Thursday, January 31, 2008


de A arte da fuga


(...) Não desvalorizo o interesse das previsões no comportamento dos agentes económicos.
O que penso é que se Sócrates & Cª já tivesse afinado com o coro da recessão e revisto em baixa a previsão de crescimento económico para Portugal, em 2008, esse alinhamento, só por si, não teria tido qualquer influência no andamento da economia. E, se tivesse, provavelmente teria sido negativo.
Um dia destes, forçosamente, terá de o fazer invocando a conjuntura internacional, bla, bla, bla, bla, bla, bla.
E nada, só por esse motivo, se alterará.O que, talvez, poderá alterar alguma coisa será a adopção de algumas medidas que coloquem nos bolsos privados mais liquidez, o pagamento dos atrasados, por exemplo. O que implica aumento da dívida pública, e provavelmente aumento do défice. Implicaria também a adopção de procedimentos que impedissem voltar atrás, à situação de laxismo crónico na assumpção de compromissos pelo Estado.
Quanto à redução dos impostos, trata-se de uma medida que também subscrevo, e nunca disse outra coisa. O que disse é que não sei como é que isso se faz sem redução da despesa pública ou aumento descontrolado do défice.
Por outro lado, os aumentos do consumo e do investimento em simultâneo, são conflituantes: ou poupamos para investir ou consumimos e não poupamos. Se a opção, por ser de curto prazo, for consumir, irá esse consumo dinamizar a produção interna ou desequilibrar ainda mais a balança comercial? Receio que o resultado seria o crescimento das importações.
Mas não tenho certezas.
Quem tem?

Wednesday, January 30, 2008


O coro só tem uma voz desafinada: Sócrates & Cª.

Mas Sócrates & Cª., mais dia menos dia, não tem alternativa senão afinar com o coro.
Se todo o mundo afirma que a recessão está a chegar, se não está mesmo já entre nós, não há recessão, por mais teimosa que seja, que não acabe por aparecer.

O problema agora é saber quando se irá embora. Por enquanto, o coro, acerca disso, não canta.

O coro é um atraso de vida.
World Economic Outlook Update
An update of the key WEO projections
January 29, 2008

Financial turbulence clouds growth prospects

Following strong growth through the third quarter of 2007, the global economic expansion has begun to moderate in response to continuing financial turbulence. Global growth is projected to decelerate from 4.9 percent in 2007 to 4.1 percent in 2008, a markdown of 0.3 percentage point relative to the October 2007 World Economic Outlook.1 Risks to the outlook remain tilted to the downside.
Recent data suggest that global growth slowed markedly in the final quarter of 2007 in the face of significant headwinds from the financial sector, following a stronger than expected third quarter. As discussed in the accompanying GFSR Financial Market Update, the financial market strains originating in the U.S. subprime sector—and associated losses on bank balance sheets—have intensified, while the recent steep sell-off in global equity markets was symptomatic of rising uncertainty. Economic growth in the United States slowed notably in the fourth quarter, with recent indicators showing weakening of manufacturing and housing sector activity, employment, and consumption. Growth has also slowed in western Europe, and confidence indicators have generally deteriorated. In Japan, growth has been dampened by a tightening in building standards, while consumer and business sentiment has weakened. Despite some slowing of export growth, emerging market and developing economies have thus far continued to expand strongly, led by China and India. These economies have benefited from the strong momentum of domestic demand, more disciplined macroeconomic policy frameworks, and for commodity exporters, from high food and energy prices as well.
Headline inflation has increased since mid-2007 in both advanced and emerging market economies. Core inflation has also drifted upward. In the United States, the Federal Reserve has been cutting interest rates in response to increasing downside risks to activity, while policy has been on hold in the euro area and Japan. Meanwhile, central banks have continued to tighten monetary policy in many emerging market economies, where food and energy represent a higher share of consumption baskets and overheating is more of a concern.
Against this background, global growth is projected at 4.1 percent in 2008, down from 4.9 percent in 2007 (
Table 1). The projections for the advanced economies have been reduced significantly. Projected growth in the United States in 2008 has been lowered to 1.5 percent on a year-on-year basis, down from 2.2 percent in 2007. The annual growth figure for the U.S. economy in 2008 reflects the carryover from 2007. Projections on a fourth-quarter-on-fourth-quarter basis thus give a better sense of the slowing growth momentum. On this basis, growth is projected at 0.8 percent in 2008, compared to 2.6 percent over the same period in 2007. For the euro area, growth has been lowered to 1.3 percent, again on a fourth-quarter-to-fourth-quarter basis, compared to 2.3 percent during 2007.
Growth in emerging market and developing economies is also expected to ease, moderating from 7.8 percent (on an annual basis) in 2007 to 6.9 percent in 2008. In China, growth is projected to decelerate from 11.4 percent to 10 percent, which should help alleviate overheating concerns.
The overall balance of risks to the global growth outlook is still tilted to the downside. The main risk to the outlook for global growth is that the ongoing turmoil in financial markets would further reduce domestic demand in the advanced economies and create more significant spillovers into emerging market and developing economies. Growth in emerging market economies that are heavily dependent on capital inflows could be particularly affected, while the strong momentum of domestic demand in some emerging market economies provides upside potential. In addition, a number of other risks also remain elevated. Monetary policy faces the difficult challenge of balancing the risks of higher inflation and slower economic activity, although a possible softening of oil prices could moderate inflation pressures. There are also concerns about continuing large global imbalances, in the context of heightened financial volatility.
1 The global and regional growth aggregates in this Update use country weights calculated from the new PPP data published by the International Comparison Program in December 2007. This has resulted in a downward revision of the estimates of global growth during 2005-08 of around ½ percentage point a year relative to the estimates in the October 2007 World Economic Outlook. See for more details.

Tuesday, January 29, 2008


Newsweek: "The Road to Recession",
"The U.S. Economy Faces the Guillotine" and
"Goodbye to the Bulls?"

Nouriel Roubini Jan 28, 2008

The cover page on Newsweek magazine this week is titled "The Road to Recession". The fact that this cover story title is written without even a question mark is a signal of how far the consensus has moved towards the recognition of an unavoidable recession that has actually already started.
And if the cover title was not clear enough the title of the cover story in the magazine is "
The U.S. Economy Faces the Guillotine". In this cover story the author not only discusses how a US recession is now unavoidable; he also dismisses the hypothesis that the rest of the world can "decouple" from this US hard landing. The fact that yours truly is cited throughout the magazine is no surprise.
Indeed, as I expressed and fleshed out all week at the Davos' WEF:
"The debate today is not any longer on whether we will experience a soft landing or a hard landing in the US; it is rather on how hard the hard landing will be. In other terms on whether the current recession will be relatively mild - say lasting two quarters until the middle of 2008 - or rather be much longer, deeper and uglier and lasting at least four quarters. My view is that the recession will be protracted and painful as a shopped-out, saving-less and debt-burdened consumer is on the ropes and now faltering; while the financial system is on the verge of a systemic crisis that will cause a severe credit crunch...
Indeed the delinquencies and losses in the financial system are spreading from subprime to near prime and prime mortgages; to credit cards and auto loans; to commercial real estate loans; to leveraged loans that financed reckless LBOs; to the losses of the monolines that are effectively bankrupt and at risk of spreading furher massive losses to money market funds and other financial institutions once they get properly downgraded; and soon enough to corporate defaults and junk bonds that will in turn trigger massive losses on credit default swaps; eventual losses in the financial system may add up to more than $1 trillion...
As for decoupling there is no way that the rest of the world can decouple from a US recession. When the US sneezes the rest of the world catches the cold; and unfortunately this time the US will not experience just a case of a mild common cold; it will rather suffer of a painful and protracted episode of pneumonia; thus the real and financial contagion to the rest of the world will be serious...
The Fed will ease aggressively but whatever it does now is too little to late; this easing will not prevent a recession as monetary policy can deal with illiquidity problems but it cannot resolve the deep credit and insolvency issues that plague the US economy; also when there is a glut of capital goods - in 2001 tech capital goods, today a glut of housing, consumer durables and autos the demand for these goods becomes relatively interest rate inelastic; it takes years to clean up this glut and monetary easing does not work as it is like pushing on a string...
U.S. and global equity markets will enter a serious bearish market as a US recession and sharpl global economic slowdown take a toll on investors' risk aversion and firms' earnings and profitability...all risky assets will be under serious pressure in 2008".
Newsweek also asked 15 leading economists to comment on the likelihood of a recession and the recent market turmoil under the title "
Goodbye to the Bulls? Fifteen key economists, policymakers and strategists weigh in on a week of volatility and economic turmoil"
Here is my contribution to this debate that opens this survey by Newsweek:

'A Meltdown'
Nouriel Roubini

We know booms and busts are aspects of capitalism, and have been so historically. Many of them have been driven by a technological innovation--whether it was the railroad or the Internet--and they may create bubbles, fraud and eventual losses. But they are also driven by real innovation. This latest crisis we see today differs from such historical examples in two important elements. First, with housing there was no technological revolution of any sort. We still build homes basically the same way we did 50 years ago. The innovation in this instance was financial. We went from a system where banks held mortgages on their books to one in which banks originate mortgages, and then securitize and distribute them. The idea was to reduce systemic risk by getting the risk of holding mortgages out of the banks and into the capital markets, and out of the United States and into the global economy. Of course, as we see now with subprime, that has brought a massive contagion in financial markets that is now affecting the real economy.
Comparing with some recent financial crises, I think it's worse than 1987, when we just had a stock-market crash. It's worse than the savings and loan crisis of the late 1980s, because the contagion then was generally limited to the savings and loan thrifts and commercial real-estate sectors. It is much worse than the Long Term Capital Management crisis of 1998. That was a liquidity problem. Today we have insolvency problems. It is much worse than the tech bust of 2000 and 2001, when most of the problems were confined to the tech sector and we had a mild recession. You have to go back to the Great Depression for something comparable. We are, of course, far short of a Great Depression now, but in terms of systemic risk and the risks of a financial meltdown, you almost have to go back that far to find a good analogy.
Roubini is a professor of economics and international business at New York University's Stern School of Business.


MONETARY POLICY FOR BEGINNERS (Pescado em A destreza das dúvidas)


Não sei o que é que Cavaco Silva vai dizer hoje no seu discurso durante a abertura do ano judicial, onde vai encontrar a fina flor dos agentes da justiça.
Mas sei o que gostaria que ele dissesse: Que governo e oposição não podem continuar a contornar a questão do financiamento dos partidos, que está na origem de muitos crimes de corrupção atingindo gravosamente os interesses do Estado; porque é à sombra da promiscuidade entre interesses privados e alguns representantes dos interesses públicos que a corrupção alastra e destrói o tecido social; que a justiça continua desacreditada e a corrupção é um dos afloramentos mais salientes desse descrédito profundo; que o descrédito da justiça é o factor mais impeditivo do crescimento económico e social. Ninguém, de boa fé, investe onde campeia a prática da corrupção e a impunidade no incumprimento dos contratos.
Hoje, no jornal da manhã da Antena 1, João Cravinho repetia, a partir de Londres, para onde foi exilado, segundo Medina Carreira, o que vem dizendo há muito tempo: A sua proposta anti-corrupção foi amputada e o que resta dela continua a penar nos corredores da AR sem que alguém se mostre interessado e capaz de a fazer vingar.
Assim, não passaremos da cepa torta. A prova mais provada que há corrupção de Estado, e que ela envolve gente que está ou esteve bem colocada nos degraus superiores da administração pública, está no facto de tanto o governo como a oposição não se mostrarem dispostos a mexer uma palha da esteira que envolve o escândalo.
Até que apareça alguém disposto a dar o nome aos bois.

Monday, January 28, 2008


Atravessamos um tempo de pessimismo generalizado, global. De manhã, antes das sete, ouvimos que as bolsas cairam na Ásia e estão a começar a cair na Europa; daí a sete horas, começará a cair Wall Street. Os que sabem do assunto, ou passam por isso, dizem que a economia mundial não vai arribar no primeiro semestre, outros que, provavelmente, ainda sabem mais, dizem que em 2008 vai ser sempre a descer. Não há revisão digna desse nome que não seja em baixa. No meio do coro desafina o governo português, e sobretudo o seu chefe, assobiando o cochicho. Caiem-lhe em cima a oposição e a suposição mas ninguém demove Sócrates da desafinação.

A mim, parece-me bem a desafinação de Sócrates. Alguém ganharia alguma coisa com a afinação de Sócrates com o coro lamentativo? Duvido. E alguém ganhará? Provavelmente.

Um francês, que terá arribado a estas paragens em dia soalheiro e deparado com um grupo de gente simples terá ficado surpreendido com o ar satisfeito que viu à volta, ainda que mais à volta o cenário não fosse risonho, salvo o Sol, e terá concluído que "les portugais sont toujours gais" e a observação tornou-se a lenda. Conclusão errada porque a maior parte dos portugueses anda geralmente com cara de quem carrega com todas as desgraças do mundo às costas. A maior parte anda deprimida, e para confirmar esta tendência para o pessimismo crónico, estão as sondagens à opinião pública que, persistentemente, dão conta deste angustiado estado de alma da generalidade dos portugueses.

Se esta tendência para o negativismo tem tido influência decisiva na perda de passada que se observa na nossa equipa no campeonato do desenvolvimento económico e social europeu, não sei. O que sei é que a propensão para não acreditar em dias melhores é, só por si, um travão, ou marcha-atrás, ao crescimento, salvo o dos tranquilizantes, anti-deprepessivos, ansiolíticos, das drogas leves, pesadas e pesadíssimas.
Se a idiossincrasia lusa é de natureza amarga que mal haverá em adoçá-la com um placebo optimista num contexto de lamentação geral?
Como o Melhoral, é melhor e não faz mal.
Se faz bem, logo se verá.
E devemos ficar-nos pelo placebo? Claro que não. Contudo, quaisquer que sejam as medidas mais adequadas que a situação requer, o resultado da sua adopção será mais eficaz se o paciente acreditar nas virtudes das medidas prescritas.
É a discussão de medidas mais ajustadas à conturbada conjuntura que atravessamos que realmente importa. O resto é pequena política.

Sunday, January 27, 2008


Why the Stimulus Shouldn't Stimulate You
By Steven E. LandsburgSunday

As a general rule, economic policies command bipartisan support only when they're incoherent. Take, for example, the fiscal stimulus package now bulldozing its way through the legislative process. It's poorly conceived, it's unlikely to work, and it's sure to do a lot of collateral damage.
The idea, we're told, is to stave off an all-out recession by stimulating both investment (through tax cuts for businesses) and consumption (through tax rebates to individuals). But hold it right there.

Investment and consumption are natural rivals.

Investment means converting resources into machines and factories; consumption means converting those same resources into TV sets and motorboats. In anything but the very short run, more of one means less of the other.


Metade do público abandonou a ópera de Emmanuel Nunes na estreia no Teatro de São Carlos
O Teatro de São Carlos estava cheio às 20h, no início da estreia mundial da ópera de Emmanuel Nunes. Ao intervalo, duas horas depois, as desistências eram muitas. Cerca de metade do público tinha abandonado a sala. (...) As expectativas à volta desta produção eram muitas. Encomenda ainda da direcção de Paolo Pinamonti, Das Märchen (O Conto) passou por algumas peripécias até ao dia da estreia, incluindo vários adiamentos e algumas discussões que vieram a público entre o compositor e o director do São Carlos. Lembrar este contexto e sobretudo o grande investimento institucional nesta ópera é importante para pensar o objecto estético apresentado na sexta-feira. Até porque Das Märchen pode ser vista, entre outras coisas, como uma reflexão (artística) sobre a arte e a sua autonomia. No prólogo que dá início ao espectáculo, fala-se da faculdade da "imaginação", aquela sem a qual a arte não existe. "Ela não se prende a nenhum objecto", diz o libreto. "Ela não faz quaisquer planos, não escolhe nenhum caminho", ouve-se depois. Quem escreveu estas palavras foi Goethe (1749-1832), o autor do conto original em que se baseia a ópera Das Märchen, e uma das figuras centrais do primeiro romantismo alemão. Goethe e Schiller desenharam, desde fins do século XVIII, os contornos da ideia romântica de uma arte autónoma e definiram, nesse processo, a posição do artista, as condições do "livre jogo da imaginação" e as qualidades do génio criador.Mas já não estamos no fim do século XVIII. E é natural que esta enigmática (para não dizer esotérica) ópera de Emmanuel Nunes cause alguma perplexidade. A afirmação da autonomia absoluta do artista e da sua arte independente (no modelo a que alguns chamaram "arte pela arte") em tudo é contradita pela própria natureza da produção operática, e ainda mais neste caso de Das Märchen, onde há música, dança, teatro, projecção vídeo, electrónica ao vivo, cenografia, luz, etc. Embora o nome de autor tenha o peso que se sabe, o criador de Das Märchen não é só Emmanuel Nunes. E a arte na principal sala de ópera portuguesa não está sujeita apenas ao "livre jogo da imaginação dos artistas". Depende do Estado, de patrocinadores que mexem em muito dinheiro (por exemplo o BCP) e de várias instituições culturais. Dirão que estou a fugir ao assunto. Não: o assunto também é este.O problema de Das Märchen não é ser muito grande e ter música difícil para os ouvidos. O problema não é o número de horas que dura. O que há é talvez um excesso de elementos simbólicos, de coisas para olhar, para ouvir, para ler. Tudo na língua germânica, talvez para estarmos mais perto do idealismo alemão, mas transfigurado por uma encenação pós-moderna, em que o excesso simbólico chega a ser disparatado. Karoline Gruber dispara mesmo em todas as direcções, e faz uma encenação infinita nas suas múltiplas relações internas, tal como o intrincado texto de Goethe, jogando com figuras míticas, magias, círculos, terra, fogo, ouro (impossível não nos lembrarmos de Wagner). Brincadeira ou megalomania?O problema da encenação é que não sabe bem o que fazer daquilo tudo. Os corpos estão sempre em movimento (uma coreografia neo-conservadora anda ali pelo meio um pouco à nora), as personagens duplicam-se, as projecções vídeo criam imagens sobre imagens sobre imagens. O resultado mais uma vez é contraditório: tudo se mexe mas há uma sensação de que tudo é estático. Tudo é movimento permanente (como num rio), mas (quase) nada nos prende. Na música, apesar de muito bem interpretada pelo Remix com elementos da Orquestra Sinfónica Portuguesa e alguns bons cantores, acontece o mesmo: há milhões de acontecimentos, de timbres e de jogos rítmicos, mas tudo parece ficar no mesmo sítio e tudo parece equivaler-se. É uma música palavrosa, que fala sem parar (bavarder, em francês, é a melhor palavra para a descrever). Até aí tudo bem. Mas Das Märchen, de tanto querer ser a arte pura que não pode ser, entra numa contradição insolúvel, e opta por fechar-se ao mundo. A encenação tenta dar, na parte final, um salto para outro lugar, depois de uma espécie de "catástrofe". Mas já era demasiado tarde. E fica só isso - a ideia de que não há nada a fazer. É assim e pronto.E quem vê? E quem ouve? Também não pode pensar a ópera a que assiste, porque esta arte se diz impensável. O espectador não pode pegar em nada daquilo que vê e ouve, porque esta arte é arte pura - e querer dar-lhe utilidade é corrompê-la. Podemos então apenas pasmar? O que fica de Das Märchen é uma perplexidade. Ela leva ao extremo as contradições desta arte que se quer pura (e que afinal é tão impura) e os problemas da função da ópera nos nossos tempos, enquanto representação social do poder.Das Marchen De Emmanuel Nunes Orquestra Sinfónica Portuguesa Remix Ensemble Coro do Teatro de São Carlos Peter Rundel, direcção musical Karoline Gruber, encenação.
Cerca da uma da tarde ouvi na Antena 2 que 2/3 dos espectadores tinham abandonado a sala no segundo intervalo; depois, muitos outros foram saindo a pouco e pouco. Os que ficaram até à uma da manhã bateram palmas por obrigação da claque borlista. Aliás, poucos devem ter pago bilhete, se é que alguém pagou.
Quem pagou foi o Orçamento Geral do Estado, isto é, eu, tu, ele, nós, vós. Eles foram lá porque tinham bilhetes oferecidos mas vieram embora porque já tinham dado ar às indumentárias, que é para isso, sobretudo, que servem os intervalos em São Carlos.


E assim nasceu um livro ...As Metarmofoses - um livro a duas mãos de Agustina Bessa-Luís e Graça Morais - é um projecto, nascido de outro...

"Este feliz encontro com Graça Morais merece bem o título de Maneiras de ser. Somos uma só identidade em múltiplas formas de conhecer o vasto mundo e os seus milagres.(...) Como Carolina e Alberta, somos como irmãs que se desvelam a honrar a mãe Terra, eterna não diremos, mas preparada por nossas mãos a empreender o voo, um dia, para outro lugar no espaço."
Agustina Bessa-Luís
Porto, 12 de Novembro 2005


Pessoa, de Ricardo Pais, ****
Do Desassossego, de João Mota/Carlos Paulo, *****


Esta é a milésima mensagem do

Saturday, January 26, 2008


"A fraude é o maior pesadelo de qualquer gestor". O desabafo é de John Thain, presidente executivo da Merrill Lynch. "Se qual for o sistema de segurança, é impossível prevenir a fraude", lamenta Thain.
Ao 3º dia, a fraude passou a ser o tema dominante da 38º edição do Fórum Económico Mundial (FEM). Depois da calma ter, aparentemente, regressado aos mercados financeiros, o mundo empresarial foi ontem sobressaltado com a maior fraude de sempre.

Apostas secretas de um empregado do Société Générale, Jerome Kerviel, de 31 anos, vão custar ao banco francês 4,9 mil milhões de euros. A noticia deixou os empresários presentes em Davos em estado de choque.

"Não podia ter acontecido em pior altura. Todos esperavam perdas devido ao ‘subprime’ mas não uma fraude. Os bancos estão sob pressão por tantos motivos, que isto era a última coisa que esperavam", disse Bill Browder, presidente executivo da Hermitage Capital Management.

"Há dois dias as conversas era dominadas pela queda dos mercados financeiros, hoje só se fala em auditorias", comentou Steve Forbes, CEO da Forbes. "É um assunto muito mais interessante, embora o Société Générale não ache", brincou o gestor.
Como aconteceu?
"Como é que aconteceu uma coisa destas?", pergunta Angel Gurria, secretário geral da OCDE. "Como é que alguém com a posição de Kerviel pode ter tanta responsabilidade? Isto revela um problema muito sério", disse Gurria.
Jean-François Theodore, CEO da NYSE Euronext, afirmou esta fraude foi possível, porque o "mercado é cada vez mais difícil de controlar". "Possivelmente os instrumentos financeiros ficaram demasiado complexos", disse.
Pois é. De vez em quando os donos do sistema também são apanhados nas malhas que eles próprios teceram. Os mercados não ficaram demasiado complexos, os mercados financeiros são de uma opacidade que os torna, por vezes, impenetráveis mesmo para os comandam as operações. Há sempre ratos que se aproveitam das sombras para roerem tranquilamente as cordas.
E, como sempre acontece, a forma mais eficaz de prevenção do crime é o castigo. Coisa que é rara
no caso dos crimes de colarinho branco. Ainda anteontem o presidente da CMVM referia durante a audição na comissão de economia e finanças da AR que as penas são tão leves que o crime compensa.
Os maiores inimigos do capitalismo habitam dentro do sistema. É mais ou menos isto que diz Alan Greenspan em "The age of turbulence".

Friday, January 25, 2008


O bastonário da Ordem dos Advogados é um irrequieto. Quando foi eleito pelos seus pares, esta característica foi, muito provavelmente, a que mais contou na ponderação da decisão que a maioria dos votantes tomou. Para não desiludir os que o apoiaram nem os fazer esperar por impactos, o bastonário, entrevistado pela Antena 1 disse claramente dito que

"Existe em Portugal uma criminalidade muito importante, do mais nocivo para o Estado e para a sociedade, e que andam por aí impunemente alguns a exibir os benefícios e os lucros dessa criminalidade e não há mecanismos de lhes tocar. Alguns até ostensivamente ocupam cargos relevantes no Estado Português"

O bastonário acrescentou ainda, na oportunidade, que dentro de pouco tempo denunciaria alguns casos que confirmam as suas afirmações.
Não é a primeira vez nos últimos tempos, nem será certamente a última, que juristas e jurisconsultos vêm para a praça pública denunciar que a corrupção anda desenfreada por aí: Freitas do Amaral disse-o, e não se passou nada, Saldanha Sanches disse-o e o presidente da associação de municípios ameaçou responsabilizá-lo em tribunal mas não se sabe de mais, agora Marinho Pinto volta a carga e diz que vai dizer como é.
Em reacção à notícia de que o Procurador-Geral da República tinha mandado abrir um inquérito, Marinho Pinto disse não ter ficado surpreendido com a decisão do Procurador-Geral .

"É habitual abrirem-se inquéritos em Portugal. Não fico surpreendido", afirmou Marinho Pinto, acrescentando não querer fazer mais qualquer declaração sobre o despacho emitido ontem pelo Procurador-Geral da República (PGR), Pinto Monteiro.
Nem precisa.
Se estas coisas fossem levadas a sério, como no tempo em que existia um sentimento chamado vergonha, que se tornou pueril, era caso para escolhermos o melhos sítio nas bancadas e aguardar pelo desenrolar do duelo. Mas isso não vai acontecer. Com o tempo desovarão outras broncas que cobrirão esta. Daqui a uns tempos ninguém falará do assunto. Eventualmente, Marinho Pinto continuará a resmungar mas, mais dia menos dia, será tomado por louco ou, no mínimo, excêntrico. Irrelevante, portanto.
Oxalá me engane.

Thursday, January 24, 2008


Um vulgar cidadão que poupa uns cobres e os entrega a um banco para os aplicar num fundo de investimento reclamadamente de baixo risco arrisca-se a observar no pé de meia um rombo com que não contava.
De um dia para o outro, os mercados financeiros entram em esquizofrenia global e o pacato cidadão fica meio depenado e sem direito a livro de reclamações. Se tenta perceber porquê, porque é que um produto supostamente sólido se sublimou, se evaporou, parcialmente, em três tempos, ouvirá um chorrilho de explicações pausíveis mas deixou de ver o seu dinheiro. De pouco lhe vale recorrer ao regulador porque o regulador já confessou a sua incapacidade para supervisionar seja o que for.
Há uma coisa que, pelo menos, o pseudogovernador-regulador-supervisor poderia fazer e não faz: condenar a publicidade enganosa, aquela que em letras gordas promete mundos e fundos mas os fundos não são deste mundo dos cidadãos confiantes mas do outro: daquele onde as jogadas se fazem a favor dos donos da bola, ressalvadas por letras miudinhas.

U.S. Markets Continue to Rally; European Stocks Up

By Howard SchneiderWashington Post Staff Writer Thursday, January 24, 2008; 10:41 AM

The U.S. markets continued their dramatic recovery early this morning -- and so did European and Asian indexes -- as efforts to shore up the U.S. economy helped begin to calm a volatile climate for global stocks.

All three major U.S. indexes opened higher today, although the solid gains were partially shaken shortly after 10 a.m. when the National Association of Realtors reported that sales of existing single-family homes fell in December. By 10:30 a.m., the Dow Jones industrial average had gained 29 points and the Standard & Poor's 500-stock index was up more than 1 point. The Nasdaq composite index was up 17 points.
The gains followed a stunning reversal of the U.S. markets yesterday. They had traded down nearly all day, but by late afternoon began a quick rise. The Dow, which made a 5.4 percent swing, closed yesterday up 2.5 percent.
Wall Street's recovery followed both the Federal Reserve's most recent interest-rate reduction and news that regulators, investors and policymakers were working on efforts to ensure that bond insurance companies remain solvent.
Analysts said today's gains also could be partly attributed to solid earnings reports from Xerox and
Lockheed Martin Corp., which were higher than originally estimated.
The new housing numbers, however, suggest that problems are continuing in that market. The realtors group reported that sales of single-family homes and condominums were down 2.2 percent in December and for the year, single-family home sales were off 13 percent, the largest decline in 25 years.
A complex of problems related to the U.S. housing market, in particular rising default rates on riskier home mortgages, has been a chief reason for recent turbulence in global credit and equity markets.
Major European exchanges were up more than 3 percent, despite a
developing scandal involving billions of dollars in fraudulent trades at France's second largest bank.
Societe Generale Group announced that it had "uncovered a fraud, exceptional in its size and nature," involving a trader who had made "massive" investments beyond his authority and covered them up with a trail of fake transactions.
After investigating, the bank closed the trader's accounts, at a loss of about $7.1 billion. In announcing the losses this morning, the bank said it was also writing off another $3 billion related to mortgage and other investments in the United States, and would seek to raise an additional $8 billion in capital to strengthen its balance sheet.
Similar disclosures at U.S. banks and financial companies have added to the sense of crisis in the financial sector, but Societe Generale's announcement seemed to have little impact as
investors took heart from recent moves in New York and Washington.
By late morning in Europe, the FTSE 100 was up nearly 4 percent, while Germany's DAX 30 had risen nearly 6 percent.
Several major Asian exchange also posted gains of more than percent.

Wednesday, January 23, 2008


Há poucas semanas, foi notícia o alerta do PR para as retribuições, compensações e indemnizações pagas a alguns gestores em Portugal. Cairam-lhe logo em cima o Carmo e a Trindade. Na altura, coloquei aqui, no Aliás a transcrição de um parágrafo de "The age of turbulence", do insuspeito, a este respeito, Alan Greenspan.
Depois disso, vieram a público outras notícias sobre o assunto, nomeadamente as respeitantes às indemnizações e reformas garantidas aos gestores que levaram o BCP para o beco de saída difícil em que se encontra. Por razões que não são coincidências, o que se observou, e observa ainda em Portugal, replica uma vaga mais vasta que está a afogar os mercados financeiros em todo o mundo. A factura dos efeitos de acções dolosas cometidas, sobretudo por agentes financeiros, ao abrigo da lei da selva que vigorou na última década, levará agora (muito?) tempo a quantificar. Entretanto, contudo, os actores do descalabro ter-se-ão retirado, confortavelmente, de cena.
O síndrome das sub prime é apenas um dos eixos descarrilados, porventura o mais notório e o mais pesado, mas não é único. O grande responsável da actual situação é, sem dúvida alguma, a opacidade consentida às contas dos agentes financeiros, que, por detrás de cortinas jogaram, e continuam a jogar, impunemente, um jogo sem regras escrutinadas.
Capitalism's Enemies Within

Amid the mayhem on world financial markets, it is becoming clear that capitalism's most dangerous enemies are capitalists. No one can have watched the "subprime mortgage" debacle without noticing the absurd contrast between the magnitude of the failure and the lavish rewards heaped on those who presided over it. At Merrill Lynch and Citigroup, large losses on subprime securities cost chief executives their jobs -- and they left with multimillion-dollar pay packages. Stanley O'Neal, the ex-head of Merrill, received an estimated $161 million.
Everyday Americans will conclude (rightly) that this brand of capitalism is rigged in favor of the privileged few. It will be said in their defense that these packages reflected years of service, often highly successful. So? It's not as if these CEOs weren't compensated in all those years. If you leave your company a shambles -- with losses to be absorbed by lower-level employees, some of whom will be fired, and shareholders -- do you deserve a gold-plated send-off? Still,
the more serious problem transcends the high pay itself and goes to the wider consequences for the economy.

Tuesday, January 22, 2008


A discussão que para aí vai acerca da lei do tabaco faria pouco sentido se o respeito pelas liberdades individuais, em nome dos quais se batem os autodenominados liberais, dispensasse a lei.
Já fui fumador. Mas se continuasse a ser fumador, e se soubesse, como hoje se sabe, que os malefícios do tabaco atingem não só quem fuma mas também quem está por perto, voluntariamente iria fumar para um lugar onde do meu vício não resultassem danos para a saúde de terceiros. Penso que esta é a atitude mais correcta para quem tem um mínimo de consideração pelo seu semelhante.
É espantoso, portanto, que aqueles que se dizem liberais e vociferam frequentemente contra a chusma legislativa, não se queiram aperceber que o respeito pelos direitos individuais comprende o respeito pelos direitos deles e dos outros. A lei, neste como em muitos casos, só existe porque não há uma voluntária adesão ao respeito pelos direitos individuais de todos.
Por outro lado, se as leis do Estado vão no sentido de reduzir a morbidade dos cidadãos, e, desse modo, reduzir também os encargos que todos suportam, não há na intenção dessas leis senão um objectivo que também as instituições privadas perseguem. Qualquer companhia de seguros estipula a sua tabela de prémios em função dos riscos apresentados pelos segurados. Ora se a actividade privada, que qualquer liberal que se preze aplaude, premeia melhor aqueles que apresentam menos factores de risco, parece razoável que as leis do Estado prosigam por caminho idêntico.
Dito de outro modo: Se o Serviço Nacional de Saúde fosse extinto e toda a actividade de prestação de cuidados de saúde privatizada, de que modo reagiriam os ditos liberais perante uma discriminação feita pelas seguradoras relativamente aos segurados em relação aos factores de risco apresentados, bonificando, por exemplo, aqueles que apresentassem os pulmões limpos?


BCE e Banco de Inglaterra deverão seguir corte da FED
O Banco Central Europeu (BCE) e o Banco de Inglaterra deverão ter que seguir a Reserva Federal dos EUA e cortar as taxas de juro devido à ameaça que uma recessão nos EUA poderá significar para o crescimento global, acreditam os analistas contactados pela agência Bloomberg

As bolsas estão a cair desalmadamente em todo o mundo. Tanto, que as medidas tomadas pela FED (que hoje cortou de emergência a taxa de juro de referência dos EUA em 75 pp, o que não fazia desde 2001, depois de a generalidade dos mercados bolsistas ter sido fortemente penalizada pelos receios de recessão nos EUA), e que deverão ser seguidas pelo BCE e pelo Banco de Inglaterra, se arriscam a desencadear outra moléstia no debilitado sistema financeiro internacional: as reduções das taxas de juros podem não não ser suficientes para evitar a recessão mas poderão despoletar estímulos inflacionistas incontroláveis a curto prazo, gerando o pior cenário, o da estagflação.

O crescimento moderado da inflação como forma de estímulo da economia é uma tentação que está a atrair muitos que não descortinam outras medidas descontaminadas. E, inquestionavelmente, para alguns essa será uma via de resolução de alguns problemas bicudos.

Sabe-se, porém, que há sempre uma factura a pagar à inflação mas nunca se sabe a quanto se elevará o seu montante. Para muitos, a quem estas turbulências da bolsa nada dizem, a vida tornar-se-á ainda mais difícil de viver, porque para eles o preço da inflação nunca será moderado.

Monday, January 21, 2008


Zoom: clique na imagem

Em meados do mês passado o Washington Post publicou um artigo que dava conta dos valores médios das componentes dos rendimentos, responsabilidades, activos e passivos das famílias norte-americanas. Como qualquer análise baseada em valores médios, aquele artigo tem pelo menos o mérito de nos mostrar uma fotografia que se não define os pormenores apresenta contornos que valem bem uma leitura. Não sei se é possível obter idêntica fotografia para as famílias portuguesas.

Sunday, January 20, 2008


Sebastião, 26º rei de Portugal, nasceu há 454 anos e desapareceu vinte e quatro anos depois.

Há quem continue à espera que ele volte um dia destes, há quem esteja convencido que ele já chegou. A cada qual o seu Sebastião privativo.
Depois de 430 anos, Sebastião não pode ser o que era. E, segundo alguns, já naquele tempo Sebastião não era grande coisa. Mas quem é que se convence disso?

Saturday, January 19, 2008


Há muita gente que vê nos políticos carreiras de oportunismo e vulgaridade. Os políticos são, não raras vezes, conotados como inábeis que, incapazes de fazer qualquer coisa útil na vida, se penduram nos partidos e ali vão tecendo o casulo onde lhes crescerão as asas de lepidópteros que nos traçam (na duplicidade dos sentidos do termo) o tecido social. Se são incensados por devotos e apoiados por admiradores transitórios, a apreciação que geralmente recolhem da opinião pública é negativa.
Há, evidentemente, nesta atitude frequentemente de crítica demolidora da actividade política muitas vezes razões que extravasam da responsabilidade daqueles que foram eleitos para a gestão da coisa pública mas que encontram neles os bodes expiatórios de todos os insucessos colectivos e, muitas vezes mesmo, de frustações individuais. De tudo o que não se possa responsabilizar terceiros, responsabilizam-se os políticos.

A ideia de que a política é a mais nobre das actividades humanas é acalentada pelos eleitos mas raramente pelos eleitores: as sondagens à opinião pública posicionam, quase sempre, os políticos em lugares do fim dos rankings de um conjunto de profissionais liberais (juízes, professores, médicos, militares, por exemplo) quanto a atributos de idoneidade, competência, honestidade, entre outros.
Tem muita razão José Miguel Júdice, quando afirma em artigo publicado ontem no Público, "DARWIN E O BCP" - Marcar com um ferrete os que passam pelos partidos é injusto e, mais do que isso, é inconveniente", a propósito da controvérsia levantada pela eleição de Armando Vara para a vice-presidência do BCP.
Acha JMJ que "o combate político é uma forma por excelência de selecção dos mais aptos, visto que o subsistema político é o mais competitivo que se conhece. Todas as características que definem - para o bem e para o mal - os gestores de alta direcção empresarial se encontram no mundo político" para concluir que, se Santos Ferreira escolheu Vara para seu vice-presidente, sendo Santos Ferreira reconhecidamente competente, e tendo a eleição da administração executiva do BCP sido eleita por 97% do capital presente na assembleia de accionistas, Armanda Vara é inequivocamente competente para o lugar.
A argumentação de JMJ sustentada na tese de que a competição selecciona os mais aptos e que, sendo o subsistema político o mais competitivo, os políticos são, por essa razão, sempre capazes, porventura até os mais capazes, confronta-se mal com a generalidade da opinião pública acerca dos mesmos políticos, que os considera ineptos e muitas vezes corruptos.
Contudo, se quisermos chamar Darwin para apreciar esta flagrante diferença de perspectivas, a justificação que JMJ parece (ou quer) ignorar e a opinião pública frequentemente radicaliza é simples: a selecção das espécies não favorece os mais capazes, os mais inteligentes ou os mais fortes mas os que melhor se adaptam ao meio onde vivem. O que, obviamente, não faz, necessariamente, de um político, mesmo bem sucedido, um gestor minimamente capaz, pela elementar razão de terem de actuar em meios completamente diferentes.
Aliás, os mundos da política e dos negócios oferecem-nos exemplos inequívocos. Há políticos que fracassaram redondamente no mundo dos negócios, antes ou depois de terem transitado pelo mundo da política, e a maior parte dos gestores ou empresários bem sucedidos nunca se tentaram pela gestão da coisa pública.
O que JMJ esqueceu (propositadamente ou não) foi dos interesses de que se aproveitam os empresários quando os políticos, ou ex-políticos, estão posicionados para lhes garantirem vantagens, distribuindo entre eles, empresários e políticos, os resultados do acasalamento
A evidência deste esquecimento propositado é clara: JMJ sabe muito bem que A. Vara solicitou uma licença sem vencimento à CGD para o período em que se encontrar na administração do BCP. JMJ sabe bem o que isso significa: No dia em que se alterarem as correlações de forças no BCP ou no Governo, a aptidão de Vara não se segura sem uma posição garantida de recuo. Quando se alterar o meio, Vara adaptar-se-á com outra forma ou cor.
José Miguel Júdice também.

Friday, January 18, 2008


Why regulators should intervene in bankers' pay
By Martin Wolf

You really don't like bankers, do you?" The question, asked by a former banker I met last week, set me back. "Not at all," I replied. "Some of my best friends are bankers." While true, it was not the whole truth. I may like many bankers, but I rather dislike banks. I recognise their necessity, but fear their irresponsibility. Worse, they are irresponsible partly because they know they are necessary.
My attitude to the banking industry is not a prejudice. It is a "postjudice". My first experience with out-of-control banking was when I watched the irresponsible lending that led to the devastating developing-country debt crises of the 1980s.
The world has witnessed well over 100 significant banking crises over the past three decades. The authorities have even had to rescue important parts of the US financial system - on most counts, the world's most sophisticated - four times during the same period: from the developing country debt and "savings and loan" crises of the 1980s to the commercial property crisis of the early 1990s and now the subprime and securitised-credit crisis of 2007-08.
No industry has a comparable talent for privatising gains and socialising losses. Participants in no other industry get as self-righteously angry when public officials - particularly, central bankers - fail to come at once to their rescue when they get into (well-deserved) trouble.
Yet they are right to expect rescue. They know that as long as they make the same mistakes together - as "sound bankers" do - the official sector must ride to the rescue. Bankers are able to take the economy and so the voting public hostage. Governments have no choice but to respond.
Nor is it all that difficult to understand the incentives at work. I gave the broad answer in my column, "Why banking is an accident waiting to happen" (Financial Times, November 27 2007).
It is the nature of limited liability businesses to create conflicts of interest - between management and shareholders, between management and other employees, between the business and customers and between the business and regulators. Yet the conflicts of interest created by large financial institutions are far harder to manage than in any other industry.
That is so for three fundamental reasons: first, these are virtually the only businesses able to devastate entire economies; second, in no other industry is uncertainty so pervasive; and, finally, in no other industry is it as hard for outsiders to judge the quality of decision-making, at least in the short run. This industry is, in consequence, exceptional in the extent of both regulation and subsidisation. Yet this combination can hardly be deemed a success. The present crisis in the world's most sophisticated financial system demonstrates that.
I now fear that the combination of the fragility of the financial system with the huge rewards it generates for insiders will destroy something even more important - the political legitimacy of the market economy itself - across the globe. So it is time to start thinking radical thoughts about how to fix the problems.
Up to now the main official effort has been to combine support with regulation: capital ratios, risk-management systems and so forth. I myself argued for higher capital requirements. Yet there are obvious difficulties with all these efforts: it is child's play for brilliant and motivated insiders to game such regulation for their benefit.
So what are the alternatives? Many market liberals would prefer to leave the financial sector to the rigours of the free market. Alas, the evidence of history is clear: we, the public, are unable to live with the consequences.
An alternative suggestion is "narrow banking" combined with an unregulated (and unprotected) financial system. Narrow banks would invest in government securities, run the payment system and offer safe deposits to the public. The drawback of this ostensibly attractive idea is obvious: what is unregulated is likely to turn out to be dangerous, whereupon governments would be dragged back into the mess.
No, the only way to deal with this challenge is to address the incentives head on and, as Raghuram Rajan, former chief economist of the International Monetary Fund, argued in a brilliant article last week ("Bankers' pay is deeply flawed", FT, January 9 2008), the central conflict is between the employees (above all, management) and everybody else. By paying huge bonuses on the basis of short-term performance in a system in which negative bonuses are impossible, banks create gigantic incentives to disguise risk-taking as value-creation.
We would be better off with Jupiter's 12-year "year", since it takes about that long to know how profitable strategies have been. The point is that a year is an astronomical, not an economic, phenomenon (as it once was, when harvests were decisive). So we must ensure that a substantial part of pay is better aligned to the realities of the business: that is, is made in restricted stock redeemable over a run of years (ideally, as many as 10).
Yet individual institutions cannot change their systems of remuneration on their own, without losing talented staff to the competition. So regulators may have to step in. The idea of such official intervention is horrible, but the alternative of endlessly repeated crises is even worse.
The big points here are, first, we cannot pretend that the way the financial system behaves is not a matter of public interest - just look at what is happening in the US and UK today; and, second, if the problem is to be fixed, incentives for decision-makers have to be better aligned with the outcomes.
The further question is how far that regulatory net should stretch. I believe it should cover all systemically important financial institutions. Drawing the line will not be simple, but that is a problem with all regulation. It is not insoluble. The question the authorities need to ask themselves is simple: if a specific institution fell into substantial difficulty would they have to intervene?
If the conflict of interest that dominates all others is between employees and everybody else, then it must be fixed. All bonuses and a portion of salary for top managers should be paid in restricted stock, redeemable in instalments over, say, 10 years or, if regulators are feeling generous, five. I understand that the bankers will not like this. Yet one thing is surely now quite clear: just as war is too important to be left to generals, banking is too important to be left to bankers, however much one may like them.


A anedota é rasca e tem barbas mas é a que me ocorre quando leio a notícia de hoje aqui acerca do comportamento do Banco de Portugal, sobretudo do seu Governador, no caso BCP.
Várias vezes já, tenho reflectido aqui no Aliás acerca do assunto, e continuo a pensar que Vítor Constâncio já se deveria ter demitido. Não vai fazê-lo porque é inerente à sua reconhecida incapacidade de decisão, que, neste caso, lhe continua a garantir o enchimento da bolsa. Também não vai ser demitido porque faz parte do contrato e dos compromissos.
Banco de Portugal sabia das operações suspeitas do BCP desde 2001
O Banco de Portugal (BdP) conhecia as operações de crédito concedidas a membros dos órgãos sociais do Banco Comercial Português (BCP), bem como acompanhou os últimos aumentos de capital que recorreram a contas off-shore. O regulador deu ordens para que o banco corrigisse as situações, mas nunca penalizou os gestores do BCP
. (Jornal de Negócios Online)

Tal qual o que aconteceu na praia, deserta, da Costa da Caparica: O nudista regalava o rabinho ao sol, veio o pescador guloso e deixou-se escorregar para as costas do nudista. Este, após um apreciável compasso de espera, avisou docemente o pescador:
Senhor pescador tem meia hora para tirar essa porcaria daí.
Reconheça-se, contudo, que há uma grande diferença entre as duas anedotas: No caso do Banco de Portugal há prejudicados e mal pagos que somos nós, todos aqueles que de uma forma ou de outra pagam as favas pela indolência gosada do Governador.

Thursday, January 17, 2008


O Público online está a transmitir em directo, aqui, imagens de um ninho de grifos (variedade de abutres) replicando, com objectivos provavelmente louváveis, uma espécie de programa Big Brother.
Ainda que a iniciativa patrocinada pelo Público possa, eventualmente, afrontar algumas mentalidades mais protectoras da intimidade dos bichos, ocorre-nos o mérito e as vantagens que poderiam decorrer de uma câmara que espiasse os movimentos e acasalamentos de alguns abutres humanos.


Discute-se hoje na AR uma proposta de alteração da lei que governa o poder local. Alguns dos aspectos da proposta que estão a ser objecto de crítica cerrada por parte dos pequenos partidos prendem-se com a retirada do poder de voto dos presidentes das juntas de freguesia, enquanto membros das assembleias municipais, em matérias como a aprovação do orçamento municipal, e a eleição das câmaras pelas assembleias municipais e a constituição das vereações camarárias por escolha dos presidentes eleitos das câmaras.
Quanto ao primeiro ponto, defendem os proponentes (PS e PSD), que a participação dos presidentes das juntas de freguesia nas assembleias municipais atribui-lhes uma representatividade excessiva e não proporcional (a assembleia municipal de Barcelos tem 179 membros, e uma freguesia de 3000 eleitores tem o mesmo poder de voto que outra de 30000).
Parecem-me inteiramente pertinentes os argumentos dos proponentes e é pena que não se aproveite a oportunidade para abordar a pertinência da continuidade das freguesias enquanto órgãos de base de poder autárquico. Dessa abordagem, se não resultasse a conclusão extrema de extinção das freguesias, tal como se encontram hoje estruturadas, ocorreria pelo menos uma conclusão inevitável: há muitas freguesias que deixaram de ter razão de existir. E concelhos também. E todos os distritos.
Quanto à eleição das câmaras e sua constituição, a intenção só peca, do meu ponto de vista, por ficar a meio caminho. As câmaras deverão ser eleitas pelas assembleias municipais e as vereações não deveriam ser executivas, salvo o presidente.
Um dia, já o tenho dito aqui no Aliás, chegarão a essa conclusão. Já faltou mais.

Wednesday, January 16, 2008


O BE decidiu-se por uma moção de desconfiança ao Governo. Está no seu direito mas ninguém vai passar a desconfiar mais nem menos depois do evento.
O BE queria um referendo para ter ribalta. Como o Governo não lhe faz a vontade, nem a vários outros espíritos inquietos, entendeu levar a mentira de Sócrates a julgamento do parlamento. Mas, a serem verdadeiras as conclusões que há dias aqui transcrevi acerca do charme da mentira, o tiro do BE vai sair-lhe pela culatra e aumentará ainda mais a popularidade de Sócrates.
Dando por adquirido que Sócrates prometeu o referendo e agora o recusa, a sua inversão de marcha (a sua mentira, se quiserem) é boa ou má? Devo criticá-lo ou bater palmas?
Eu bato palmas.
Votei em Sócrates para não votar em Santana. Qualquer outro voto está fora do meu espectro de opções políticas. Quando votei em Sócrates não votei nele por que ele prometeu o referendo, nem deixei de votar nele por causa dessa promessa. Mas era e sou convictamente contra o referendo a tratados por ver neles um instrumento perigoso de populismo e de demagogia.
Se Sócrates prometeu e não cumpre, neste caso, coerentemente, bato palmas.
Quantos estarão no meu caso? A julgar pela participação em referendos anteriores (regionalização e aborto) o interesse dos eleitores portugueses é baixo, ficou sempre aquem dos 50%. Daqueles que votaram em Sócrates, quantos fizeram da promessa de referendo a principal razão para votar nele? 5%, 10%, 20%?!!!
Admitamos 20%. Contas feitas, no máximo 10% estarão desiludidos com a promessa não cumprida. Dos restantes 90%, grande parte não achará o assunto suficientemente relevante, muitos, como eu, aplaudem.
Não é por aí que Sócrates baixará nas sondagens. Prevejo que subirá.

Tuesday, January 15, 2008


Ouvi no noticiário da noite da Antena 1 Miguel Cadilhe a estranhar e lamentar o comportamento dos grandes accionistas do BCP (uma minoria de accionistas que deu a Santos Ferreira 97,7% dos votos) ao subordinarem-se, e subordinarem os interesses do Banco ao seu conluio com o Governo; ao mesmo tempo que realçava a reprovação dada por cerca 800 pequenos accionistas (a esmagadora maioria que deu a Miguel Cadilhe) acerca do mesmo concluio.
As considerações de Miguel Cadilhe só podem ser lidas em registo irónico porque ele sabe, toda a gente sabe, que a pacificação do saco de gatos à volta do nome de Santos Ferreira tem uma esplicação clara: Era Santos Ferreira que, enquanto presidente da Caixa, dava carapaus aos felinos; é o mesmo Santos Ferreira quem vai continuar, enquanto presidente do BCP, a distribuir-lhes as rações que precisam. Não há, portanto, subordinação mas cooperação estratégica. Subordinados e delapidados ficam os interesses dos pequenos accionistas, e esses só têm uma saída: sair.
Cândidido, parece ter sido também Pinhal, em registo dramático, na hora da despedida, ao apontar Constâncio como responsável pela incapacidade dos administradores pós 1999 se candidatarem na Assembleia de hoje: Constâncio sugeriu-lhes que eles não se deveriam candidatar, eles acham iníqua a recomendação de Constâncio mas acataram-na. Por quê? Se a insinuação era torpe porque se vergaram os administradores alvo da suspeita não demonstrada?
Ficou, no fim da festa, um gato à solta: Berardo.
Não lhe deixaram (por pouco) presidir à Comissão de Vencimentos, o que é muito significativo das intenções da maior parte dos gatos em continuar a pagar principescamente a quem lhes atira o pescado, e Berardo não perdeu tempo a avisar que ficará livre para continuar a denunciar. Ainda um dia destes veremos Berardo a apoiar Cadilhe.
Quanto a Santos Ferreira não tem alternativa senão continuar a alimentar os gatos. Ainda que de forma discreta, como é seu timbre. Enquanto existir BCP.

Monday, January 14, 2008


Enquanto do lado republicano McCain parece vir a afirmar-se em cada dia que passa como o candidato do GOP às presidenciais em Novembro, do lado democrata Obama continua a encurtar a diferença que o separa de Hillary nas sondagens a nível nacional.
Hillary, sendo uma candidata que mobiliza mais o eleitorado liberal (no sentido político norte-americano do termo) é também a que suscita maiores reacções de rejeição.
Obama, se ganhar a nomeação democrata, pode vir a ser o próximo presidente dos EUA. Se essa nomeação contemplar Hillary, a hipótese de McCain continuar a administração republicana é muito forte.
Quanto a Edwards, ainda não ficou pelo caminho mas está cada vez mais afastado do pelotão da frente. Às vezes acontece chegar primeiro à frente quem vem detrás.

Sunday, January 13, 2008


Fears About Economy Increase
Debt Crisis Grows; Top Mortgage Firm Sold at a Bargain

Anthony Faiola and Tomoeh Murakami Tse
Major banks and mortgage companies yesterday sharply accelerated an industry consolidation that is set to change the landscape of American lending, while a convergence of events exposed fresh worries about the U.S. economy.
New indications emerged yesterday that the spiraling subprime mortgage crisis is spreading from home loans to credit cards, potentially engulfing a far broader segment of Americans. At the same time, the U.S. trade deficit soared to a 14-month high, fueled by soaring oil prices.
And rising concern that U.S. investment houses, particularly
Merrill Lynch, may yet suffer far greater losses, helped set up a wide market sell-off.
Echoing the heightened concern, Treasury Secretary
Henry M. Paulson Jr. said yesterday that the U.S. economy had slowed "rather materially" at the end of 2007 and that "time is of the essence" in launching an economic stimulus package to stave off a recession.
Meanwhile, a broad shake-up of the U.S. lending industry is speeding up.
Bank of America agreed yesterday to buy the troubled Countrywide Financial for $4 billion, a bargain-basement price for the nation's largest mortgage lender, which, analysts said, could have even more substantial mortgage-related losses ahead.
"There are signs" that the economy "is slowing down fairly rapidly," Paulson told Bloomberg Television. Congressional Democrats have promised to work with the Bush administration to pass a series of economic measures meant to boost consumer confidence and fend off a sharp downturn, perhaps including tax rebates for low- and middle-income Americans and tax cuts and other fiscal measures to boost investment. "If something were to be done here, I think the focus would be on something that's temporary and that could get done and make a difference soon," Paulson said.
Some saw the rescuing of Countrywide from possible bankruptcy, as well as news that
J.P. Morgan Chase is in "very early talks" with about a half-dozen regional banks, including Washington Mutual of Seattle, as evidence of a much-needed consolidation that in the long run could fortify the lending industry and eventually ease the nation's credit crunch.
At best, however, that dawn remains some ways off. Economists said the market drop yesterday signals that
Wall Street is increasingly betting on a recession and failed to respond to vows by Federal Reserve Chairman Ben S. Bernanke that the central bank would act aggressively to prevent one.
Dow Jones industrial average of 30 blue-chip stocks plunged 246.79, or 1.9 percent, to 12,606.30. The Standard & Poor's 500-stock index, a broader market measure, lost 19.31, or 1.4 percent, to 1401.02. The tech-heavy Nasdaq composite index declined 48.58, or 2 percent, to 2439.94.
"I almost feel like we're in the first innings of a bear market," said Jim Herrick, director of equity trading at Robert W. Baird. "It's really hard to see the light at the end of the tunnel."
Jitters were also stirred by a
New York Times report that Merrill Lynch may take a $15 billion write-down when it reports earnings next week, exceeding the $12 billion that had been predicted. In addition, American Express shares shed 10.1 percent of their value after the company warned that it would take a charge of $440 million in the fourth quarter, in part to cover higher delinquencies.
As companies continue to be squeezed in the credit crunch, the landscape for financial institutions has increasingly become a matter of survival of the fittest. Wobbling mortgage lenders are searching for bailouts, and banks relatively unscathed by deteriorating mortgage assets are cautiously looking for discounted takeover targets.
Bank of America, at least on paper, is getting Countrywide on the cheap -- picking up the lender at a mere 31 percent of its book value. Yet even at that price, analysts fretted that Bank of America may still be taking on too much risk and exposing itself unnecessarily to what could be a far deeper cache of bad debt on Countrywide's books.
Other factors that will determine whether the United States is able to avoid a recession, or at least blunt its pain, are developments in the labor market, whether consumers continue to tighten their purse strings, and how much money financial institutions will be losing in the months to come as the shake-out continues.
Joe Brusuelas, chief economist at the research firm IdeaGlobal, said the magnitude of these losses may be staggering.
"We haven't even scratched the surface of what the losses will be," Brusuelas said. "I don't think we're anywhere near the end. Rather, we're still at the beginning of this."
On the plus side, some economists said, U.S. institutions are moving to deal with a bad situation far faster, for instance, than Japanese banks did after the collapse of that nation's real estate market in the early 1990s. Major U.S. financial institutions have written off $68 billion as they come to grips with the depths of their troubles.
"This all signals that we're moving in the right direction," said Art Hogan, chief market analyst for
Jefferies & Co. "But we're going to have more bumps in the road ahead, especially next week, when many financial institutions will report their earnings and probably more write-offs."
Economic concerns deepened yesterday after the release of data showing an unexpectedly larger U.S. trade deficit in November, $63.1 billion. Analysts had hoped that the weaker dollar would help U.S. companies export America's way to a narrower trade gap. But while exports did stage a relatively robust uptick, they were more than offset by a 16.3 percent rise in the nation's bill for foreign oil.
The widening deficit has serious political ramifications, particularly in an election year in which globalization and free trade have become popular pi¿atas on the campaign trail as a blame for America's economic woes. Critics of free trade, as well as those who have pressed the Bush administration to get tougher on
China in particular, have blamed those policies for zapping millions of jobs from the United States.
Protectionist fires are likely to be fanned by more revelations yesterday that major U.S. financial institutions are searching for cash infusions from sovereign wealth funds, the investment arms of foreign governments. Such funds in
Asia and the Middle East are flush from the industrial revolution in China and soaring oil and gas exports in the Persian Gulf states.
To date, sovereign wealth funds have invested nearly $30 billion in Merrill Lynch,
Citigroup, UBS, Morgan Stanley and Bear Stearns. Citigroup and Merrill are to get up to an additional $14 billion combined, the Wall Street Journal reported this week. Such deals are emerging as flashpoints for some critics, who insist that it is not in U.S. interests to have the nation's key financial institutions part-owned by foreign government entities.
In addition, Congress is considering bills that would clear the way for economic sanctions on China if it continues to prop up its currency, which some analysts say is being artificially undervalued by as much as 40 percent against the dollar to ensure that Chinese exports remain cheap.
In an interview yesterday,
Commerce Secretary Carlos M. Gutierrez said the trade deficit with China had actually narrowed slightly in November and warned against slipping into a new era of protectionism.
"If the discussion were to translate into isolationist and protectionist policies, I think that would be bad for our economy and bad in terms of the message that we are sending to the world," Gutierrez said.

Saturday, January 12, 2008


Recordei-me da comunicação de Jacques Bouveresse "DO WE NEED TRUTH?" na Conferência Gulbenkian "QUE VALORES PARA ESTE TEMPO? (Lisboa, Outubro, 2006), a propósito das mentiras dos políticos em geral, e daquelas de que é acusado o PM em particular, a mais recente das quais a propósito da ratificação do Tratado Europeu.
Qualquer observador mínimente isento sabe que Sócrates prometeu durante a campanha eleitoral que lhe deu maioria absoluta, referendar o Tratado e que, em consequência de compromissos assumidos durante as negociações que conduziram à sua assinatura em Lisboa, todos os subscritores se comprometeram a submeter a ratificação do Tratado por via parlamentar, salvo a Irlanda por imperativos constitucionais. Mesmo a Dinamarca, que sempre submeteu a referendo todos os Tratados europeus, se obrigou à ratificação parlamentar.
Sócrates, perante dois compromissos antagónicos, decidiu-se a justificar o segundo alegando que o Tratado assinado não é aquele que ele prometera referendar. Mentiu?
Admitamos que mentiu.
Se falasse verdade, o que diria? Que assumira um compromisso que é a bóia de salvação do Tratado?
Caía-lhe a Oposição em cima por ter negociado à revelia do mandato popular e se ter submetido ao dictat das grandes potências.
A verdade, já se sabe, tem custos. Terá benefícios?
Transcrevo de "DO WE NEED TRUTH"Jacques Bouveresse algumas passagens de um documento que deve ser lido na íntegra e está disponível no site da Gulbenkian:

"Peter Hacker, in Appearance and Realty, says of truth that it generally has the dignity, but not the charm. We are much more seduced by the illusions of philosophy than by the humble truths is able to discover and communicate. That is, it seems, true not only in case of philosophy, but quite generally. It could be said also of truth tha it usually has the respect and the praises, but not the favour and the honours. It is not by truth that we are the most spontaneously attracted and captivated, and it is not truth that is most beloved and bilieved. With falsity, the exact opposite seems to be the case. It has in principle the disgrace, but that does apparently not prevent it from having, neverthless, most of time the success and power".
The complicated and painful problem one has to face here is that for being perceived and acknowledge as true it is by no means necessary to be such, and the fact of being true may even ,on that point, constitute a serious drwback: the best way to be accepted as true is not necessarily the one consisting in being, in effect true. It is a thing that, for Nietzche, tends to become more striking in times like the one we are now living in, which is the time of masses and theater. Musil quotes a passage of Der Fall Wagner , where it is said that:(...) In cultures of decline, (...) in all situations in which the decision falls into the hands of the masse, authenticity becomes superfluous, disadvantageous, retrograde. Only the actor can still raise the great enthousiasm. In consequence, the heyday is coming for the actor."

Elucidativo, não?