Saturday, May 31, 2008


J M Júdice na sua coluna semanal do Público escrevia ontem que a desigualdade social é inevitável porque o valor do trabalho vai baixar a nível mundial e o valor do capital vai subir. Os muito ricos ficarão mais ricos e os pobres mais pobres. "É por isso que deve ser censurado o artigo de Mário Soares, que foi escrito no exercício legítimo à incoerência e como expressão pletórica da liberdade de expressão (...) E é espantoso que o eleitoralismo tenha levado Manuela Ferreira Leite na mesma direcção."
Mário Soares, por natureza impenitente oposicionista, cavalgou entusiasmado a onda de espanto serôdio desencadeada pelo relatório da União Europeia que atribui a Portugal o maior índice de desigualdade social entre os seus membros. A leitura dos relatórios, segundo consta, nunca entusiasmou Mário Soares, de modo que os seus "avisos de amigo" nem tiveram em conta o período a que se referiam as estatísticas nem traziam apensas quaisquer sugestões para remediar o incómodo. Aliás, Mário Soares, quando que lhe foram dados votos para governar, colocou o socialismo na gaveta não deixando pistas de políticas de igualização social aos seus continuadores. Frei Tomás, que parece não ter primado por aquilo que fez, ficou pelo menos na história por aquilo que disse que devia ser feito. Mário Soares, nem isso.
Não é, contudo, contra a falta de propostas de Mário Soares que se indigna Júdice. A Júdice o que o incomoda é o discurso demagógico, segundo Júdice, de Mário Soares e Manuela Ferreira Leite. Porque, segundo Júdice, existem meios de redução dos níveis de pobreza e da desigualdade social mas são inexequíveis. Os pobres do mundo, e de Portugal em particular, estão, segundo Júdice, condenados a empobrecer e os ricos a enriquecer.
Eis a confortável perspectiva de um rico.
Que não conhece, pelos vistos, o velho aviso de que quando os ricos não tratam dos pobres acabarão os pobres por tratar dos ricos.


A View to the Sunset Credit & Copyright: Stefan Seip (TWAN)
Explanation: Each day on
planet Earth can have a dramatic ending as the Sun sets below the colorful western horizon. Often inspiring, or offering a moment for contemplation, a sunset is perhaps the single most photographed celestial event. Did you recognize this as a picture of one? The image actually is a single exposure of the setting Sun recorded near Wasserberg, Germany on May 11. To create the uncommon sunset view the photographer used a digital camera and a zoom lens (a lens with an adjustable focal length). During the 1/6 second long exposure he smoothly changed the focal length while simultaneously rotating the camera, altering the image scale and orientation. The result transforms an objective depiction of nature into an artistic abstraction.

Friday, May 30, 2008


Já tinha avisado: Se o neto nascesse por estes dias, ela abandonaria a campanha e voaria para Londres. E cumpriu. Cancelou o encerramento da campanha e, logo de manhã, embarcou para ver o neto.
M Ferreira Leite foi empurrada para esta aventura tardia. Mas devia ter assumido plenamente a sua condição de avó acima de qualquer suspeita, e evitar esta situação estranha em candidatos a primeiro-ministro.
Porque, definitivamente, M Ferreira Leite ou já jogou a toalha ao chão ou nunca quis sequer saber da toalha. Pressente-se que verá a sua eventual derrota amanhã com o maior alívio. Mas, se por razões a que se quis alheia, ganhar estas directas, adivinha-se que não tem fôlego nem pachorra para aguentar a incumbência por muito tempo. Se não for antes, depois das legislativas de 2009, que o PSD muito provavelmente não ganhará, os sociais-democratas-liberais-personalistas-i-tutti-quanti estarão de novo em directas e congresso.


Probe of Crude Oil Trading Disclosed
Steven MufsonWashington Post Staff Writer Friday, May 30, 2008;

During continued volatility in oil prices, federal regulators said yesterday that they had been investigating crude oil trading, storage and transportation for the past six months with a focus on possible "futures market manipulation."
Commodity Futures Trading Commission, which normally keeps investigations confidential, said in a statement that it was "taking the extraordinary step of disclosing this investigation because of today's unprecedented market conditions."
Those conditions have sent oil prices to record heights, adding to the U.S. trade deficit, hurting consumers and companies, and weighing heavily on the nation's economy.
Gregory Mocek, director of enforcement at the CFTC, said five senior trial lawyers, "some of the most experienced prosecutors that we have," and other investigators were engaged in the inquiry. "The scope is quite broad," Mocek said, adding that the commission was looking at the "national crude market," including trades on regulated exchanges, cash trades, storage, pipeline operations and shipping.
Yesterday was another chaotic day for crude oil prices, which had soared about 30 percent since the start of the year. This time, however, prices tumbled $4.41, or 3.4 percent, to $126.62 a barrel on the
New York Mercantile Exchange as traders tried to decipher new U.S. inventory numbers. The Energy Information Administration said petroleum stocks fell sharply, which would ordinarily drive prices up, but it blamed the drop on "temporary" delays in oil tanker off-loadings on the Gulf Coast.
Elsewhere, there were scattered signs recently that worldwide demand for petroleum products might be easing.
MasterCard, the second-biggest credit card company, said this week that U.S. gasoline demand dropped 5.5 percent last week. Meanwhile, Indonesia, Taiwan, Sri Lanka and Pakistan have recently indicated that they would trim fuel subsidies and raise prices.
In addition,
Bloomberg News reported that the United Arab Emirates representative to the Organization of the Petroleum Exporting Countries told reporters in Dubai that oil price increases have been "too fast, too high" and were "not good for producers or consumers."
The CFTC said its investigation started in December, before this latest surge in prices but after an earlier surge that took oil prices over $90 a barrel.
Congress has been pressing the CFTC to take tougher action to stop what lawmakers call "speculation" -- which is not illegal -- and possible unlawful manipulation of oil markets. Some lawmakers have suggested that the commission discourage speculation by increasing margin requirements so that traders would have to put up more cash to buy positions on commodity markets.
The CFTC said that in addition to the investigation, it had reached agreements with British and European regulators to share more information about oil markets. It also said it would take steps to increase transparency by getting more information from index traders and other financial players.
It was unclear whether the commission's announcements were a reaction to congressional pressure, but they were praised by many lawmakers.
Rep. Edward J. Markey (D-Mass.) said he was pleased, adding that "the CFTC must vigorously pursue all leads to protect the American people from market manipulation during a time of record prices at the pump."
One of the CFTC commissioners, Bart Chilton, wrote a letter dated May 9 to
Sen. Charles E. Schumer (D-N.Y.) praising the work of Congress in scrutinizing the rapid rise in gasoline prices. "It's not good enough to say, let the markets take care of this, when there is even the possibility that uneconomic forces may be at work," Chilton wrote.
Mocek said yesterday that the CFTC had about 60 price manipulation investigations in progress aside from the one looking at the national crude oil market. Some of those investigations also involve oil and gas firms or traders, he said.


One of the things I find puzzling about the whole oil market discussion is how complicated people seem to make it. They get all wrapped up in stuff about forward markets, hedge funds, etc., and lose sight of the fundamental fact that there are only two things you can do with the world’s oil production: consume it, or store it.
It’s not complicated
If the price is above the level at which the demand from end-users is equal to production, there’s an excess supply — and that supply has to be going into inventories. End of story. If oil isn’t building up in inventories, there can’t be a bubble in the spot price.
Now it’s true that oil supply responds very little to price, and that empirical estimates of the short-run price elasticity of demand, like
this one, suggest that it’s low — say -.06. But even so, the math of a sustained, large bubble quickly becomes daunting. Say the demand elasticity is -.06, and that you believe that the current price is 40% above the level at which end-use demand equals supply. Then you have to believe that 2 million barrels a day is disappearing into secret hoards somewhere — secret, because it’s not showing up in the OECD inventory data. That’s a lot of oil. And bear in mind that people have been claiming that there’s an oil bubble for years.
So my challenge to people who say there’s an oil bubble is this: let’s get physical. Tell me where
you think the excess supply of crude is going.


A posição indisfarçavelmente desconfortável de Pacheco Pereira ontem à noite no "Quadratura do Círculo", a propósito das directas de amanhã, era-lhe infligida em dois pontos duros e agudos:
por um lado a prestação televisiva de M Ferreira Leite, constrangida e desanimada, contrastou pela negativa com a retórica incontida do seu inimigo de estimação, P Santana Lopes, colocando perigosamente em risco a vantagem que as sondagens vinham dando até há pouco tempo a Ferreira Leite; por outro, a dificuldade insuperável, mesmo para um pensador político com o arcaboiço de Pacheco Pereira, esboçar, ainda que a traços grossos, uma área de intervenção política onde possam entender-se as três correntes que ele diz atravessarem o PSD: a social-democracia, o liberalismo e o personalismo. Valha a verdade, a dificuldade na demarcação do terreno não atormenta apenas Pacheco Pereira, porque assalta todos quantos (naturalmente, poucos) no partido se dão ao exercício masoquista de pensar nele.
Para complicar a situação, as directas de amanhã terão muito provavelmente resultados que distribuirão pelos três concorrentes, em partes não sensivelmente desiguais, os noventa e muitos por cento dos votos válidos. Patinha Antão não conseguirá mais que um dois por cento, Manuela e os dois Pedros terão, cada um, uma quota entre 28 e 35%. Estimativa minha não sujeita a imposto.
O PSD será, então, cada vez mais um partido sem uma matriz de ideias agregadoras nem um líder que à força da maioria à sua volta congregue as diferentes facções: não havendo segunda volta entre os dois candidatos mais votados, como chegou a propor P Passos Coelho, o candidato eleito terá na oposição representantes de cerca de dois terços dos militantes do PSD. O que não augura senão a continuação da batalha interna até ao desmoronamento final. Poderá a crise animar o novo líder desanimando dramaticamente a confiança da população portuguesa no actual governo? Nesse caso, tanto pior para todos, incluindo o próximo executivo.

Thursday, May 29, 2008


A Fog Bow Over Ocean Beach Credit & Copyright: Keith C. Langill (
Explanation: What is that white arch over the water? What is being seen is a
fogbow, a reflection of sunlight by water drops similar to a rainbow but without the colors. The fog itself is not confined to an arch -- the fog is mostly transparent but relatively uniform. The fogbow shape is created by those drops with the best angle to divert sunlight to the observer. The fogbow's relative lack of colors are caused by the relatively smaller water drops. The drops active above are so small that the quantum mechanical wavelength of light becomes important and smears out colors that would be created by larger rainbow water drops acting like small prisms reflecting sunlight. The above striking image of a fogbow was taken last week with the Sun behind the photographer. The rocks in the foreground are part of Ocean Beach in California, USA.


Passava pouco das 15 horas quando ligo o rádio, estava Francisco Louçã a acusar na Assembleia da República o primeiro ministro. Apanhei-lhe o discurso quando ele denunciava, naquele tom alto e bom som, de proprietário da verdade, que o presidente da UGT andava a tomar lições de bom comportamento em aulas conjuntas com os discípulos do PS; e que Sócrates tinha mentido aos portugueses quando anunciou o congelamento dos passes sociais e, afinal, só o pessoal que vive em Lisboa e Porto, e à volta, pode contar com a prenda. Como é costume, Sócrates respondeu-lhe no mesmo tom, assanhado e agressivo: o chefe da UGT não é pessoa para se deixar enrolar, os passes sociais fora de Lisboa e Porto são com os municípios. A discussão foi tesa e os insultos mal disfarçados. E percebe-se bem porquê: Louçã, se o deixam solto, põe meia praça do lado dele. Como não tem, nem é esperável que venha a ter, responsabilidades de governo, corre-lhe o tempo de feição em tempos de crise. Nesta saga, falar alto é argumento. Se este homem, um dia, por estranha conjugação astral, tivesse responsabilidades governativas decisivas quanto ao rumo da economia e da sociedade, onde iríamos parar? Pergunta ao Jerónimo, respondeu há dias um destacado membro do PC, agora na reforma.
Gama, depois da troca azeda de mimos entre bloquistas e socialistas, deu a palavra a Santana e este o flanco a Sócrates: Como o tema da pobreza está na ordem do dia, de repente juntou-se o coro a cantar a ladaínha dos pobrezinhos, Santana achou por bem mostrar que não se põe de fora, aliás sempre lá esteve, disse ele, a Manuela Ferreira Leite é que anda para aí a dizer que é ela a solista, mas não é. Mas como Santana não lê os relatórios e costuma cantar de ouvido, Sócrates aproveitou para lhe baralhar o improviso: Afinal de contas, os números que recentemente vieram alvoroçar tanta consciência em hibernação reportavam-se a 2004, ano em que Santana foi, por acaso, chefe do governo. Desde então, provavelmente, a situação não melhorou muito mas só por oportunismo desenfreado se pode atribuir a um governo uma desgraça que vem de longe. Soares deu o mote, ele que também é alérgico a números e a relatórios, e Santana pôs-se a trautear o tiroliro. Saiu-lhe o tiro pela culatra. E se este homem ganha as directas e, por ironia da crise, ganha as legislativas de 2009?

Wednesday, May 28, 2008


O artigo de Martin Wolf e o seu suscitam muitas perspectivas de reflexão. Contenho-me em duas, de forma tão sucinta quanto possível:

- A perda de competitividade das exportações portuguesas causada pela valorização do euro;

- O euro é indispensável à União Europeia?

Quanto ao primeiro ponto, tem sido defendido por alguns (talvez muitos) que o euro é o grande responsável pela perda de competitividade das produções tradicionais portuguesas, nomeadamente as confecções e os têxteis.

Não pode negar-se que, até certo ponto, assim é. Mas é por demais evidente que seria preciso admitir uma desvalorização forte da nossa moeda de facturação para poder ajustar-se competitivamente do lado monetário à concorrência das economias chinesa e indiana, por exemplo.

E daqui passo ao segundo ponto.

Martin Wolf refere a Suécia, a Dinamarca, o Reino Unido que, aparentemente foram bem sucedidas por se manterem fora do sistema.
Ora, todos sabemos que as moedas desses países têm gravitado à volta do valor do euro. Nem poderia ser de outro modo. Uma desvalorização "competitiva" seria uma derrogação da eliminação das fronteiras alfandegárias entre os países membros.

Aliás, Martin Wolf poderia, mas não o fez, referir a Finlândia, um caso de sucesso dentro do euro.

Acredito muito convictamente que Portugal tem muito a ganhar com a sua condição de membro da UE e o facto de estar no euro obriga-nos
a um exercício exigente de adaptação que será muito demorado. Entretanto, como qualquer corpo desabituado de competição a alto nível, temos as nossas cãibras colectivas.

Não creio, portanto, que tenhamos alternativa senão realizar os ajustamentos necessários ao cumprimento das regras que nos garantem a permanência no sistema.

Ou melhor: alternativa temos, mas não é lá grande coisa. Tal e qual a vida para além do défic

"A full decade after Europe's leaders took the decision to launch the euro, we have good reason to be proud of our single currency. The Economic and Monetary Union and the euro are a major success." Self-congratulation is in order at birthday parties. So nobody should be surprised at the effusive remarks in the foreword by Joaquín Almunia, commissioner for economic and monetary affairs, to an excellent study of "Emu@10" (sic).*
How could anybody dare to question the achievements of the single currency? It is considered a credible rival to the US dollar. Jeffrey Frankel of Harvard even predicted in March that the "euro could replace the dollar within 10 years".** This is a far cry from the scepticism, particularly in English-speaking circles, that greeted both its launch and the subsequent period of declining value against the US dollar. This is a credible currency.
The successes are indeed obvious: the European Central Bank has established itself as a credible central bank and plausible rival to the Federal Reserve; annual inflation in the eurozone's member countries averaged 2.2 per cent a year between 1999 and early 2008, against 3.3 per cent between 1989 and 1998; the fiscal deficit fell to 0.6 per cent of gross domestic product last year, compared with an average of 4 per cent in the 1980s and 1990s; nominal and real interest rates have both been lower than for several decades; intra-area trade flows now account for a third of the eurozone's GDP, up from a quarter 10 years ago; and financial integration has proceeded apace, with the 16 largest banking groups holding more than 25 per cent of their assets outside their home countries.
It is little wonder, then, that the euro has recovered so strongly against the dollar and that in real terms a (synthetic) euro is at its highest since 1970, according to JPMorgan. It is little wonder that the euro's share of disclosed foreign currency reserves rose from 18 per cent in 1999 to more than 25 per cent in 2007. It is little wonder, too, that the membership of the eurozone has risen to 15 from the initial 11, with more in the wings.
Yet all is not rosy. According to the Commission, real GDP per head grew at only 1.6 per cent a year between 1999 and 2008, down from 1.9 per cent between 1989 and 1998 and well below the 2.2 per cent in Denmark, Sweden and the UK, the three established members of the European Union to remain outside.
Labour productivity grew at only 0.8 per cent a year, down from 1.6 per cent between 1989 and 1998 and well below the 1.6 per cent in the US between 1999 and 2008. The unemployment rate fell, but is still far above levels in the other three member states and the US.
The conclusion, then, is that the eurozone is a triumph as a monetary union. Yet it is much less so as an economic union
. At the very least, its creation has not caused the acceleration in dynamism that proponents hoped for. If anything, structural reforms have slowed.
Moreover, as the euro soars, the pressures of adjustment to internal divergence are likely to grow to enormous levels. The report is honest about these challenges. Between 1999 and 2007, huge divergences in inflation, relative unit labour costs and current account positions emerged (see charts). These tendencies were exacerbated by the divergence in real interest rates, with the lowest rates in the countries with the highest inflation and - perversely, but inevitably - the strongest economies.
The stories here are two: the divergence in relative unit labour costs between Germany, on the one hand, and Ireland, Portugal, Greece, Spain and Italy, on the other; and the scale of the credit-fuelled property booms in Spain and Ireland. Spain is the most important example: it has had an enormous property boom, with residential investment reaching 13 per cent of GDP, and huge current account deficits, which peaked at 10 per cent of GDP. Yet Italy, which has suffered from chronically weak growth, instead, also has significant competitiveness problems.
How might these adjustments play out? The answer partly depends on what happens in the eurozone as a whole. The probabilities are that growth will slow sharply in the short term, under the pressures of a high exchange rate, the transfers of income abroad generated by high commodity prices and the ECB's efforts to keep inflation under control.
Meanwhile, the peripheral countries will confront closely related structural and cyclical challenges. The cyclical one, particularly relevant to Spain, is to find new sources of demand, now that the credit boom has run its course; the structural one is to recover lost competitiveness. The two objectives tend to merge in the case of members of a currency union, since these have no monetary policy of their own and limited room for fiscal manoeuvre. So durable recovery will also need big improvements in external competitiveness.
When the euro itself is so strong, this is going to be hard to achieve. Assume, for argument's sake, that trend productivity growth in the production of tradable goods and services is the same in Spain or Italy as in Germany. Then any improvements in competitiveness demand lower wage increases. A 10 per cent improvement in relative unit labour costs would demand a 10 per cent decline in relative wages. If that were to happen over, say, five years, nominal wage increases would probably have to be in the 0-1 per cent range. Little short of a recession is likely to generate that result.
The optimist would argue that the periphery has only to do what Germany itself did in the early years of Emu. The pessimist would note that Germany's growth averaged only 0.6 per cent between 2001 and 2005 (inclusive). The pessimist might add that Germany's self-discipline is legendary and the underlying strength of its manufacturing sector second to none. The pessimist might conclude by noting the behaviour of Europe's national politicians. Many seem to have believed, or at least hoped, that Emu entry was the end of a tough process, rather than the beginning of one. This is not to argue that the adjustment ahead is impossible, but to stress the scale of the challenge.
Emu has been managed as successfully as such a union could be. For this those involved deserve plaudits. If this success were to continue in the decades ahead, the euro would surely become an ever more important global currency. But the success of the eurozone is not a technical matter. It will demand very tough choices. It will only be assured if overall performance improves and internal adjustment works smoothly. So can we conclude that Emu is a triumph? It is still too soon to tell.




Os empresários Joe Berardo e Horácio Roque foram apanhados na "Operação Furacão". As empresas controladas pelos dois empresários foram ontem visitadas por equipas de investigação lideradas pelo Procurador da República, o magistrado Rosário Teixeira.
Segundo soube o Jornal de Negócios Online, as sociedades geridas por Berardo e Horácio Roque estão indiciadas na prática do crime de fraude fiscal, por utilização de facturação falsa, e branqueamento de capitais, com recurso a sociedades ‘off-shores’.
As visitas das equipas de investigadores foram confirmadas ao Jornal de Negócios Online por Joe Berardo. Recorde-se que o empresário foi ontem eleito para presidente do conselho de remunerações do Banco Comercial Português durante a assembleia-geral do banco realizada na Exponor, Matosinhos.


Às vezes vamos sem saber para onde íamos. Mas valeu a pena.


Dark Clouds of the Carina Nebula Credit: NASA, ESA, N. Smith (U. California, Berkeley) et al., and The Hubble Heritage Team (STScI/AURA)
Explanation: What dark forms lurk in the mists of the Carina Nebula? These ominous figures are actually
molecular clouds, knots of molecular gas and dust so thick they have become opaque. In comparison, however, these clouds are typically much less dense than Earth's atmosphere. Pictured above is part of the most detailed image of the Carina Nebula ever taken, a part where dark molecular clouds are particularly prominent. The entire Carina Nebula spans over 300 light years and lies about 7,500 light-years away in the constellation of Carina. NGC 3372, known as the Great Nebula in Carina, is home to massive stars and changing nebula. Eta Carinae, the most energetic star in the nebula, was one of the brightest stars in the sky in the 1830s, but then faded dramatically. Wide-field annotated and zoomable versions of the larger image composite are also available.
digg_url = ''; digg_skin = 'compact';


O crescimento do preço dos combustíveis era inevitável e é irreversível. Eventualmente subirá, a curto prazo, para valores próximos dos 200 dólares, eventualmente cairá depois, a médio prazo, para valores à volta dos 100 dólares. O factor especulativo que se tem exarcerbado dos outros factores (debilidade do dólar, aumentos da procura no sudoeste asiático não compensados pelas reduções nos países desenvolvidos, insuficiência de capacidade de refinação, perturbações naturais e perturbações técnicas, entre outros) é, por definição, inconstante e os seus efeitos flutuantes. Mas o mundo não pode mais contar com combustíveis fósseis baratos, e não pode, portanto, deixar de adaptar-se às novas circunstâncias.
Por maioria de razão, os portugueses, que residem num país com grande dependência de combustíveis fósseis, não têm alternativa senão ajustar os seus hábitos individuais, reduzindo consumos, procurando alternativas, tirando maior produtividade dos consumos energéticos. A pior solução que o governo poderia adoptar seria incentivar o adiamento, através da redução da carga fiscal sobre os combustíveis, da adopção daqueles comportamentos e medidas.
Aos aumentos decorrentes da maior procura nas grandes economias emergentes só podem corresponder poupanças nos consumos nos países desenvolvidos. Redução que pode ser feita, o passado confirma-o, sem prejuízo do crescimento económico a médio prazo. As reservas de combustíveis fósseis são finitas e os consumos estão a crescer exponencialmente. Em algum momento futuro terminará a economia (que será de curta duração em termos históricos)sustentada pelo petróleo. Terão mais facilidade de ultrapassar a mudança aqueles que iniciarem a ultrapassagem mais cedo.
Ouço na rádio esta manhã que o ministro da agricultura vai receber armadores e pescadores que reclamam gasóleo, que para eles já tem preços muito mais baixos, a preços que lhes possam garantir a sobrevivência. A mesma notícia dava conta de iguais movimentações em Espanha e França. Sarkozy visitava ontem mercados abastecedores com Carla Bruni de madrugada e anunciava que vai propor a isenção (ou redução) de IVA sobre os combustíveis na União Europeia. Manual Pinho enviou carta ao comissário europeu com responsabilidades na matéria solicitando que o assunto seja apreciado nas instâncias competentes da UE.
Todas as discussões são úteis se forem disinibidas de dogmas. No caso do aumento dos preços de petróleo a questão que, fundamentalmente se coloca, é esta: Quem deve pagar o aumento do preço do gasóleo utilizado na pesca? Os que gostam de peixe ou os que preferem hamburgers?
Sei que sobra uma questão diferente: Nem todo o aumento decorre da tensão entre a oferta e procura. Especuladores, petrolíferas e produtores de petróleo ganham com os aumentos dos preços. Mas os carteis e especuladores ganham sobretudo se lhes facilitam a vida. A contenção dos preços através da redução da carga fiscal manteria a procura a níveis que continuariam a animar os ganhos especulativos. Só há mesmo uma forma de escapar à tenaz: estreitar o objecto.

Manuel Pinho enviou hoje uma carta ao presidente em exercício do Conselho da Competitividade, o comissário Andrej Vizjack, e ao vice-presidente da Comissão Europeia, Gunther Verheugen, a pedir que o tema seja debatido nos conselhos de Competitividade e Energia com "a máxima urgência". O objectivo é identificar "as medidas a curto e a médio prazo que possam minimizar o efeito negativo da escalada do preço do petróleo", refere o comunicado. O ministro considera que a subida do preço do petróleo está "a ter um efeito negativo sobre a economia europeia a vários níveis com impactos preocupantes no crescimento económico, no poder de compra das famílias e na competitividade das empresas, em particular sobre as PME". Manuel Pinho considera "muito importante" que esta situação seja debatida a nível europeu, afirmando que no médio prazo se tem vindo a trabalhar no aumento da eficiência energética, na modernização do sistema de transportes e na maior utilização de energias renováveis.


Oil prices continued to dominate the headlines in the past week and spiked above $135 a barrel intra-day on Thursday.
This is about twice the price of May of last year (about $67 per barrel). The oil price juggernaut continues to roll upward to real and nominal all-time highs, pushing forecasts for the average 2008 oil price higher and higher. Observers point to several factors responsible for the price surge this year - speculation, fundamentals, low interest rates, dollar weakness, subsidies, hoarding, and hedging against inflation and financial crisis.
With limited surplus capacity and little investment in real terms, supply pressures may persist putting an upward pressure on today’s prices. The IEA, which usually tracks demand, not supply, announced that it may scale down long-term supply forecasts, suggesting that both OPEC and non-OPEC supply may increase at a slower pace than previously thought. Furthermore, much of OPEC’s surplus capacity is in heavier grades of oil, which sells at a discount. RGE’s Mikka Pineda and Rachel Ziemba recently surveyed the “Drivers of the Oil boom”
There may be signs that high oil and product prices are having an effect though, at least in industrialized countries, which still account for the bulk of demand. U.S. imports of crude oil have been falling for several weeks and gasoline purchases are being watched closely for any decreases. Yet the recent output increase from Saudi Arabia is all bound for U.S. customers. See “Will U.S. Oil Imports Keep Falling?” and “Saudi Arabia as the Central Bank of Oil: How Significant Are New Supplies?”Yet, so far slowing demand from OECD countries has been offset by persistent demand growth from emerging markets, especially fast-growing Asian and oil exporting economies. Many of these countries subsidize fuel prices, meaning that consumers are mostly sheltered from the price shock even if producers and government budgets are not. On the RGE Analysts EconoMonitor, Rachel Ziemba suggested that the persistence of price caps may inject uncertainty into the market and lower incentives to seek out alternative supplies for domestic markets. Yet, a limited price increase, such as the one that Indonesia just introduced, might result in the double whammy of rising prices while still swelling fiscal budgets. See “Subsidies Fuel Rapid Oil Consumption Growth in Oil Exporting Countries” and “Are Oil Subsidies Getting Too Costly For Asia?” The lag between inflation and slower growth has been longer than expected and has revived fears of stagflation. Forecasters envision the oil juggernaut will lose momentum later this year on a global demand slowdown predicated upon the economic fallout of the credit crisis and/or the self-limiting effects of high inflation. Indeed, the oil futures curve has moved into contango, which tends to drive oil inventories higher and spot prices lower. Perhaps a sign of higher gasoline prices crimping demand, Americans are driving less than last year. On the other hand, the Baltic Dry Shipping Index and Dow Jones Transportation Average hit all-time highs last week, suggesting resilient global demand will not slow enough to dampen oil prices significantly this year. Historically, it took 4 years for U.S. consumption to decline after the 1979 oil shock - see “Oil and Inflation: A Negative or Positive Correlation?”
Meanwhile, persistent high oil prices have intensified unease over inflation. Risky assets enjoyed a breath of optimism since the March 17 Bear Stearns rescue, but the 'worst is over' optimism about the economy is now fading - this time due to higher inflation rather than slowing growth. Weakening U.S. consumer demand undercuts the ability of producers to pass on cost increases to consumers, but inflationary pressures are building throughout the production chain; thus, some mild pass-through to core consumer inflation may be inevitable. However, thanks to seasonal adjustments, the large share of falling housing prices and the exclusion of food and energy prices from core inflation indices, the official U.S. inflation figures look benign compared to what consumers actually experience in the U.S. and the rest of the world. EU and emerging markets suffer higher inflation figures due to the inclusion of processed foods and the higher share of food and energy in core consumer baskets. Diesel, the fuel of choice outside the U.S., fetches higher prices than gasoline. These countries are also more susceptible to wage hikes than the U.S. due to stronger labor unions and policies. Fortunately, EU inflation looks likely to have peaked and will moderate (albeit only slightly) this year on base effects. Emerging markets, on the other hand, face an uphill battle with inflation as diesel, the fuel of choice for industrial and some consumer applications, fetches higher prices than gasoline with the oil-diesel crack spread at all-time highs.
Granted, inflation today in developed countries is far from the double-digit Great Inflation of the 1970s - second round effects have yet to appear globally (with exceptions such as Germany and the Middle Eastern Gulf). Nonetheless, though the lack of second round effects may keep current inflation trends as temporary, it makes them painful because wages fail to keep up with higher consumer prices. Moreover, trade barriers and hoarding threaten to turn a demand-side shock into a supply-side shock to food and fuel prices, sustaining higher inflation for longer. Regardless of the source of shock and the dissipation of the food price shock, a continued rise in oil prices - despite slowing economic growth - can render the feeling of stagflation among consumers, if not in official statistics. Perceived inflation, corroborated by statistics or not, can feed into inflation expectations that drive prices higher (including oil futures prices) and, eventually, consumer demand lower. Furthermore, developed countries are not immune to inflation in developing countries if developing countries pass on cost increases through export prices and maintain a high level of oil demand growth.

Tuesday, May 27, 2008


EMU, inequality, and finance
Giuseppe Bertola

Feelings of economic insecurity play an important role in slowing down the European integration process. In the early 2000s, Europeans were certainly troubled by the worldwide cyclical downswing, by competition from newly industrializing trading partners, by slow adoption of new technologies. But public opinion and voters in European Constitution referenda have found it easiest to blame them on the most novel and most apparently avoidable aspect of recent experience: “the euro” and, more generally, deeper and wider economic integration in the European Union (EU).
It is standard to claim that international economic integration, especially across similar countries, improves efficiency, and need not have any impact on inequality and risk. Adopting a single money (and delegating monetary policy to a non-political independent Central Bank) fosters stability, investment, growth – with no necessary impact on inequality. All this is true. But if this was all, it would be hard to explain why all countries have not yet dismantled all barriers to trade and factor mobility, and have not yet adopted one and only one planetary currency.
In fact, extending the reach of markets across countries’ borders offers new freedoms not only to exploit trade opportunities, but also to escape each country’s regulation and taxation. Thus, integration makes it more difficult for each country to implement policies meant to interfere with market outcomes. This may be a good thing if policy is shaped by rent-seeking political interactions: then, economic integration improves efficiency not only directly, but also by fostering policy reform. Again, theory predicts positive production effects of economic integration.
But many government policies do not simply waste and redistribute output. In every country, social policy offers insurance against job-market and other life-shaping risks that markets are poorly equipped to deal with. Fears of a race to the bottom in social insurance, just at the same time as economic integration introduces new sources of risk in each country’s labour market, are an important obstacle to full liberalization of international markets. If integration kills social policy, and financial markets remain imperfect and incomplete, increasing inequality and insecurity may well more than offset aggregate efficiency gains.

What do the data say about the inequality and social policy impact of EMU? The figure illustrates the evolution within-country inequality for each of the EU15 countries, for the EU15 aggregate, and for the Eurozone 12 aggregate. The points plotted are ratios to country-specific period averages of yearly quintile ratios, published by Eurostat and defined as the share of disposable income adjusted for household size accruing to the richest 20% of the population, divided by that accruing to the poorest 20%; observations larger than unity indicate that, in the year considered, inequality was higher than its 1995-2005 average for the country or aggregate considered (the average inequality levels are very heterogeneous across countries, which is very interesting but need not concern us here).
These statistics, like all statistics, are unavoidably imprecise measures of very complex phenomena. But it is interesting to see that just as the Eurozone countries began to enjoy full and irreversible economic integration, inequality increased very sharply in the EU15 and more sharply in the 12 Eurozone countries, and that a similar U-shaped path is followed by many individual countries. A large variety of factors is relevant to these and other developments. But it is possible to use simple statistical techniques to try and detect in noisy data the relationship (if any) of measured inequality to arguably more precisely measured economic variables, such as income and unemployment, and to EMU.
If EU15 countries are sufficiently similar and similarly influenced by other events, it is possible to attribute to EMU what appears difference across “ins” and “outs” before and after EMU, and assess the statistical significance of such “differences in differences”. Detailed results may be found in a
paper I wrote. EMU does appear to improve economic performance (both in terms of per capita income and in terms of unemployment) and the intensity of international transactions (especially as regards foreign direct investment flows). But it also appears to be associated with higher inequality, and with lower social spending. In fact, inequality variation associated with EMU is fully accounted for by changes in social policy expenditure (excluding pensions) as a share of GDP, and in GDP and unemployment (both of which are of course likely to be influenced by integration as policies, as well as by global cyclical and technological development).
This evidence is intriguingly consistent with theoretical mechanisms. What is ambiguous in theory (the inequality impact of integration per se, controlling for policy factors) is statistically indistinguishable from zero in the data. And what is unambiguously predicted by theory is confirmed by the data: integration of markets should improve efficiency both directly and by making it more difficult for policy to interfere with markets, and in the data it does increase GDP, decrease unemployment – and increase inequality. In data, economic integration’s inequality effects are mediated by (comparatively, in comparison to pre-EMU and non-EMU) less generous social policy, and some of the apparent increase in country output may reflect smaller inefficiency losses from redistribution’s effects on effort incentives.
Whether such developments should be viewed as good news depends on the side of redistribution budgets one finds himself on, and on whether one views redistribution as a suitable or a misguided tool for pursuing goals that markets should in principle but might in practice fail to achieve. Financial market development can indeed fulfil some of the needs addressed by social policy in theory, and
another recent paper I wrote documents its negative association with lower social spending in cross-country data. When governments cannot smooth income shocks, demand for insurance and savings certainly increases.
But can the supply side of many Eurozone countries’ sclerotic and uncompetitive banking and finance sectors accommodate this demand and reduce the welfare impact of economic insecurity? In the data, indicators such as the ratio to GDP of bonds, credit, and stock market valuation do not appear to be any higher in EMU countries, after adoption of the euro, than in the comparison group. This is worrisome, may justify many European citizens’ distrust of ‘the euro’, and should induce Eurozone governments to build the supervisory and antitrust infrastructures needed for markets to supply transparent, inexpensive, and efficient financial instruments.


O artigo que Mário Soares assina hoje no Diário de Notícias - Pobreza e Desigualdades é o exemplar mais acabado da conversa redonda com que se entretêm os que não têm que decidir. Partindo de realidades que ninguém, honestamente contesta, Mário Soares embrulha-se depois em conclusões contraditórias e remata com o "aviso de amigo": mudem de rumo ou podem perder as eleições. Propostas de acções concretas, não faz nenhuma.
Ontem, nos Açores, Manuel Alegre entendeu avisar também os seus camaradas socialistas: não é com estatísticas que se resolvem os problemas do mundo, a política necessita também de poesia. E para dar o seu contributo consonante com o aviso publicou mais um livro de poemas.
Também ontem, no Prós e Contras, tendo por tema - Como sair disto? - Medina Carreira voltou a querer demonstrar com dois gráficos que vivemos no pior dos mundos e, pior ainda, pior que nunca. Quando perguntado por onde via saída disse que imporia um imposto adicional sobre os rendimentos que excedessem duas ou três vezes os do Presidente da República. Criticou (e com razão) a ineficiência do sistema judicial mas não sugeriu uma medida curativa de um dos factores mais repulsivos do investimento em Portugal; Sérgio Ribeiro levou consigo uma edição recente das obras de Lenine atadas com fita de presente de Natal. Invocou Marx e Engels, o mundo capitalista está a ir para onde eles previram que iria; Nogueira Leite disse que o governo deveria pagar a quem deve, são cerca de três mil milhões de euros, não custa nada pagar, o défice não buliria sequer com isso. E é burrice, segundo este Leite, manterem-se os preços dos combustíveis acima dos facturados em Espanha; Teodora Cardoso explicou porque estamos atrasados e porque dificilmente poderia ser de outra forma. Saída? Não há outra senão esperar que a crise passe; Basílio Horta, que fez questão de sublinhar que continua a ser do CDS, fez também questão de defender o governo e arreliar Medina Carreira com um discurso oposto ao deste conhecido pessimista militante. Quando o programa acabou, já passava da uma da manhã, (apesar de comprido foi dos menos extensos da série) a saída estava por descobrir.
Façamos, portanto, como recomenda Teodora Cardoso, e já recomendava o macaco sábio da anedota: Quando me assalta a vontade de trabalhar, encosto-me a um canto e deixo que a vontade passe. É uma proposta. E uma proposta é melhor que nenhuma.
Não posso dizer que tenha ficado surpreendido com o Relatório da União Europeia (Eurostat) e o trabalho, coordenado pelo Prof. Alfredo Bruto da Costa, do Centro de Estudos para a Intervenção Social (CESIS), intitulado "Um olhar para a pobreza em Portugal", divulgados há dias, que coincidem em alertar para o facto de a "pobreza e as desigualdades sociais se estarem a agravar em Portugal". Surpreendido não fiquei. Mas chocado e entristecido, isso sim, por Portugal aparecer na cauda dos 25 países europeus - a Roménia e a Bulgária ainda não fazem parte da lista - nos índices dos diferentes países, quanto à pobreza e às desigualdades sociais e, sobretudo, quanto à insuficiência das políticas em curso para as combater. Recentemente, cerca de 20 mil cidadãos portugueses, impulsionados pela Comissão Justiça e Paz, dirigiram à Assembleia da República um apelo aos legisladores para aprovarem uma Lei que considere a pobreza uma violação dos Direitos Humanos. Foi uma manifestação de consciência cívica e de justa preocupação moral - que partilho - quanto à pobreza crescente na sociedade portuguesa. E acrescento: a revolta quanto às escandalosas desigualdades sociais, que igualmente crescem, fazendo de Portugal, trinta e quatro anos depois da generosa Revolução dos Cravos, o país da União Europeia socialmente mais desigual e injusto, ombreando, à sua escala, naturalmente, com a América de Bush... Ora, a pobreza e a riqueza (ostensiva e muitas vezes inexplicável) são o verso e o reverso da mesma moeda e o espelho de uma sociedade a caminho de graves convulsões. Atenção, portanto. Eu sei que o mal-estar social e as dificuldades relativas ao custo de vida que, hoje, gravemente afectam os pobres, mas também a classe média - e se tornaram, subitamente, muito visíveis, por força da comunicação social - vêm de fora e têm, evidentemente, causas externas. Entre outras: o aumento do preço do petróleo, que acaba de atingir 135 dólares o barril; a queda do dólar, moeda, até agora de referência; o subprime ou crédito malparado, em especial concedido à habitação (a bolha imobiliária); a falência inesperada de grandes bancos internacionais e as escandalosas remunerações que se atribuem os gestores e administradores; o aumento insólito do preço dos géneros alimentares de primeira necessidade (cereais, arroz, carne, peixe, frutas, legumes, leite, ovos, etc.); a desordem geostratégica internacional (com as guerras do Afeganistão, do Iraque e do Líbano, a instabilidade do Paquistão, o eterno conflito israelo-palestiniano e as guerras em África); o desequilíbrio ambiental que, a não ser de imediato corrigido, põe o Planeta em grande risco; a agressiva concorrência dos países emergentes, que antes não contavam; etc...Tudo isto configura uma situação de crise profundíssima a que a globalização neoliberal conduziu o Mundo, como tantas vezes disse e escrevi. Uma crise financeira, em primeiro lugar, na América, que está a alargar-se à União Europeia, podendo vir a transformar-se, suponho, numa crise global deste "capitalismo do desastre", pior do que a de 1929. Uma crise também de civilização que está a obrigar-nos a mudar de paradigma, tendo em conta os países emergentes, e os seus problemas internos específicos, uma vez que o Ocidente está a deixar de ser o centro do mundo. Não alimentemos ilusões. Claro que com o mal dos outros - como é costume dizer--se - podemos nós bem. É uma velha frase que hoje deixou, em muitos casos, de fazer sentido. Vivemos num só Mundo em que tudo se repercute e interage sobre tudo. No entanto, no nosso canto europeu, deveremos fazer tudo o que pudermos, numa estratégia concertada e eficaz, para combater a pobreza - há muito a fazer, se houver vontade política para tanto - e também para reduzir drasticamente as desigualdades sociais. Até porque, como têm estado a demonstrar os países nórdicos - a Suécia, a Dinamarca, a Finlândia - as políticas sociais sérias estimulam o crescimento, contribuem para aumentar a produção e favorecem novos investimentos. Este é o objectivo geostratégico para o qual deveremos caminhar, se quisermos evitar convulsões e conflitos. Depois de duas décadas de neoliberalismo, puro e duro - tão do agrado de tantos que se dizem socialistas, como desgraçadamente Blair - uma boa parte da Esquerda dita moderada e europeia parece não ter ainda compreendido que o neoliberalismo está esgotado e prestes a ser enterrado, na própria América, após as próximas eleições presidenciais. A globalização tem de ser, aliás, seriamente regulada, bem como o mercado, que deve passar a respeitar regras éticas, sociais e ambientais. Em Portugal, permito-me sugerir ao PS - e aos seus responsáveis - que têm de fazer uma reflexão profunda sobre as questões que hoje nos afligem mais: a pobreza; as desigualdades sociais; o descontentamento das classes médias; e as questões prioritárias, com elas relacionadas, como: a saúde, a educação, o desemprego, a previdência social, o trabalho. Essas são questões verdadeiramente prioritárias, sobre as quais importa actuar com políticas eficazes, urgentes e bem compreensíveis para as populações. Ainda durante este ano crítico de 2008 e no seguinte, se não quiserem pôr em causa tudo o que fizeram, e bem, indiscutivelmente, para reduzir o deficit das contas públicas e tentar modernizar a sociedade. Urge, igualmente, fortalecer o Estado, para os tempos que aí vêm, e não entregar a riqueza aos privados. Não serão, seguramente, eles que irão lutar, seriamente, contra a pobreza e reduzir drasticamente as desigualdades. Já uma vez, nestes últimos anos, escrevi e agora repito: "Quem vos avisa vosso amigo é." Há que avançar rapidamente - e com acerto - na resolução destas questões essenciais, que tanto afectam a maioria dos portugueses. Se o não fizerem, o PCP e o Bloco de Esquerda - e os seus lideres - continuarão a subir nas sondagens. Inevitavelmente. É o voto de protesto, que tanta falta fará ao PS em tempo de eleições. E mais sintomático ainda: no debate televisivo da SIC que fizeram os quatro candidatos a Presidentes do PPD/PSD, pelo menos dois deles só falaram nas desigualdades sociais e na pobreza, que importa combater eficazmente. Poderá isso relevar - dirão alguns - da pura demagogia. Mas é significativo. Do que sentem os portugueses. Não lhes parece?...

Monday, May 26, 2008


M Ferreira Leite pode não ganhar as directas do próximo Sábado mas a sua declaração de oposição à redução do imposto sobre combustíveis, ainda que em consonância com a posição do governo, poderá, se ela vencer as directas, mostrar-se como o trunfo mais bem jogado nesta fase da luta política que promete acirrar-se a partir de agora com a acentuação dos sinais de crise.
A posição da social democrata M Ferreira Leite quanto à não redução do imposto sobre combustíveis é, paradoxalmente, mais liberal do que a defendida pelo liberal P Passos Coelho porque remete para o mercado o ajustamento económico às subidas dos preços dos combustíveis.
Sempre que as leis do mercado são ultrapassadas por políticas de subsidiação ou discriminação, positiva ou negativa, os efeitos perversos não deixarão de comparecer mais tarde ou mais cedo. É, portanto, uma posição que confia que o mercado incentivará os portugueses à procura de soluções alternativas e à forte redução de consumos improdutivos, de desperdícios de energia.
Mas é também uma posição que encosta o primeiro-ministro a uma situação incómoda, da qual dificilmente poderá sair sem rombos significativos: O aumento dos preços dos combustíveis não tem fim à vista, as manifestações contra a posição irredutível do governo (se a mantiver) convocarão quase todos os portugueses que se recusarão a entender a bondade das intenções do executivo. Tendo-se aprisionado num compromisso difícil, o governo vê agora esse compromisso amarrado pela declaração de M Ferreira Leite, que não será chamada a responder pela política governamental que, neste caso, agora apoia.
Se o primeiro-ministro resiste, e até quando resiste?, à pressão que a continuada subida dos preços irá impor, as suas perspectivas de renovar a maioria em 2009 esboroar-se-ão à medida que o tempo de tensão durar; se concede, poderá renovar em 2009 mas fica devedor da factura dos efeitos perversos que essa concessão a seu tempo apresentar. M Ferreira Leite terá, então, um bom trunfo para na oposição enfrentar o governo. Um trunfo que, contudo, poderá ser insuficiente para ganhar o jogo.

O primeiro-ministro, José Sócrates, garantiu hoje que o Governo não cederá "à tentação de facilitismo" que levou ao congelamento do preço dos combustíveis no passado."Esse não é o caminho correcto", frisou José Sócrates, no final do Encontro Compromisso com a Inovação, que decorreu hoje em Lisboa. "Este não é o momento para ceder nem à demagogia nem à facilidade. Um Governo responsável não o pode fazer, deve sim ajudar quem mais precisa e foi o que fizemos", sublinhou o primeiro-ministro. Remetendo para as medidas anunciadas quarta-feira na Assembleia da República [aumento em 25 por cento do abono de família nos primeiro e segundo escalões e o congelamento dos passes sociais], Sócrates frisou, numa pequena declaração aos jornalistas, que o Governo está a tomar as "medidas correctas" face à escalada do preço dos combustíveis. "O efeito do congelamento dos preços dos combustíveis foi muito negativo quer nas contas públicas quer nos sinais erróneos que se deram aos agentes económicos", concluiu.
Manuela Ferreira Leite opõe-se à descida dos impostos sobre os combustíveis
A candidata à liderança do PSD Manuela Ferreira Leite está contra a descida dos impostos sobre os combustíveis e considera que é imprescindível pensar em formas de racionalizar a utilização de energias, ao invés de esperar que um novo contexto governativo permita baixar os preços.“A redução do imposto sobre as petrolíferas é algo que parece muito fácil, mas para que o Estado o consiga tem duas hipóteses – ou vai criar outro imposto ou vai reduzir uma despesa, que não se está a ver qual é”, referiu, quando questionada por um militante do PSD sobre os sucessivos aumentos dos preços dos combustíveis, durante um encontro com militantes de Cascais, Sintra e Mafra, que decorreu durante cerca de duas horas em Carcavelos. Segundo a ex-ministra, é imprescindível pensar em formas de racionalizar a utilização de energias, ao invés de esperar que um novo contexto governativo permita baixar os preços. A candidata à liderança do principal partido da oposição destacou ainda necessidade de agir sobre o fenómeno de surgimento dos “novos pobres”, associado ao desemprego nas faixas etárias dos 40 e 50 anos. Para Manuela Ferreira Leite, a solução não está numa política de subsídios, mas na intervenção sobre as pequenas e médias empresas e no reforço do modelo de apoio e integração preconizado pelas instituições de solidariedade social. (...)


A CMVM vai prosseguir a acção de supervisão sobre a KPMG, no sentido de apurar se a empresa de auditoria teve ou não responsabilidade nas irregularidades que terão sido cometidas pelo BCP na utilização de sociedades "off-shores" para financiar a aquisição de acções próprias.
Foi esta mesma informação que a autoridade de supervisão liderada por Carlos Tavares transmitiu ao presidente do conselho geral e de supervisão (CGS) e à comissão de auditoria e risco do BCP, numa carta enviada esta tarde.
Fonte oficial da CMVM confirmou ao Jornal de Negócios o envio desta missiva e a continuação da investigação, uma vez que a KPMG disponibilizou ao supervisor um "vasto conjunto de elementos cuja análise está em curso e que ainda não permitem tirar conclusões". O objectivo da entidade de supervisão é perceber se a empresa que audita as contas do BCP há mais de uma década teve conhecimento da utilização irregular de "off-shores" ou se deveria ter tido no âmbito das suas competências.
O objectivo inicial da instituição liderada por Carlos Tavares era ter conclusões preliminares sobre o papel da KPMG antes da assembleia geral do BCP, que tem lugar esta terça-feira. No entanto, a CMVM acabou por não ter condições para concluir se aquela empresa deve ou não ser responsabilizada.
Na AG, os accionistas do BCP são chamados a eleger o auditor e o revisor oficial de contas (ROC) do banco. A KPMG é o candidato proposto pelo CGS e a única empresa proposta para aqueles cargos, já que o presidente da mesa da assembleia, António Menezes Cordeiro, recusou uma proposta de Pedro Teixeira Duarte que avançou com a candidatura da Deloitte.


A New Horizon for Phoenix Credit: Phoenix Mission Team, NASA, JPL-Caltech, Univ. Arizona
This flat horizon stretches across the red planet as seen by the Phoenix spacecraft after yesterday's landing on Mars. Touching down shortly after 7:30pm Eastern Time, Phoenix made the first successful soft landing on Mars, using rockets to control its final speed, since the Viking landers in 1976. Launched in August of 2007, Phoenix has now made the northernmost landing and is intended to explore the Martian arctic's potentially ice-rich soil. The lander has returned images and data initially indicating that it is in excellent shape after a nearly flawless descent. News updates will be available throughout the day.


M Ferreira Leite está contra a redução do imposto sobre os combustíveis reclamado por P Passos Coelho que, no entender de Manuela, não sabe do que está a falar. M Ferreira Leite coloca-se, deste modo, ao lado da posição do governo nesta matéria fracturando pelas tendências social-democratas e liberais os militantes e simpatizantes do PSD. Curiosamente, M Rebelo de Sousa referia ontem à noite no seu programa da antena 1 da RTP que a disputa entre M Ferreira Leite e P Passos Coelho, que no entender do professor-comentador ditará o resultado das directas, é também um confronto entre a velha guarda do partido (onde predomina a defesa da social-democracia a caminho do liberalismo), que apoia Manuela, e os militantes mais jovens (e assumidamente liberais), que votarão maioritariamente em Passos Coelho. A evolução do PSD no sentido do campo liberal será mais assumida a partir destas eleições, mesmo que seja eleita M Ferreira Leite para a liderança do partido, se Manuela não conseguir, e dificilmente conseguirá, uma vitória destacada sobre P Passos Coelho. Quando M Rebelo de Sousa diz que a superação dessa fractura tem de ser realizada por M Ferreira Leite, caso ganhe as eleições, quer certamente dizer que M Ferreira Leite não pode deixar de se aproximar das teses liberais se quiser reunir o partido.
Essa reunião, contudo, defronta-se com posições dificilmente compatíveis. Ao PSD, nominalmente, social-democrata chegou a hora de se definir. Inevitavelmente, são sempre os mais jovens que definem o futuro. M Ferreira Leite, apesar da sua competência, não é suportada pelo futuro do seu partido. Empurrada para uma missão difícil, dificilmente se manterá no cargo depois das legislativas de 2009. A sua estratégia de contornar Sócrates pelo lado social ("o problema de Portugal não é financeiro mas social") confronta-se com o desafio dos seus companheiros de partido mais jovens. Só uma derrocada do governo em consequência de uma crise económica e social gravíssima poderia dar a M Ferreira Leite a oportunidade de governar Portugal a partir de 2009.
Teria ela fôlego e apoios bastantes para enfrentar uma situação dessas? Pelos vistos, não. As suas opções sociais-democratas não se distinguiriam das adoptadas pelo governo actual que teria sido, supostamente derrotado.
Competência e coerência nem sempre garantem sucesso governativo, sobretudo em tempos de turbulência. E por, honestamente, dizerem o que pensam, perdem frequentemente os políticos as eleições.

Sunday, May 25, 2008


Quando M Ferreira Leite diz que "neste momento, ninguém é capaz de prever qual (será) o cenário macroeconómico de 2009" e, (consequentemente), "honestamente ninguém pode responder à pergunta "O que fazer para a economia crescer?" , não é crível que ela tenha querido dizer o que disse ou o jornalista deturpou o registo. Como não consta que tenha havido rectificação da resposta dada, teremos, honestamente, de concluir que a candidata terá querido dizer outra coisa qualquer.
2009 está à porta. Daqui até ao fim do ano faltam 7 meses, não faltam 7 anos. Qualquer medida de intervenção governativa com incidência no crescimento económico não se prepara da noite para o dia mesmo em tempos de turbulência global. Depois, a pergunta não pedia aos candidatos à liderança do PSD que reportassem a resposta ao próximo ano. Nem tal faria sentido. Por duas razões, pelo menos: i) Se há medidas que podem promover o crescimento da economia porque razão esperamos por amanhã quando as podemos analisar, criticar, implementar, hoje? ii) A conjuntura económica que, muito provavelmente, caracterizará 2009 não será estruturalmente diferente da prevalecente no momento actual: a crise financeira não estará ainda completamente debelada, manter-se-ão tensos os mercados das matérias-primas em geral e dos produtos petrolíferos em particular, o dólar manter-se-á debilitado relativamente ao euro, as taxas de juro manter-se-ão em sentido ascendente na Europa. Mas ainda que as tendências actuais venham a inverter-se a curto prazo, M Ferreira Leite poderia, se quisesse, responder ressalvando as alterações que, não sendo hoje previsíveis, venham a ocorrer por razões que ela não pode dominar.
Podia, mas não quis. Preferiu fugir à questão dando uma resposta que só não a desacredita perante quem geralmente adopta a mesma saída: os políticos, e muito especialmente os políticos portugueses.
Quando confrontados com perguntas que pedem propostas alternativas às políticas que eles criticam, os políticos na oposição ou se refugiam em respostas redondas, ou passam ao lado, ou, mais frequentemente, argumentam que não cabe à oposição avançar propostas.
Como no pocker: Quem quer ver paga.

Saturday, May 24, 2008


A economia portuguesa desde há alguns anos que não cresce ou não cresce quanto devia: se a conjuntura envolvente está em expansão não aguenta a passada, se há desaceleração ressente-se, comprometendo ano após ano o carrilamento na rota da convergência com a média da União Europeia. Com a entrada dos novos membros de leste vê um após outro passarem-lhe a perna no ranking do PIB per capita. O modelo que sustentou o crescimento após a adesão, apoiado pelos fundos de coesaão, esgotou-se. Toda a gente concorda que não pode continuar a contar-se com a competividade dos salários baixos e toda a gente aponta o caminho sem alternativa da produção com valor maior valor acrescentado. Como é que isso se consegue?, há muitos palpites mas pouco consenso.
A pergunta feita aos candidatos à liderança do PSD "O que fazer para a economia crescer?" pelo Público na passada quarta-feira era, é, sobremaneira pertinente para terem concedido aos cinco um espaço curtíssimo em meia página do jornal. Limitação imposta pelo jornal ou pouca disponibilidade dos candidatos para dizerem que sabem acerca do assunto, é uma dúvida que não se consegue resolver lendo as respostas evasivas que deram. Exceptua-se a resposta de M Ferreira Leite que responde que a questão, de momento, não tem resposta.
M Ferreira Leite, a mais provável próxima líder do maior partido da oposição, Conselheira de Estado, diz que "não é um problema de medidas, é um problema de políticas. As políticas são conhecidas e são óbvias em relação àquilo que fomenta o crescimento económico. As medidas só são suscepíveis, só têm efeitos, se inseridas no contexto global da situação econõmica do momento. Não creio que honestamente alguém possa responder a uma pergunta destas, porque, neste momento, ninguém é capaz de prever qual é o cenário macroeconómico em 2009. Com todas as imponderáveis que existem, não é possível, com correcção, dizer-se que medidas é que na altura sejam adequadas para executar a política que necesse momento é necessária. "
Estranha resposta de quem se propõe ser o futuro primeiro-ministro de Portugal.

Friday, May 23, 2008


Jupiter's Three Red Spots Credit NASA, ESA, M. Wong, I. de Pater (UC Berkeley), et al.
Explanation: For about 300 years Jupiter's banded atmosphere has shown a remarkable feature to
telescopic viewers, a large swirling storm system known as The Great Red Spot. In 2006, another red storm system appeared, actually seen to form as smaller whitish oval-shaped storms merged and then developed the curious reddish hue. Now, Jupiter has a third red spot, again produced from a smaller whitish storm. All three are seen in this image made from data recorded on May 9 and 10 with the Hubble Space Telescope's Wide Field and Planetary Camera 2. The spots extend above the surrounding clouds and their red color may be due to deeper material dredged up by the storms and exposed to ultraviolet light, but the exact chemical process is still unknown. For scale, the Great Red Spot has almost twice the diameter of planet Earth, making both new spots less than one Earth-diameter across. The newest red spot is on the far left (west), along the same band of clouds as the Great Red Spot and is drifting toward it. If the motion continues, the new spot will encounter the much larger storm system in August. Jupiter's recent outbreak of red spots is likely related to large scale climate change as the gas giant planet is getting warmer near the equator.
digg_url = ''; digg_skin = 'compact';


De vez em quando, somos sacudidos com relatórios que nos colocam na primeira linha da desigualdade social e económica entre os nossos parceiros europeus e no número de cidadão a viver abaixo do limiar de pobreza, entre outras posições igualmente nada honrosas em quadros de avaliação dos comportamentos colectivos. E toda a gente que escreve ou discursa sobre estes assuntos lamenta as situações infames, vertendo águas de crocodilo enquanto não reimergem nas caldas águas dos seus santuários, e os mais engordados não abdicam minimamente dos privilégios que a sorte ou as habilidades lhes garantiram. Geralmente, abominam a ideia do estado social que culpabilizam de todos os desvarios orçamentais e fonte de toda a ignorância, indolência e preguiça que caracteriza, segundo eles, a pobreza. Destes lamentadores profissionais ou hipócritas não saem senão sinais de incómodos transitórios.
A repartição de rendimentos em sede de sugrança social, só por si não resolve a pobreza. As raízes da miséria e da pobreza sustentam-se fundamentalmente na falha de escolaridade e esta é uma quase fatalidade dos meios pobres, enleando-se uma desgraça na outra.
O emprego não garante, por outro lado, uma vida sem os tormentos da pobreza: uma grande parte da população pobre trabalha. Por outro lado, é visível que o estado social ainda garante subsídios a indivíduos pouco disponíveis a procurar emprego ao mesmo tempo que há ofertas de trabalho que não são procuradas, ou não são procuradas por portugueses.
Para além destas situações, encontram-se aqueles que não podem contar senão com a solidariedade dos outros: aqueles cuja idade ou condição física já não lhes permitem trabalhar e garantir através do trabalho qualquer rendimento e não têm outro.
Para além de muitas outras acções que o saneamento da chaga da pobreza impõe, e de entre as quais a educação é trave mestra, as políticas de subsídio de desemprego e de salário mínimo deveriam ser integradas numa política de subsídio ao emprego, que criteriosamente garantisse a todos os que trabalham rendimentos líquidos que se situassem acima do nível de pobreza.
Neste contexto, os detentores de fortunas e rendimentos elevados e muito elevados deveriam ser chamados a contribuir para a solução de um problema que os deveria envergonhar colectivamente. E os órgãos que na União Europeia editam estes relatórios e estas estatísticas deveriam coodenar-se com os seus pares que, no âmbito da União têm, ou deveriam ter, funções de controlo dos evadidos às suas obrigações perante a colectividade onde moram ou de onde extraem as suas fortunas.

Thursday, May 22, 2008


Skyrocketing Oil Prices Stump Experts

Oil Execs Tell Congress: Don't Blame Us
Executives from the country's top oil companies say they are not to blame for rising prices at the pump and offer an array of reasons why gas costs more and offer some ideas on how to solve the problem.
Executives from the giant oil companies say it's partly the fault of "speculators" or financial players. Key financial players say it's really a question of limited supply and expanding global demand. Some members of Congress accuse the
Organization of the Petroleum Exporting Countries for bottling up some of its production capacity. And OPEC blames speculators, wasteful U.S. consumers and feckless U.S. policy.
Almost everyone points at China's growing appetite for fuel.
Whatever the causes, one of the most dizzying runs in the history of oil prices picked up pace yesterday -- again -- as crude oil prices jumped to settle at more than $133 a barrel, up $4.19 in one day, 18 percent so far this month and more than one-third so far this year. Prices climbed even higher in late electronic trading.
The nationwide average price for a gallon of regular gasoline yesterday also set another record at $3.81 a gallon, up a penny a day for the past month, the auto club AAA reported.
"People don't get it," said Sen.
Herb Kohl (D-Wis.) at a Judiciary Committee hearing yesterday at which senior oil company executives were grilled about prices. Kohl said: "Demand is not crazy. Why are prices going crazy?"
While the share of blame for soaring oil prices may be blurry, the impact of those rising prices is painfully clear. They are damaging the profits of oil-intensive industries, tearing holes in the pockets of American consumers, offsetting the stimulant effect of tax breaks, sapping more than $1.5 billion a day out of the U.S. economy for oil imports and diverting ever-bigger gushers of dollars to oil-producing countries such as Saudi Arabia, Russia, Iran and Venezuela.
Analysts cited several factors behind yesterday's crude oil move: the declining dollar, the impact of higher price forecasts issued by investment banks, an unexpected drop in U.S. crude inventories and a jump in Chinese fuel imports. China needs extra fuel to run generators to compensate for disruptions in coal deliveries and hydropower resulting from the recent earthquake. Traders said demand is particularly strong for diesel fuel, used by drivers in Europe and in Chinese generators.
But the bigger question is: What has been driving the doubling of prices over the past year even as U.S. demand has stagnated and global output has continued without any major new disruption?
"The basic story that has brought oil from $20 to $130 dollars is that world demand is growing robustly when world supply is not," argued Jeffrey Rubin, chief economist of
CIBC World Markets. "As a result, we need ever-higher world oil prices to kill demand in the [industrialized countries], which is exactly what's happening."
While U.S. demand has leveled off, Rubin said, demand in China is growing at a 12 percent rate, more than the 8 percent rate he forecast. While the extra increase in China is probably because of short-term factors, such as the earthquake or hoarding by the government in preparation for the Olympics, Rubin said even the lower rate would keep world demand growing briskly.
Earlier this month,
Goldman Sachs rattled the market by upping its second-half 2008 forecast for oil prices to $141 a barrel from $107. And it said prices could spike as high as $200 a barrel.
"The market is once again searching for a new equilibrium," Goldman said in a May 16 analysis. It said that policy constraints were impeding the flow of capital, labor and technology, limiting new supplies despite high oil prices, while demand remained stubbornly strong. Higher exploration costs have also blunted activity to boost supplies. As a result, Goldman said, even higher prices would be needed to bring demand growth in line with supply trends.
Oil consumers usually react slowly to price increases; savings come as they buy more fuel-efficient cars.
But another reason high prices haven't had a bigger effect on consumption is that much of the world isn't paying market price. "Half the world is not seeing the real oil price," said Rob J. Routs, executive director for oil products and chemicals at
Royal Dutch Shell.
This year, for example, India is expected to pay more than $20 billion in fuel subsidies. According to the
International Monetary Fund, Lebanon, Mexico and Peru have cut excise taxes, and the Philippines and Ukraine have lowered import duties to blunt price increases -- much as Sens. Hillary Clinton (D-N.Y.) and John McCain (R-Ariz.) have proposed a tax "holiday" for U.S. motorists.
Oil-producing countries are among the worst culprits; their consumption has rivaled China's. CIBC's Rubin said Mexico, the second-leading source of U.S. oil imports last year, could be a net oil importer in five years.
But even the oil industry and financial community are divided over the cause of high oil prices. "There's nobody waiting at retail stations to fill up cars," said Routs, who points to financial flows. "There's no problem getting crude to refineries."
"The high is developing a momentum of its own," said a pair of analysts at Commerzbank in Frankfurt, Germany.
Bloomberg News reported that they said "the trend will soon be coming to an end, and that the subsequent correction will be all the more severe."
"We see many of the essential ingredients for a classic asset bubble," said Edward Morse, chief energy economist at
Lehman Brothers. Morse estimated that $90 billion has flowed into the biggest commodity indices in just more than two years, and more money has flowed into other exchanges, pushing up prices.
"Performance-chasing financial inflows to commodities cause prices to rise, thus delivering good performance and, in turn, attracting even more inflows. This phenomenon can be self-fulfilling," Morse said. Ultimately, however, "commodities markets still have a physical aspect to them that must fundamentally balance." He said that once the size of oil inventories and worldwide spare production capacity becomes clearer, "markets may face a sharp correction."