noutros países, a diferença de custos com cuidados de saúde seria ainda maior.

Por outro lado, se a produtividade do sector da saúde for ponderada pelos resultados, as conclusões continuam a apontar no sentido de menor produtividade deste sector nos EUA: a esperança de vida nos EUA é menor que a observada em outros países desenvolvidos, e especialmente a observada no Japão.

Um estudo conduzido com o objectivo de analisar a produtividade alcançada no tratamento nos EUA, Reino Unido e Japão relativamente de quatro doenças - diabetes, cálculos biliares, cancro do pulmão e cancro do fígado - concluiu que nos EUA são conseguidos melhores resultados em todos os casos, salvo na diabetes, onde os melhores indicadores são observados no Reino Unido.

Por quê, então, sendo a produtividade no sector de saúde superior nos EUA, os custos dos norte-americanos são os mais elevados?


Saturday, August 15, 2009


Obama herdou problemas complicados (a crise económica global, as guerras no Iraque e no Afeganistão, Guantánamo) e comprometeu-se com políticas que dividem os americanos desde há muitos anos: serviço nacional de saúde, alinhamento ecológico internacional, restrições ao uso de armas pelos residentes norte-americanos.

De todos eles, porém, aqueles que parecem suscitar mais radicalismo por parte dos seus opositores, são o serviço de saúde e as medidas pró-ambientais. Em qualquer dos casos as hostes conservadoras são assanhadas pelos interesses dos lobbies atingidos. No caso da restrição ao uso civil de armas, a intenção para já tem um efeito contrário, determinando um aumento não habitual procura.

"Obama, comunista", é o slogan dos conservadores para abrir brechas entre os democratas. Ainda que para muitos norte-americanos tudo o que se situa para além das regras do mercado é tido como liberal, um patamar que antecede o socialismo, ninguém, não comprometido com os interesses em jogo, diria, vinte anos depois da queda do muro de Berlim, que o espantalho do finado e enterrado comunismo soviético continuasse a ser arvorado para convocar uma frente irredutivelmente conservadora do stato quo.

E, no entanto, é o que está acontecer nos EUA. E não só.
artigos correlacionados
Healthcare paranoia is part of America’s culture war
Obama Recalibrates Strategy
Bomber Targets Military Compound in Kabul

Friday, August 14, 2009


A proposta de lei de autorização, aprovada pela AR, para que o Governo possa legislar em matéria de reabilitação urbana, foi remetida pelo PR ao TC para apreciação de algumas das suas normas, eventualmente inconstitucionais. Na altura, receei o pior, talvez porque a minha confiança na isenção jurídica daquele órgão do poder judicial não seja por aí além. Ainda que me pareça que o posicionamento da apreciação da constitucionalidade das leis se devesse situar em uma instância diferente daquela que prevalece entre nós (o recente caso de inconstitucionalidade da constituição da ASAE é paradigmático do absurdo a que o posicionamento do TC pode conduzir) fico satisfeito com este acórdão que negou provimento à pretensão presidencial.

Aliás, do meu ponto de vista, a dessacralização do direito de propriedade deveria ir mais longe e abranger toda a propriedade (urbana ou rústica) abandonada.

Em muitos casos, tal abandono nada tem a ver com a lei das rendas (que deveria, no entanto, ser muito diferente) e nem o tempo consegue solucionar. Pelo contrário, quanto mais tempo passa, mais fica emaranhado o direito de propriedade com a passagem de sucessivas gerações de herdeiros. Um amigo meu contava-me há dias que para conseguir negociar uma pequena propriedade urbana teve de congregar a boa vontade de 37 herdeiros, alguns dos quais se conheceram em consequência desta transacção.
Mas há uma questão correlacionada com esta a que a legislação que um dia, sabe-se lá quando!, vier a ser aprovada não responde: Quanto às propriedades abandonadas, degradadas, sem qualquer utilização útil, pertencentes ao estado, quem é que poderá forçar a sua venda?

post correlacionado : Um passo em frente nas boas políticas de urbanismo e ordenamento


O negócio do futebol é o futebol.
O futebol não é um grande negócio. Nem um bom negócio. E há dúvidas de que seja um negócio. "O negócio do futebol é o futebol".

É um grande negócio
Basta comparar os clubes com as cotadas. Ou o Real Madrid com a Shell
Na temporada 2008/2009, o Real Madrid liderou o "ranking" Football Money League elaborado pela consultora Deloitte, com receitas de 325 milhões de libras (cerca de 379 milhões de euros). Um valor "simpático" mas muito pequeno quando comparado com o da maior empresa cotada na bolsa londrina. A Royal Dutch Shell encerrou 2008 com receitas de 458 mil milhões de dólares (323 mil milhões de euros).

É um bom negócio
Perto de metade dos clubes já passou por processos de insolvência O futebol não é apenas um pequeno negócio. É também um mau negócio. "Qualquer pessoa que passe algum tempo dentro do mundo do futebol rapidamente descobre que, tal como o petróleo faz parte do negócio petrolífero, a estupidez faz parte do negócio futebolístico". "Não admira que entre 1992 e Maio de 2008, mesmo antes do colapso financeiro, 40 dos 92 clubes profissionais de Inglaterra tenham estado envolvidos em processos de insolvência, alguns mais do que uma vez".

É um negócio
Os autores do livro têm dúvidasDepois de concluírem que o futebol não é um grande negócio, nem um bom negócio, Simon Kuper e Stefan Szymanski ficam com dúvidas. Será que o futebol é mesmo um negócio? Os autores olham para o exemplo de Alan Sugar, que em 1991 se tornou presidente do Tottenham. O seu objectivo? Conseguir que o clube vivesse com os meios de que dispunha. Nem pensar em transferências milionárias. "Ele manteve a sua palavra". Mas dez anos mais tarde, os fãs odiavam-no, o clube só tinha conseguido ganhar uma Taça da Liga e passou a maior parte do tempo no meio da tabela. E conseguiu apenas um lucro de 2 milhões de libras por ano nos primeiro seis anos. Gerir uma equipa de futebol com o objectivo de fazer dinheiro é uma causa perdida. Os lucros privam o clube de dinheiro que poderia ser gasto na equipa. "O negócio do futebol é futebol".

É um negócio instável
Os clubes raramente vão à falência Em 1923 a Liga Inglesa de Futebol era formada por 88 clubes. 84 anos mais tarde, na temporada 2007/08, 97% dessas equipas ainda existiam. E a maioria delas (48) permanecia na mesma divisão. O mesmo não se pode dizer das 100 maiores empresas do mundo. Nas últimas oito décadas, quase metade desapareceu. Enquanto outras mudaram de sector ou de localização. "Quase todos os clubes profissionais de Inglaterra sobreviveram à Grande Depressão, à II Guerra Mundial, a recessões, directores corruptos e gestores pavorosos. É uma história de estabilidade extraordinária". "Apesar de serem geridos de forma incompetente, são um dos negócios mais estáveis ao cimo da Terra", concluem Kuper e Szymanski. Transferências milionárias não implicam bons desempenhos. O desempenho de uma equipa depende mais do valor dos salários O jogador português Cristiano Ronaldo foi, este ano, protagonista da mais cara transferência do futebol mundial. Este facto, por si só, não garante, no entanto, que o Real Madrid venha a ter um desempenho superior ao de outras equipas. Kuper e Szymanski analisaram as transferências e os salários pagos aos jogadores de 40 clubes ingleses, entre 1987 e 1997, e concluíram que o valor das transferências não tem muito impacto no desempenho da equipa e no lugar que esta vai ocupar no campeonato. O que faz mesmo a diferença são os salários pagos aos jogadores. Quanto mais elevados forem os salários, mais elevado será o lugar que a equipa vai ocupar na tabela de resultados. "Enquanto o mercado de salários é muito eficiente - quanto melhor for o jogador, mais ganha -, o das transferências é ineficiente. A maior parte das vezes, os clubes compram os jogadores errados." .

Bons jogadores dão bons treinadores
A melhor prova de que é um mito é o sucesso de José Mourinho
E qual o segredo para um jogador falhado ser um bom treinador? "Mais tempo para estudar", esclareceu Mourinho.

Simon Kuper e Stefan Szymanski Simon Kuper é jornalista de desporto no "Financial Times". Stefan Szymanski é economista e dá aulas na Cass Business School, em Londres.