Saturday, May 27, 2017

Friday, May 26, 2017

A NATO


Acabou?

Isto está tudo ligado:

As divergências entre Trump e os líderes europeus reunidos em Bruxelas não se limitam às questões da defesa. O ambiente e o comércio externo são outros pontos críticos de desacordo.
É a primeira vez que um presidente norte-americano não confirma o compromisso dos EUA de defesa mútua previsto no artº. 5º. do Tratado fundador da Aliança Atlântica. Para consumo interno, Trump foi repetindo que os europeus devem aumentar as suas contribuições, uma pretensão que ninguém rejeitou.

Entretanto soube-se esta manhã que o FBI investiga eventuais conexões do genro e senior advisor de Trump, Jared Kushner, com a Rússia - Cf. -FBI investigates Jared Kushner´s Russia ties

Se a melhor forma de enfrentar uma ameaça é agarrá-la como oportunidade, estando cada vez mais estreito o caminho da UE, espera-se que a redução da margem de manobra imponha a coesão que lhe tem faltado. O contrário seria o descalabro total.

Thursday, May 25, 2017

O JOGO DA CABRA CEGA

Ao fim  de mais de 6 anos alguns ratos saíram da montanha. 
Os outros, ou já tinham saído sem que ninguém tenha dado por isso, ou ainda lá se encontram à espera da noite que os confunda com o pardo dos gatos.

Oliveira e Costa, que se encontra hospitalizado e não assistiu à leitura da sentença, foi ontem condenado a 14 anos de prisão pelo costume: crime de falsificação de documentos, fraude fiscal qualificada, burla qualificada e branqueamento de capitais. "Foi a maior burla da história da Justiça portuguesa julgada até ao momento", segundo o juiz Luís Ribeiro, que preside ao colectivo de juízes responsável pelo julgamento do processo principal.
Foram ainda condenados a penas de prisão efectiva três comparsas por condutas especialmente graves. Outros oito foram condenados a com penas de prisão inferiores a 5 anos, admitindo o tribunal a suspensão em troca de indemnizações ao Estado que, no máximo, atingem os 50 mil euros durante o tempo de prisão a que foram condenados. 

Trocos, se comparados com os 6, 7, ..., mil milhões (as contas ainda não estão feitas!) que os contribuintes portugueses têm de pagar. Quem ganhou com a monumental burla? A quem aproveitaram os crimes? O que recuperamos nós, contribuintes, do dinheiro a que os ratos deram sumiço? 
Oliveira e Costa foi, desde o início do processo, indiciado como principal responsável, e ele não enjeitou a acusação. Mas quanto ganhou ele com os crimes praticados? Que descaminho deu às vantagens que retirou? Prendê-lo, e não é provável que volte a ser preso, considerando a idade e o estado de saúde, e as voltas recorrentes que as leis que temos consentem*, para quê?
Os valores exigidos aos que podem ver as penas suspensas não pagam sequer as custas do processo.
Os crimes económicos e financeiros deveriam ser preferencialmente punidos pelos valores materialmente equivalentes aos danos totais que provocaram.

A quem aproveitaram os crimes cometidos?
Para além dos ratos por cujas falcatruas foram ontem condenados para quase nada, há uma trupe de ilusionistas parcialmente publicamente conhecida que aproveitou, arrecadou e fez desaparecer os milhares de milhões que temos de pagar. Acerca desses os juízes nada disseram. São esses outros ratos que, alegremente divertidos, jogam impunes e radiantes à cabra cega, enquanto nos assaltam os bolsos.


Wednesday, May 24, 2017

BRASIL

De temer.
Não é trocadilho, o Brasil pode estar à beira de guerra civil.


Temer foi cooptado pelo seu grupo de suspeitos e incriminados. A nuvem de corrupção ensombra o país, a convocação dos militares num contexto de suspeição que atinge as altas estruturas do poder pode atiçar um rastilho incontrolável. Quando a tropa é convocada pelo poder sitiado nunca se sabe de que lado estarão os militares no dia seguinte. 
Se a contestação popular for sufocada, reacender-se-á enquanto não for sufocado o regime democrático. Se não, ou Temer se demite ou o que resta insuspeito das instituições democráticas deve afastá-lo pelos meios expeditos consentidos pela Constituição. Um processo de impeachment seria a via dolorosa em que apodreceria irremediavelmente o regime. 

Monday, May 22, 2017

QUEM VÊ CARAS

O Novo Banco registou 130,9 milhões de euros de prejuízos nos primeiros três meses do ano.
Porquê?
Vem quase tudo explicado aqui.
O que não vem explicado é quem paga mais esta conta, mais as próximas até que esteja completamente fechada a venda ao "Lone Star Funds"
O sr. António Ramalho, a julgar pelo boneco que acompanha a notícia, não parece preocupado com mais esta ninharia.



Na Caixa os prejuízos no primeiro trimestre, explicados pelos custos de reestruturação, segundo a administração do sr. Paulo Macedo, foram de 38,6 milhões, um pouco mais de metade dos prejuízos observados no período homólogo do ano passado. 
Acabaram-se os grandes calotes? Já estão todos imparidados?
O sr. Horta Osório considerava na entrevista ao DN e à TSF, referida aqui, que "quanto ao caso CGD houve erros graves e seria lamentável se não houvesse resultados da investigação sobre quem emprestou dinheiro a quem".
O sr. Horta Osório é um eufemista.
Quem é que já não sabe quem emprestou a quem na CGD os créditos mirabolantes que só não levaram a Caixa à falência porque o lombo dos contribuintes aguenta toda a carga de moscambilhas que os banqueiros e caixeiros engendraram e, provavelmente, alguns continuarão a engendrar?
Quanto a grandes calotes e grandessíssimos caloteiros, os da Caixa estarão, talvez preocupados, mas ainda assim fechados em copas.



Sunday, May 21, 2017

É PRECISO PREPARAR UM PLANO DE REDUÇÃO DA DÍVIDA

"É preciso preparar um plano de redução da dívida em relação ao produto para aumentar o grau de fortaleza e resistência da economia. Gostava de ver esse plano, era muito importante que existisse"

A afirmação é do sr. Horta Osório em entrevista do DN e TSF publicada aqui, e vale a pena uma leitura atenta, não apenas porque o entrevistado é um banqueiro de mérito internacionalmente reconhecido mas porque conhece bem a realidade portuguesa e a discussão acerca da redução da dívida pública um tema que ultrapassa agora claramente a quase não discussão acerca do nível do défice. 
Mas é possível reduzir a dívida (ou estabilizar o seu valor nominal com propõe Olivier Blanchard em entrevista do Expresso) sem continuar a aumentar o saldo primário para reduzir o défice? Como?

É preciso preparar um plano de redução da dívida. Gostaria de ver esse plano, diz ele. 
E digo eu.
O que ele não diz é como se pode reduzir a dívida. 
E o entrevistador também não perguntou. É uma pecha de alguns jornalistas esquecerem-se das questões mais importantes. 

Toda a gente tem uma receita, a mais comum, aumente-se o investimento para fazer crescer a economia.
Como?

Pois é: o diabo está nos como

Saturday, May 20, 2017

O AMIGO DAS ARÁBIAS

Soube-se hoje que Mr. Trump vendeu aos sauditas 110 mil milhões dólares de armas no primeiro dia da sua primeira saída dos EUA desde que tomou posse, um sucesso que lhe permitirá desacelerar o movimento interno que ameaça a sua destituição. Resta ver que negócios será ele capaz de engendrar junto de israelitas e palestinianos para acabar, promessa dele, com o conflito entre palestinianos e israelitas que dura desde  a fundação do Estado de Israel, há quase 70 anos. 

Para Mr. Trump, vender armas é fácil, aliás já estariam vendidas, Mr. Trump limitou-se a oficializar o negócio, mesmo que essas armas sejam vendidas a quem, segundo o próprio Trump, suporta os fanáticos do Isis, que ele, o mesmo Mr. Trump, se propõe eliminar. 

Tão terrivelmente fácil quanto terrivelmente sujo.